1 Previnir Construir a Velhice Aspectos Biolgicos Ivana Beatrice Mnica da Cruz, MSc, PhD Laboratrio de Biogenmica, Departamento de Morfologia Centro.

  • Published on
    22-Apr-2015

  • View
    106

  • Download
    4

Transcript

  • Slide 1
  • 1 Previnir Construir a Velhice Aspectos Biolgicos Ivana Beatrice Mnica da Cruz, MSc, PhD Laboratrio de Biogenmica, Departamento de Morfologia Centro de Cincias da Sade Universidade Federal de Santa Maria
  • Slide 2
  • 2 Biogerontologia O estudo da biologia do envelhecimento e suas implicaes,ecolgicas, sociais e para a sade humana.
  • Slide 3
  • 3 Definio do Envelhecimento Biolgico - Difcil - Controversa -Necessidade de se estabelecer alguns conceitos e definies de referncia
  • Slide 4
  • 4 Envelhecimento ou Senescncia?
  • Slide 5
  • 5 Envelhecimento biolgico: Obra do acaso? Uma doena? Um estgio do desenvolvimento biolgico?
  • Slide 6
  • 6 Envelhecimento como parte do desenvolvimento biolgico Zigoto Embrio Infncia Perodo Reprodutivo Envelhecimento Morte
  • Slide 7
  • 7 TEMPO DE VIDA Nascimento Morte O QUE ENTENDEMOS POR LONGEVIDADE?
  • Slide 8
  • 8 O envelhecimento biolgico tem que ser - Deletrio: reduz a funo biolgica - Progressivo: mudanas so graduais - Intrnsico: dependente de caractersticas espcie-especficas - Universal: ocorre em todos os membros de uma mesma espcie Stehler, 1982
  • Slide 9
  • 9 Caractersticas principais do envelhecimento biolgico - Tem origem multifatorial (gentico-ambiental - Pode ser acelerado/desacelerado mas no pode ser interrompido ou evitado -No um estado mrbido ainda que a probabilidade de doenas seja mais alta - Sempre est acompanhado pela queda nas taxas de fecundidade e aumento nas taxas de mortalidade
  • Slide 10
  • 10 Envelhecimento Biolgico Modificaes biolgicas associadas ao envelhecimento ocorrem atravs de uma cascata organizacional
  • Slide 11
  • 11 Envelhecimento Biolgico O envelhecimento biolgico representa um conjunto de modificaes que ocorrem no organismo, que levam ao seu declnio funcional e que aumentam progressivamente a chance do individuo morrer. Sir Peter (Brian) Medawar Nobel Laureate Director of the National Institute for Medical Research- London 1915-1987 Livro: An unsolved Problem of Biology. H.K. Lewis, 1952; London.
  • Slide 12
  • 12 DETERMINANTES DO ENVELHECIMENTO E LONGEVIDADE: Gentico-ambientais Seres Humanos Herdabilidade a partir de Estudos Genealgicos ANON o Indivduos Investigados Herdabilidade 1918 8.798 - EUA0,40 1932 7.500 CHINA0,25 1951 12.876 - ESCANDINAVIA 0,28 1991 14.549 EUA 0.20 0,25Herdabilidade
  • Slide 13
  • 13 Questes relacionadas ao estudo da longevidade
  • Slide 14
  • 14 Quem estuda a longevidade humana? Demografia do Envelhecimento Instituto Brasileiro de Geografia e Estatstica (IBGE)
  • Slide 15
  • 15 Estudos demogrficos do envelhecimento Mdia Esperana de vida ao nascer Expectativa de vida ao nascer Coleta de dados: Censos Demogrficos Mtodos de anlise: Clculo de Tbuas de Vida Principais variveis da anlise: -Taxa de mortalidade infantil -Taxa de fecundidade feminina
  • Slide 16
  • 16 Longevidade humana: tbua de mortalidade Fonte: IBGE
  • Slide 17
  • 17 Evoluo da esperana de vida ao nascer no Brasil Fonte: IBGE
  • Slide 18
  • 18 Longevidade biolgica mxima do ser humano Fonte: IBGE Informaes provenientes de estudos: -de caso -observacionais transversais -demogrficos
  • Slide 19
  • 19 Longevidade biolgica mxima do ser humano Paradigma vigente at 2000: A longevidade mdia aumenta A longevidade mxima no muda ~ 112 anos
  • Slide 20
  • 20 Longevidade biolgica mxima do ser humano Longevidade documentada e cientificamente aceita: Nascimento: 1875 Morte: 1997 Local: Frana Idade: 122 anos e 144 dias Jeanne Louise Calment
  • Slide 21
  • 21 Longevidade biolgica mxima do ser humano Estudos complementares demogrficos e longitudinais Questionam a idia de que a longevidade mxima chegou no seu auge e no est aumentando
  • Slide 22
  • 22 Longevidade biolgica mxima do ser humano
  • Slide 23
  • 23 Longevidade biolgica mxima do ser humano Estudo analisou padres demogrficos da Sucia no Perodo de 1756 a 1999 Ano do nascimento Idade mxima
  • Slide 24
  • 24 Longevidade biolgica mxima do ser humano Concluiram: apesar do crescimento da longevidade mxima ser mais lento do que a longevidade mdia, a longevidade mxima humana tambm continua aumentando! Ano do nascimento Idade mxima
  • Slide 25
  • 25 Longevidade biolgica mxima do ser humano: estudos complementares
  • Slide 26
  • 26 Longevidade biolgica mxima do ser humano
  • Slide 27
  • 27 Longevidade biolgica mxima do ser humano Probabilidade de sobrevivncia at os 90 anos de idade: -Idosos sedentrios, fumantes, obesos, hipertensos e diabticos: 4% -Idosos sem nenhum destes efeitos adversos: 54% 10%
  • Slide 28
  • 28 Portanto Seres humanos Longevidade Mdia Longevidade Mxima Estudos sobre biologia do envelhecimento em IDOSOS So cada vez mais relevantes para a rea da sade
  • Slide 29
  • 29 INVESTIGAES EM POPULAES BRASILEIRAS
  • Slide 30
  • 30 PROJETO IDOSO DA FLORESTA: MANAUS & MAUS Coordenao Prof.Dr. Euler Esteves Ribeiro UnATI/UEA Profa.Dra. Ivana BM Cruz-UFSM
  • Slide 31
  • 31 PESQUISADORES PRINCIPAIS Prof.Dr.Renato Peixoto Veras-UERJ Profa.Dra. Karin Viegas-PUCRS Prof.Dr. Jos Antonio de Paz UNILEON
  • Slide 32
  • 32 REFERENCIAL TERICO: O CONTEXTO Regio Norte Praticamente inexistem investigaes associadas a epidemiologia do envelhecimento
  • Slide 33
  • 33 REFERENCIAL TERICO: O CONTEXTO Questo em aberto: Como envelhece o idoso da Floresta?
  • Slide 34
  • 34 Espao de integrao do idoso no ambiente universitrio Formao de recursos humanos em Gerontologia Pesquisa: Quem e como vive o idoso do Amazonas? PROGRAMA IDOSO DA FLORESTA
  • Slide 35
  • 35 PROJETO IDOSO DA FLORESTA RAINFOREST ELDERLY PROJECT
  • Slide 36
  • 36 I ESTUDO: MANAUS (2007-2008) Publicado: Revista Brasileira de Geriatria e Gerontologia Nmero idosos investigados: 1509
  • Slide 37
  • 37 PROJETO MAUS
  • Slide 38
  • 38 POR QUE ESTUDAR MAUS?
  • Slide 39
  • 39 MAUS UM DOS MUNICIPIOS COM MAIOR PROPORO DE IDOSOS Srie histrica 1981-2007 (Fonte: IBGE) Maus
  • Slide 40
  • 40 MAUS APRESENTA GRANDE PROPORO DE IDOSOS LONGEVOS IDADE ACIMA DE 80 ANOS
  • Slide 41
  • 41 MAUS APRESENTA GRANDE PROPORO DE IDOSOS LONGEVOS
  • Slide 42
  • 42 NA MAIOR PARTE DO MUNDO EXISTE MAIS MULHERES IDOSAS QUE HOMENS IDOSOS EM MAUS EXISTE UM NMERO MAIOR DE HOMENS IDOSOS
  • Slide 43
  • 43 PROJETO MAUS PRINCIPAIS DESAFIOS: - Como estudar os idosos de Maus-AM? - Como e que dados comparar com o estudo previamente realizado em Manaus-AM? APS A ESCOLHA DE MAUS COMO MUNICIPIO DE ESTUDOS GERONTOLGICOS
  • Slide 44
  • 44 PERFIL GERAL DE MAUS Caracterizao do Territrio rea: 40.163,8 km Densidade Demogrfica: 1,0 hab/km Altitude da Sede: 25 m Ano de Instalao: 1.833 Cobertura do ESF-SUS: 92%
  • Slide 45
  • 45 PERFIL GERAL DE MAUS
  • Slide 46
  • 46 PERFIL GERAL DE MAUS
  • Slide 47
  • 47 PERFIL GERAL DE MAUS N o Comunidades ribeirinhas estimadas: 175
  • Slide 48
  • 48 PERFIL GERAL DE MAUS Sede do Municpio: ~ 20 mil habitantes
  • Slide 49
  • 49 PERFIL GERAL DE MAUS Sede Maus
  • Slide 50
  • 50 I ETAPA: Janeiro 2009 1 Instrumentos validados e utilizados no estudo de Manaus-AM: reunio pesquisadores e Governo de Maus 2 Avaliao qualitativa da sade do idoso ribeirinho: Comunidade de Vera Cruz- Rio Maus-Au
  • Slide 51
  • 51 PERFIL GERAL DE MAUS 2 Avaliao qualitativa da sade do idoso ribeirinho: Comunidade de Vera Cruz Seu Neves ralando o guaran em lingua de pirarucu. Relato: guaran produzido por ele e ingerido diariamente
  • Slide 52
  • 52 PERFIL GERAL DE MAUS 3-4 -Ajustes no Instrumento de Pesquisa. -Capacitao para aplicao do instrumento de pesquisa
  • Slide 53
  • 53 PERFIL GERAL DE MAUS 5 Estudo piloto da aplicao do instrumento de pesquisa Idosos voluntrios: palestra
  • Slide 54
  • 54 PERFIL GERAL DE MAUS 5 Aplicao coletiva do instrumento em Idosos pelos participantes do Curso de Extenso e Pesquisadores
  • Slide 55
  • 55 PERFIL GERAL DE MAUS 6-7 Curso de capacitao Agentes de Sade da Famlia
  • Slide 56
  • 56 Proporo Idosos UBSs Rurais UrbanasRurais Urbano: 7.24% Rural: 5.63% Total: 6.43%
  • Slide 57
  • 57 Proporo Idosos UBSs Urbanos Populao em Janeiro 2009: 45.284 Populao de Idosos: 2.941 Idosos incluidos na pesquisa: 1307 (45%)
  • Slide 58
  • 58 MAUS: JANEIRO E JULHO DE 2009 Equipe interdisciplinar de pesquisa Foram avaliados aproximadamente 600 idosos sendo que 379 foram includos em Julho
  • Slide 59
  • 59 RESULTADOS PRELIMINARES Distribuio da amostra por sexo Foram includos um nmero similar de homens e mulheres
  • Slide 60
  • 60 RESULTADOS PRELIMINARES Naturalidade dos idosos Maioria dos idosos de Maus ou do Interior
  • Slide 61
  • 61 Naturalidade e Gnero p=0,037 Maior nmero de mulheres naturais de Maus RESULTADOS PRELIMINARES
  • Slide 62
  • 62 Escolaridade Maioria analfabeto ou analfabeto funcional RESULTADOS PRELIMINARES
  • Slide 63
  • 63 Estado Civil Maioria casado RESULTADOS PRELIMINARES
  • Slide 64
  • 64 Situao profissional Maioria aposentado RESULTADOS PRELIMINARES
  • Slide 65
  • 65 Renda Metade com renda prpria RESULTADOS PRELIMINARES
  • Slide 66
  • 66 Moradia Maioria reside em casa de madeira RESULTADOS PRELIMINARES
  • Slide 67
  • 67 Idade similar entre idosos urbanos e ribeirinho: Mdia 73.3 anos (60-100 anos) Idade mdia RESULTADOS PRELIMINARES
  • Slide 68
  • 68 Idade similar entre idosos urbanos e ribeirinho Fertilidade RESULTADOS PRELIMINARES
  • Slide 69
  • 69 Maior nmero de mulheres que vivem com os filhos do que homens idosos Idosos que moram com filhos e que ajudam no cuidado do idoso p=0.0001 RESULTADOS PRELIMINARES
  • Slide 70
  • 70 Maior nmero de mulheres que vivem com os filhos do que homens idosos Idosos que moram com filhos e que ajudam no cuidado do idoso p=0.0001 RESULTADOS PRELIMINARES
  • Slide 71
  • 71 Maior prevalncia de hipertenso nas mulheres Perfil de Sade: Hipertenso p=0.026 RESULTADOS PRELIMINARES
  • Slide 72
  • 72 Maior prevalncia de diabetes II nas mulheres Perfil de Sade: Diabetes p=0.006 RESULTADOS PRELIMINARES
  • Slide 73
  • 73 Maior prevalncia de obesidade nas mulheres Perfil de Sade: Obesidade p=0.003 RESULTADOS PRELIMINARES
  • Slide 74
  • 74 Maior prevalncia de dor nos ossos nas mulheres Perfil de Sade: dor nos ossos p=0.013 RESULTADOS PRELIMINARES
  • Slide 75
  • 75 Similar entre homens e mulheres Perfil de Sade: queda RESULTADOS PRELIMINARES
  • Slide 76
  • 76 Similar entre homens e mulheres Perfil de Sade: fratura ssea RESULTADOS PRELIMINARES
  • Slide 77
  • 77 Similar entre homens e mulheres Perfil de Sade: outras doenas RESULTADOS PRELIMINARES
  • Slide 78
  • 78 Perfil de Sade: que outras doenas? RESULTADOS PRELIMINARES
  • Slide 79
  • 79 Perfil de Sade: imunizao Similar entre homens e mulheres RESULTADOS PRELIMINARES
  • Slide 80
  • 80 -Biomarcadores oxidativos e inflamatrios -Biomarcadores genticos -Anlise da farmacopia local para -Tratamento de fatores de riscos cardiometablicos -Anlises populacionais e experimentais relacionadas -ao consumo do guaran ESTUDOS EM ANDAMENTO
  • Slide 81
  • 81 Os estudos epidemiolgicos demonstraram que O envelhecimento biolgico pode a qualquer tempo Ser positiva ou negativamente modulado por fatores Ambientais. E que a longevidade humana no chegou ao seu Limite mximo A muito o que viver, se a vida tiver a cor e o sabor de uma velhice bem sucedida! CONCLUSO
  • Slide 82
  • 82 Muito obrigada!

Recommended

View more >