1 - APOSTILA AGENTES QUMICOS

  • Published on
    24-Jul-2015

  • View
    286

  • Download
    6

Transcript

AGENTES QUMICOSANEXOS 11, 12 E 13 DA NR 15

Prof. Uanderson Rebula

PROTEO RESPIRATRIA

Sequncia do curso

1) Legislao 2) O Ar que respiramos 3) Contaminantes do ar 4) O aparelho respiratrio 5) Doenas ocupacionais 6) Equipamentos de avaliao 7) Equipamentos de proteo individual e coletiva 8) Cuidados e fatores a serem considerados no uso de respiradoresPROTEO RESPIRATRIA

LEGISLAOGRUPO de riscos ambientais: (Item 9.1.5 DA NR9) TIPOS de riscos ambientais (os chamados contaminantes do ar item 9.1.5.2 da NR9)

Programa de Preveno de Programa de Preveno de Riscos Ambientais Riscos AmbientaisIdentifica os riscos ambientais que causam danos sade e estabelece medidas de controle.

NR9 - PPRA

Riscos fsicos Riscos qumicos Riscos biolgicos

Poeiras; Poeiras; Fumos metlicos; Fumos metlicos; Nvoas; Nvoas; Gases; Gases; Vapores orgnicos. Vapores orgnicos.

PROTEO RESPIRATRIA

IN01-01/04/94Estabelece as regras de um Programa Proteo Respiratria.

NR7 - PCMSOPrograma de controle mdico de sade ocupacional Estabelece os exames mdicos necessrios em funo da exposio aos riscos ambientais

NR06Determina os EPIs que protegem dos riscos ambientais.

NR15Estabelece Limites de Tolerncia para os riscos ambientais (anexos 11, 12 e 13)

O Ar que Respiramos

Qualquer elemento no ar alm desta composio contaminante

78%

N21%(Gases Nobres)

21%

O2

Outros

PROTEO RESPIRATRIA

Hlio, Nenio, Argnio, Criptnio, Xennio, Radnio

Contaminantes do arTodo elemento que no faa parte da composio qumica do ar em estado puro e que seja nocivo a sade humana quando inalado.

Poeiras Poeiras

Vapores orgnicos

Fumos metlicos

78% N2PROTEO RESPIRATRIA

21% O2

1% Outros (Gases Nobres)Gases

Nvoas

TAMANHO DAS PARTCULASFrao respirvel Visvel 10 m 100 m

0,01 m

0,1 m

1 m

... ... ......... . . . .. .... .. . . . . . . .. .. . . . . . ... . . . . . . . . . ... . . . ... ... . . . . . . . . ... . ... . . . . . . . . . ...

FUMOS. .. . .. . .

NVOAS. . . . . . . .. . PROTEO RESPIRATRIA

. .. . . . . .. ..... .. . . . . ...... .. . . . . . . . . . . . . .. POEIRAS . . . ... . .... . . . . . ... . . . . . ... ... . . . . . .. . . . . . . ... . .

Fio de cabelo = 40 - 70 m ( )Gases e vapores fazem parte da composio do ar, pois so molculas. No h tamanho.c:\user\oes\diampart.ppt

Contaminantes do arPartculas formadas quando um material slido : quebrado; modo, triturado; ou manuseado.Poeiras

Quanto menor a partcula, mais tempo ela ficar suspensa no ar e maior a possibilidade de penetrar nos pulmes. As dimenses variam de 0,5 a 10 mcrons.1 mcron um milsimo do milmetro (0,001 mm).

Defesas do organismo > 10 microns.

Partculas maiores que 10 microns: Ficam retidas nas defesas naturais (nariz, faringe, laringe, traquia) e so expelidas sem grandes dificuldades. Partculas menores que 10 microns: Penetram nos pulmes, ficando ali alojadas.

PROTEO RESPIRATRIA

Pulmo < 10 microns.

Exemplos de processos geradores:Britagem ou moagem de minrios Detonao para desmonte de rochas Corte de madeira por serra circular

POEIRAS - Exemplos de fontes geradoras

Peneiradores

Correias transportadoras CoqueriaPROTEO RESPIRATRIA

Sinterizao

POEIRAS - Alguns tiposExistem diversos tipos de poeiras, que depender do material slido a ser manuseado.Minrios Cimento

POEIRAS DE SLICA - Slica um mineral muito duro que aparece em grande quantidade na natureza, pois encontrada nas areias e na maioria das rochas Ex. de materiais que contenham slica: refratrios, minrios, cermica, vidros, cimentos, etc (Mais informaes vide livro Slica - Manual do Trabalhador)

POEIRAS DE CARVO - O carvo uma substncia de colorao negra e de firme consistncia, amplamente utilizada como combustvel. As poeiras de carvo so encontradas em minas de carvo e em processos operacionais que utilizam esta matriaprima. POEIRAS DE ASBESTOS - O asbesto, tambm conhecido como amianto, um mineral constitudo por feixes de fibras finas e longas que produzem um p de partculas muito pequenas, podendo ser facilmente inaladas. So encontradas nas industrias de fabricao de telhas, chapas, caixas dgua, lonas de freios, embreagem, de confeco de EPIs. O amianto um timo isolante trmico.

PROTEO RESPIRATRIA

Contaminantes do arPartculas slidas geradas quando um metal :fundido (aquecido); vaporizado; ou resfriado rapidamente.Fumos metlicos

Formam partculas metlicas muito finas que ficam suspensas no ar.Dimenses: 0,01 a 0,3 mcrons.

Os fumos esto condicionadas ao tipo de substncia presente. Dependendo do processo e das matrias primas utilizadas, pode ocorrer a exposio a ferro, mangans, zinco, chumbo, cromo, dentre outros.

PROTEO RESPIRATRIA

Exemplos de processos geradores: AciariaOperaes de soldagem Transformao de matria prima em gusa Transformao de gusa em ao

FUMOS METLICOS - Exemplos de fontes geradoras

Soldagem

PROTEO RESPIRATRIA

Sala de corrida do Alto Forno

Estao de borbulhamento na Aciaria

PROTEO RESPIRATRIA

Contaminantes do arPartculas lquidas em suspenso no ar criadas pela ruptura mecnica de um lquido.Nvoas

Geralmente as nvoas so geradas em operaes de spray.Dimenses: 5 a 100 mcrons.

PROTEO RESPIRATRIA

Exemplos de processos geradores:Entendendo o conceito

Pintura com solventes orgnicos Aplicao de agrotxicos por nebulizao

NVOAS - Exemplos de fontes geradoras

Aplicao de agrotxicos Pinturas a cu abertoVer FISPQ da tinta PROTEO RESPIRATRIA

Contaminantes do arPequenas partculas denominadas molculas que em condies normais de temperatura e presso encontram-se no estado gasoso.Gases

Gases possuem uma estrutura molecular que favorece sua penetrao no organismo. Com isso eles NO ficam retidos em nenhuma de nossas defesas do organismo, sendo levados pela corrente sangnea por todo o corpo, chegando ao crebro, rins, fgado e outros rgos.

Caractersticas dos gases: Podem ser inflamveis, txicos ou asfixiantes (deslocam o oxignio); Peso (densidade): mais leves, mais pesados ou igual ao ar Cada um tem sua propriedade - para saber - vide FISPQ* Muitos no tem cheiro ou cor PROTEO RESPIRATRIA

Exemplos de gases:Gs de Coqueria, Gs de Aciaria, Gs de Alto Forno, Nitrognio, Monxido de Carbono, Metano, Gs Natural, etc.*FISPQ - Ficha de Informaes de Segurana de Produtos Qumicos

Onde encontrar FISPQ? R.: Com o fornecedor do produto!

PROTEO RESPIRATRIA

PROTEO RESPIRATRIA

GASES - Exemplos de fontes geradorasGasmetro Poos

Filme: Acidente com gs metano Tubulaes

PROTEO RESPIRATRIA

Contaminantes do arFase gasosa de uma substncia que em condies normais de temperatura e presso encontra-se normalmente nos estados slido ou lquido.Vapores orgnicos

Podem ser txicos ou inflamveis, depender da substncia Filme: Vapor de gasolina Filme: ponto de fulgorGeralmente a sua gerao est ligado ao ponto de fulgor do produto.

PROTEO RESPIRATRIA

VAPORES ORGNICOS - Exemplos de fontes geradoras e produtos que liberam vapores

Ver FISPQ

Tanque de cido Clordrico (produto corrosivo)

Ver FISPQThinner: Lquido Inflamvel que libera vapores txicos e inflamveis.

Tanque de gasolina

PROTEO RESPIRATRIA

Ver FISPQ Ver FISPQ

lcool: Lquido Inflamvel que libera vapores txicos e inflamveis.

O aparelho respiratrio

PROTEO RESPIRATRIA

O aparelho respiratriofisiologiaO sistema respiratrio tem como principal funo realizar a troca gasosa, ou seja, levar oxignio (O2) s clulas e eliminar o dixido de carbono (CO2) produzido por elas.

PROTEO RESPIRATRIA

O aparelho respiratriofisiologiaPROTEO RESPIRATRIA Durante a respirao, o ar penetra pelo nariz ou boca, e atravs da traquia atinge os pulmes. Nos pulmes, o ar ainda passa por pequenos tubos (bronquolos), at chegar aos alvolos, onde o oxignio transferido para a corrente sangnea.

O aparelho respiratriofisiologiaNesta fase do processo, os alvolos trocam o oxignio pelo gs carbnico do sangue (que o gs residual no aproveitado pelos rgos do corpo) e o transfere para ser expirado.

PROTEO RESPIRATRIA

O oxignio ento distribudo pelo sangue por todos os rgos do corpo humano, os quais realizaro suas funes distintas.

O aparelho respiratrioComo os contaminantes do ar afetam o aparelho respiratrio.

Segura partculas

DEFESAS NATURAIS DO ORGANISMO

Auxiliam na purificao do ar

Pelos do Nariz

Clios

Muco TosseExpulsa o contaminante Substncia lquida, atua em conjunto com os clios para arrastar as partculas

PROTEO RESPIRATRIA

Clios saudveis

PROTEO RESPIRATRIA

Clios danificados

Doenas Respiratrias Ocupacionais

PROTEO RESPIRATRIA

Agente: Poeiras de Carvo

Doenas Respiratrias OcupacionaisOcorrem quando os contaminantes so inalados. Seus efeitos variam de acordo com o tipo de contaminante e sua caracterstica qumica.Antracose: fibrose pulmonar Agente: Poeiras de Slica

PROTEO RESPIRATRIA

Pulmo Normal

Silicose: Endurecimento do tecido pulmonar

Agente: amianto

Doenas Respiratrias OcupacionaisOcorrem quando os contaminantes so inalados. Seus efeitos variam de acordo com o tipo de contaminante e sua caracterstica qumica.Asbestose: forma ndulos no tecido pulmonar

Agente: cigarro

PROTEO RESPIRATRIA

Pulmo Normal

Cncer

Doenas Respiratrias Ocupacionais

Os fumos podem causar:Febre dos fumos metlicos (dor, nuseas, dor muscular, tosse, etc) Estudos indicam que os soldadores podem ter o risco de cncer de pulmo aumentado em 30% a 40%. Bronquites, asma, pneumonia, enfisema e siderose (causada pela presena de partculas de xido de ferro nos pulmes).

(depender do tipo do agente, sua concentrao e o tempo de exposio):Dores de cabea, falta de ar, tonturas, irritao no aparelho respiratrio, sonolncia, respirao ofegante, nuseas, vmitos, convulso, inconscincia e at mesmo a morte.

As nvoas, vapores e gases podem causar

PROTEO RESPIRATRIA

Doenas Respiratrias Ocupacionais

Outro fato importante que as doenas pulmonares levam anos para terem seus efeitos declarados e so irreversveis.

No existe cura.Aps 10, 15 ou 20 anos, dependendo da resistncia e sensibilidade da pessoa, que os sintomas e problemas aparecero.

PROTEO RESPIRATRIA

Equipamentos de avaliao ambiental

PROTEO RESPIRATRIA

Equipamentos de avaliao ambiental Avaliaes Ambientais e Pessoais de poeiras e fumos Avaliaes Ambientais e Pessoais de poeiras e fumos metlicos metlicosAvaliaes Pessoal de Fumos Metlicos

Poeira Total PROTEO RESPIRATRIA

Poeira Respirvel

Oxignio, Monxido de carbono, Gs sulfdrico e Explosividade O2 , CO, H2S, LEL

Equipamentos de avaliao ambientalAvaliaes Ambientais de gases Avaliaes Ambientais de gases

Amnia, Dixido de Enxofre e Gs Sulfdrico NH3, H2S , SO2

PROTEO RESPIRATRIA

Equipamentos de avaliao ambientalAvaliaes Ambientais de vapores orgnicos Avaliaes Ambientais de vapores orgnicos Dosmetro Passivo (no depende de bombas bem baterias).

Utilizado na avaliao pessoal

PROTEO RESPIRATRIA

Equipamentos de avaliao ambientalAvaliaes Ambientais de vapores orgnicos Avaliaes Ambientais de vapores orgnicos

Coleta com Ampola

Anlise Cromatogrfica

PROTEO RESPIRATRIA

Sequncia de Treinamento

1) Legislao 2) O Ar que respiramos 3) Contaminantes do ar 4) O aparelho respiratrio 5) Doenas ocupacionais 6) Equipamentos de avaliao 7) Equipamentos de proteo individual e coletiva 8) Cuidados e fatores a serem considerados no uso de respiradoresPROTEO RESPIRATRIA

Equipamentos de proteo respiratria

De uma forma geral os respiradores protegem o usurio reduzindo as

concentraes dos contaminantesatmosfricos para valores abaixo do LT ou outro nvel de exposio recomendado, na sua zona de respirao. O uso incorreto do respirador pode provocar uma exposio excessiva do usurio ao contaminante e causar doenas ou at mesmo a morte.

PROTEO RESPIRATRIA

Alguns equipamentos de proteo respiratriaOs que FILTRAM O AR existente no ambiente. (dependente do ar) Respiradores Pff1, 2 e 3 (Sem manuteno)

EQUIP. PROTEO RESPIRATRIA

Respiradores com filtro qumico e mecnico (Com manuteno)

PROTEO RESPIRATRIA

Os que FORNECEM AR independente do ar existente no ambiente. Manifold Cilindro autnomo Fuga

Equipamentos de proteo respiratriaFiltram o arRespiradores dependentes do Ar Atmosfrico (Mscara descartvel) FP 10

PROTEO RESPIRATRIA

Classe Pff1Poeiras e Nvoas

Classe Pff2Poeiras, Nvoas e Fumos

Classe Pff3Poeiras, Nvoas, Fumos, Radionucldeos e Quimioterpicos na forma de P

PROTEO RESPIRATRIA

Mecanismos de captura de partculas nas fibras de um filtro

As Figuras apresentam uma amostra de poeira em um filtro contendo slica. Fotomicrografia obtida ao microscpio tico

500X

5000X

PROTEO RESPIRATRIA

Sequncia Correta de Colocao do Respirador

PROTEO RESPIRATRIA

PROTEO RESPIRATRIA

Equipamentos de proteo respiratriaRespirador semi-facial (dependente do ar)EPI 215-1765908

Filtram o ar

(COM MANUTENO)

FP=10

Retentor para filtrosEPI 213-1765907

+Filtro QumicoEPI 212 Pequeno - 1765904 Mdio - 1765905 Grande - 1765796

=PROTEO RESPIRATRIA

Filtro Mecnico (PFF2)

Aplicado para exposio VAPORES ORGNICOS

EPI 214 - 1765909

Mecanismos de Reteno de Gases e Vapores em um Filtro Qumico

PROTEO RESPIRATRIA

TESTE DE PRESSO POSITIVA

TESTE DE PRESSO NEGATIVA

PROTEO RESPIRATRIA

Equipamentos de proteo respiratriaFiltram o arRespirador facial inteiro dependente do ar atmosfrico FP = 100

Estes respiradores tm a mesma funo dos respiradores semifaciais. A diferena est no fator

de proteo.

PROTEO RESPIRATRIA

Filtro vapores orgnicos

Filtro gases cidos

Filtro amnia e metilamina.

Forma correta de colocao

PROTEO RESPIRATRIA

(COM MANUTENO)

Equipamentos de proteo respiratriaFornecem o ar

Independentes do Ar Atmosfrico In Independentes do Ar Atmosfrico ((manifold//Linha de ar mandado) manifold Linha de ar mandado)FP = 1000 FP = 1000O Manifold utilizado sempre com Mscara Linha de Ar, ligada a um compressor ou linha de ar (ar comprimido) instalada nas reas. utilizado quando a atmosfera apresentar risco.

PROTEO RESPIRATRIA

Compressor ou tubulao de ar comprimido da rea Cor azul (ISE 05)

Mangueira Manifold

Mangueira Trabalhador Sequncia de Montagem

(COM MANUTENO)

Equipamentos de proteo respiratriaFornecem o ar Independentes do Ar Atmosfrico In Independentes do Ar Atmosfrico ((Cilindroautnomo )) FP = 10.000) Cilindro autnomo FP = 10.000)

Utilizao: O Cilindro autnomo utilizado sempre com Mscara Linha de Ar, ligada a um cilindro de ar respirvel.PROTEO RESPIRATRIA

Tem por finalidade isolar completamente o usurio do ar ambiente, quando este estiver com atmosfera de risco, e haver necessidades de resgate.

Equipamentos de proteo respiratriaFornecem o ar Independentes do Ar Atmosfrico In Independentes do Ar Atmosfrico ((Mscarapara fuga) Mscara para fuga)

CAPUZ PARA FUGA COM CILINDRO DE AUTONOMIA DE 5, 10 OU 15 MINUTOS

PROTEO RESPIRATRIA

PROTEO RESPIRATRIA

PROTEES COLETIVAS

Proteo coletivaPrecipitador eletrosttico

Objetivo: capitao de poeiras

PROTEO RESPIRATRIA

Proteo coletiva

Sistemas de umectao

PROTEO RESPIRATRIA

Objetivo: Minimizar emanao de poeiras

Proteo coletiva

Spraying system

PROTEO RESPIRATRIA

Objetivo: Minimizar emanao de poeiras

Proteo coletiva Exaustores

PROTEO RESPIRATRIA

Objetivo: captao do contaminante

Proteo coletivaExaustores

PROTEO RESPIRATRIA

Proteo coletiva

PROTEO RESPIRATRIA

Sistemas de Aerao Forada

Sistemas de Ventilao Forada

Cuidados e fatores a serem considerados no uso de respiradores

PROTEO RESPIRATRIA

Fatores a serem considerados na identificao de um bom respirador.Eficincia do Filtro Eficincia do Filtro Vedao Vedao Comunicao Comunicao Conforto ConfortoFiltro deve ser adequado a situao existente.Detalhamento no prximo slide

Adequao do respirador ao rosto do trabalhador.Tamanhos e formas

Respirador deve permitir a comunicao entre trabalhadores. Respirador de fcil utilizao.

PROTEO RESPIRATRIA

Fatores a serem considerados na identificao de um bom respirador.Detalhamento

Durabilidade do Respirador/Filtro1) Frequncia respiratria do trabalhador em sua atividade Fatores que Interferem na Vida til do Respirador / Filtro 2) Concentrao do contaminante no ambiente de trabalho 3) Toxicidade do contaminante no ambiente de trabalho PROTEO RESPIRATRIA 4) Cuidados do trabalhador com o respirador

Filtro Mecnico

Filtro Mecnico

Filtro Qumico

Cuidados a serem tomados na utilizao de respiradoresLimpeza das Mos Respiradores Danificados GuardaNo manusear respiradores com as mos sujas.

Equipamentos danificados devem ser substitudos.

PROTEO RESPIRATRIA

Dever estar protegido quando no estiver em uso.

Manuteno

Higienizao deve ser peridica.

Cuidados a serem tomados na utilizao de respiradores BarbaO contato do respirador com os pelos da face interfere diretamente na vedao e desta forma compromete a eficincia do equipamento permitindo que contaminantes txicos penetrem a zona de respirao.

PROTEO RESPIRATRIA

Cicatrizes

Higienizao dos respiradoresAntes de limpar e higienizar, remova, quando necessrio: filtros mecnicos e qumicos, o diafragma de voz e a membrana das vlvulas de inalao e exalao Lave as partes com sabo neutro e gua e use uma escova para remover a sujeira

Verifique as peas e troque aquelas que apresentam defeitos. PROTEO RESPIRATRIA

Monte as partes do respirador e recoloque os filtros.

Guarde o equipamento envolvido em um saco plstico em local adequado para a guarda de EPI, de preferncia arejado e limpo.

PROTEO RESPIRATRIA

ENSAIO DE VEDAODe acordo com o Programa de Proteo Respiratria publicado pelo Ministrio do Trabalho e pela Fundacentro, todo usurio de respirador deve ser submetido a um ensaio de vedao para determinar se o respirador selecionado (de acordo com diversos critrios, tambm descritos no Programa) se ajusta bem ao rosto, apresentando eficincia de vedao. O resultado do ensaio de vedao deve ser usado, entre outros parmetros, na seleo de tipo, modelo e tamanho do respirador para cada usurio.

A MSA oferece o Kit Ensaio de Vedao Sacarina que pode ser utilizado com qualquer Respirador, desde que o ensaio seja feito com filtro mecnico. Este Kit fornecido pronto para uso, de acordo com procedimentos do Programa de Proteo Respiratria. Por meio de capuz, nebulizador e substncia doce, o ensaio de vedao poder ser facilmente realizado.

PROTEO RESPIRATRIA

Sites interessantes de vendas de EPIs

PROTEO RESPIRATRIA

Sites interessantes de vendas de EPIs - 3M do Brasil -

PROTEO RESPIRATRIA

IMPORTANTE SALIENTAR QUE TODA EMPRESA DEVE TER UM PROGRAMA DE PROTEO RESPIRATRIA, POR ESCRITO, CONFORME ESTABELECIDO NA INSTRUO NORMATIVA 01, DE 01/04/94

LIVRO RECOMENDADO PELO PROFESSORManual de Proteo Respiratria Mauricio Torloni; Antonio V. Vieira - 2003 preo: R$ 78,00 518 pgs. PROTEO RESPIRATRIAEste manual com 518 pginas, 50 tabelas, 100 figuras e 17 captulos fruto da experincia dos autores no desenvolvimento dos Cursos de Proteo Respiratria. Os assuntos so apresentados em linguagem simples e didtica, com "casos" e exerccios prticos, resolvidos, que lustram a aplicao e ajudam os profissionais na soluo de problemas do dia a dia. O manual d subsdios tcnicos para uma melhor compreenso do Programa de Proteo Respiratria publicado pela Fundacentro. Vendas pelo site www.protecao.com.br

PROGRAMA DE PROTEO RESPIRATRIAToda empresa deve ter um programa de proteo respiratria, por escrito, baseado neste livro

O Livro do Torloni altamente recomendvel como suporte para implementao do PPR nas empresas.

PROTEO RESPIRATRIA