01 - Apostila - Aula 01

  • Published on
    12-Dec-2015

  • View
    42

  • Download
    20

DESCRIPTION

Tr

Transcript

  • 1

    Material de Apoio Leitura Necessria e Obrigatria TRANCA RUAS - O Senhor dos Caminhos I Workshop Gratuito

    Desenvolvido e Ministrado por Rodrigo Queiroz ICA - Instituto Cultural Aruanda I Bauru-SP

    APRESENTAO

    Sempre comento que difcil falar daquilo que se ama muito, pois somos levados pela emoo e muitas vezes perdemos o senso crtico sobre o assunto, j que este objeto de muito amor e no campo da f tambm de devoo. Por isso falar de Umbanda sempre um misto de prazer e xtase j que esta para ns o sentido para nossas vidas. Agora, falar de Tranca Ruas como um filho falar de seu pai quando este motivo de profunda admirao e reverncia. Assim para mim esta oportunidade sentida como misso com grande chance para demonstrar tudo isso que carrego em mim e quem sabe ainda assim contribuir para um processo de desmistificao entorno desta grande e poderosa linhagem de Exu, Tranca Ruas.

    Como voc ver em vdeo-aula minha relao com esta fora espiritual bem ntima e profunda, fui apresentado Umbanda pelo Sr. Tranca Ruas das Porteira, minha matriz e sou acompanhado pelo Sr. Tranca Ruas das 7 Encruzilhadas que sustenta minha mediunidade esquerda dos Orixs.

    Desde de 2006 quando criamos a primeira escola de Umbanda online, Umbanda EAD, viemos focados em falar de bases globais, portanto temos como principal curso o Teologia de Umbanda que para todos um divisor de guas na trajetria religiosa. So dezenas de cursos de temas diversos, onde a maioria busca trazer luz conhecimentos profundos sobre os temas mais amplos possveis e me parecia remota a suposio de um curso onde pudssemos tratar de apenas uma Linhagem de Exu. Ento foi uma grata e honrosa surpresa quando me foi solicitado pelo Sr. Tranca Ruas que me ampara juntamente com Sr. Tranca Ruas dos Caminhos que me preparasse para trazer para este portal de conhecimentos um curso rpido sobre a Linhagem de Tranca Ruas e suas Falanges, com abertura para atividades prticas sob o zelo e guia desta fora espiritual.

    Confesso que fiquei apreensivo pois temia no ter muito mais o que falar alm do que j temos no curso EXU - O Guardio do Mistrio, de Alexandre Cumino, l onde podemos nos aprofundar no assunto Exu como um todo. Quando ento comearam a trazer as informaes para compor este estudo me surpreendi pela outorga em tornar acessvel questes to prticas e poderosas sob a Lei de Tranca Ruas.

    A exigncia foi clara, ser um "mini-curso", objetivo e de fcil entendimento, acessvel a todos, portanto gratuito.

    Sendo assim, eis que voc est diante o workshop online TRANCA RUAS - O Senhor dos Caminhos e desejo que voc tenha uma das mais profundas experincias msticas de aprendizado espiritual da sua vida e que Sr. Tranca Ruas lhe d beno, caminho, fora e guia agora e sempre, sempre ser, Omojub!

    Com emoo e gratido, seja muito bem vindo! Laroy Exu, Exu Tranca Ruas Omojub! Laroy Exu Tranca Ruas das Porteira, grato pela acolhida e caminho, Omojub! Laroy Exu Tranca Ruas das 7 Encruzilhadas, grato pela companhia e parceria, Omojub! Laroy Exu Tranca Ruas dos Caminhos, grato pela oportunidade e caminhos sempre abertos,

    Omojub! Rodrigo Queiroz

  • 2

    INSTRUES DE PARTICIPAO E USO DA PLATAFORMA

    Saudaes irm(o), sarav! com grande satisfao que lhe recebemos para esta turma do workshop online e gratuito

    TRANCA RUAS - O SENHOR DOS CAMINHOS, uma oportunidade mpar para ns que temos sede de conhecimento afim de nos tornarmos melhores e mais preparados como fiel e instrumentos da Umbanda.

    A plataforma UMBANDA EAD o que tem de mais moderno em infraestrutura de Ensino Distncia, via on-line.

    Somos pioneiros neste modelo de ensino e atuamos desde 2006. Nossa experincia tecnolgica somada com a equipe de tutores criadores dos cursos garante para voc a melhor experincia de aprendizagem.

    Dividimos nosso workshop em duas semanas, a cada semana postado uma aula compondo: vdeo-aula, vdeo-atividade, frum atividade, frum de dvidas e textos de apoio, podendo ainda ter links externos de vdeos e blogs recomendados para aprofundar o estudo.

    Todas as ferramentas que utilizamos no sistema de ensino so complementares para tornar a construo do conhecimento slido e funcional.

    Portanto execute todas as atividades e utilize tudo o que oferecemos. CERTIFICAO: Somente ter direito ao Certificado de Concluso aquele que participar de 100% das

    atividades. INSTRUES IMPORTANTES: Para amenizar as distncias, solicitamos que "obrigatoriamente" voc acesse seu link Perfil,

    insira uma foto sua, (evite desenhos, figuras, bichinhos). DISPONIBILIDADE DOS MATERIAIS: Observe a data de incio do curso e o perodo do mesmo. Quando entrar a ltima aula o

    material fica disponvel ainda por mais 30 dias, aps este prazo o curso expirado da plataforma e no mais possvel acessar os materiais e realizar atividades. Portanto baixe todo o material no perodo pertinente.

    DIREITOS AUTORAIS: Fornecemos um link para baixar os vdeos, somente para ajudar aqueles que por motivos

    diversos no conseguiriam assistir de outra maneira, entretanto vale ressaltar que estes vdeos esto sob a lei dos direitos autorais, portanto, veementemente proibido a disponibilizao dos mesmos em sites pblicos ou privados e mesmo em ambientes pblicos sem expressa autorizao do Instituto Cultural Aruanda, o qual detm os direitos de reproduo. proibido o compartilhamento deste materiais e vdeos de qualquer maneira. Voc o responsvel e zelador deste material.

    Lembre-se: no vendemos vdeos, oferecemos cursos, com uma grande estrutura e metodologia, portanto use com responsabilidade e zelo os materiais aqui disponibilizados.

    Seu canal direto para contato comigo rodrigo@umbandaead.com.br Agora, bons estudos! Bem vinda(o) Evoluo! Fraterno abrao, sarav! Rodrigo Queiroz Diretor Umbanda EAD

  • 3

    Poesia EXU Por Andria Avalone Guimares No meio das matas ele chega Traz no peito a razo Com nossos sentidos ele mexe Logo sei que um Guardio Esprito que luta bravamente Tem seu corpo presente Para que todo mal padea E o bem se fortalea Com as palavras ele traz A transparncia da verdade Do ser humano como capataz De seu orgulho e vaidade Em sua ltima encarnao Aprendeu que tudo tem seu preo Paga seus erros prestao Em sua atuao no h falhas Seu nome Tranca Ruas Sinnimo de F e Bravura. (Dedicado ao Sr. Exu Tranca Ruas das 7 Encruzilhadas).

  • 4

    EXU Por Jorge Amado No sou preto, branco ou vermelho. Tenho as cores e formas que quiser. No sou diabo nem santo, sou Exu! Mando e desmando. Trao e risco. Fao e desfao. Estou e no vou. Tiro e no dou. Sou Exu. Passo e cruzo. Trao misturo e arrasto o p. Sou rebolio e alegria. Rodo, tiro e boto. Jogo e fao f. Sou nuvem, vento e poeira. Quando quero, homem e mulher. Sou das praias, e da mar. Ocupo todos os cantos. Sou menino, av, maluco at Posso ser Joo, Maria ou Jos Sou o ponto do cruzamento. Durmo acordado e ronco falando Corro, grito e pulo. Fao filho assobiando Sou argamassa De sonho carne e areia. Sou a gente sem bandeira, O espeto, meu basto. O assento? O vento! Sou do mundo, nem do campo Nem da cidade No tenho idade, Recebo e respondo pelas pontas, Pelos chifres da nao Sou Exu. Sou agito, vida, ao Sou os cornos da lua nova, A barriga da rua cheia!... Quer mais? No dou, No tou mais aqui. FONTE: Fundao Casa Jorge Amado

  • 5

    Ao Mistrio Tranca-Ruas Por Me Adelaide Scritori

    Fao reverncia a vs mistrio sagrado da criao, vs que sois a manifestao do

    divino, peo que nesta noite possa se manifestar entre ns, conforme nosso merecimento. No seu poder, na sua fora, e na sua magnitude, pelo caminho tripolar que emana de

    vs, pelo caminho que s vs conheceis, pela fora que s a vs pertenceis, e pelo poder de trancar a vs concedido,

    Eu peo: Que as trevas que habitam em mim sejam trancadas; que o dio e o sentimento

    impuro que emana da minha alma sejam trancados; que o rancor e a misria que habitam o meu

    corao sejam trancados; que a dissimulao e a superficialidade que nasce da minha lingua sejam trancados; que o egosmo e a maldade que transcendem da minha mente sejam trancados;

    que a palavra torta que sai da minha boca e o pensamento roto que sai da minha cabea contra o prximo sejam trancados; que a capacidade que o meus olhos tm de amaldioar e destruir sejam trancados; e assim, fonte primria da criao, assim que Trancar a tudo isso no seu mago, pois na vossa essncia que tudo isso se desvitaliza,

    peo a VS que: Destranque todas as portas de meu caminho; destranque todas as passagens da minha jornada; destranque toda prosperidade material e espiritual; destranque o meu corao das amarguras; destranque o meu sustento de cadadia; destranque os meus corpos espirituais e o meu corpo material da agonia, do desespero

    e da aflio que me assolam na calada da noite; destranque o meu emprego, o meu negcio e a minha morada material; destranque o martrio familiar pelo qual eu tenho passado; destranque os meus olhos para as maravilhas do mundo espiritual; destranque a minha liberdade! Pois vs, Fora Sagrada do Divino Criador, o portador supremo da Vitalidade! Salve o Mistrio Tranca-Ruas!!!

  • 6

    PROSA COM EXU Um dilogo sobre a vaidade

    Por Rodrigo Queiroz - Salve tu cabra! - Salve vs Exu! - Cabra, escreve umas coisas a. - Pode falar. - Existe algo no ser humano que gera muita preocupao a todos ns e que mais complica a vida de vocs encarnados. - Do que vs est falando? - Da imperceptvel sombra da vaidade. - Ah sim, conheo... - Ento, vim aqui dissertar sobre isso, e mais me preocupa o corao dos que se dizem companheiros de caminhada e mais fazem piorar situaes delicadas no relacionamento interpessoal e pouco contribuem para o auxilio daqueles que so parte de um conjunto. - Sei... - Como disse, a vaidade uma sombra imperceptvel que assola cedo ou tarde a vida de todos neste plano e ela, a suposta vaidade, pode ser em verdade a extravaso de uma srie de necessidades do individuo como carncias, traumas, etc. Existem milhares de facetas desta sombra e garanto, ningum est livre dela, bem dizendo, aquele que se diz no vaidoso, j o , pois afirma isto se envaidecendo de uma suposta nobre e mentirosa humildade. H h h. Tolos. - Senhor, acho que entendi, mas est um tanto complicado... - J explico cabra. Digo que ningum est apto a apontar ningum. E aquele que enxerga um defeito no outro a ponto de se incomodar, deveria entender que est vendo no outro o seu espelho, reconhecendo nele o que tanto incomoda em si mesmo e por incapacidade de se auto superar, apedreja o prximo, a fim de anular aquilo que em si o apavora. Complicou? - (risos) nossa, parece que estou conversando com um analista. - H h h. Se estiver complicando sinal que deve ler e reler estas palavras at que fundo toque sua alma. - Farei isto Senhor. - Ento continuemos. Coloco a exemplo um grupo, ou melhor, um terreiro. Onde uma comunidade divide um mesmo espao, conseguinte o mesmo ideal e propsito interno. Sendo assim, para todo grupo o que deve existir respeito entre si e, respeito no sorrisos falsos ou tapinhas nas costas. Respeito algo que poucos sabem e que a falta do mesmo que promove tanta discrdia e confuses entre os indivduos. -Realmente a noo de companheirismo e respeito diferente de um para outro. -Certo. Um fator relevante a atrao de afinidades que varia de um para outro dentro de uma mesma comunidade. At a tudo certo, portanto, no deve esquecer que aquele que no inspira grande afinidade a voc no pode ser descartado do convvio ou dar menos importncia, pois conviver com aqueles que s o agrada no trs mrito algum no processo evolutivo do desenvolvimento da tolerncia, respeito s diferenas e unio de propsitos que deve transcender o umbigo. - Certo Exu. - Desta forma, pergunto, sabes reconhecer a vaidade?

  • 7

    - Penso que sim. - Pensa? - , entendo a vaidade na extravaso do ego. - Ego cabra? H h h. - Qual a graa? - Vocs so tolos, ento reconhece a vaidade no ego extravasado? No me faa rir cabra. Como pode falar de Ego? Ento vocs so assim, querem o tempo todo sistematizar o ser humano, espcie esta das mais complexas criaes do Criador. Sistematizar criar estes parmetros, ou seja, vaidoso aquele que age assim, assim, assim. Humilde aquele que se comporta assim, assim, assim. No, no. Este no e nunca foi um bom caminho, pois esquecem que cada qual um ser nico, e voc tem toda uma estrutura prpria, diferente da minha que diferente dos demais. - Entendo, ento como fica? Se no podemos sistematizar, como sanar problemticas? Parece que o Senhor como um bom Exu est querendo me confundir. - Nada disso cabra, no venho aqui confundir, ainda que seja nossa especialidade. H h h. - Ento esclarea senhor. - simples. Quero que fique entendido que antes de qualquer apontamento dentro de uma comunidade fundamental a anlise de si mesmo. E o que est sendo apontado deve passar pelo crivo do respeito e do amor. Percebo que quando isto acontece o indviduo apontado no vira motivo de imitaes , chacotas ou piadas , estes comportamentos nada mais apresenta do que a podrido do responsvel pelo dedo que aponta. O simples deve contribuir para auxiliar aquele que se excede ou mesmo erra sem que se aperceba. - Errar sem perceber? Mesmo onde existam - Sim, ainda bem que existe uns e outros que no prestam a devida ateno nos ensinamentos, para provocar no orientador a necessidade de renovar suas ferramentas a fim de envolver a ateno dos seus orientados. - (risos) estou entendendo. - Cabra todos erram, todos deixam a desejar, ser que to complicado entender isso? O que deve ser avaliado o resultado final de um trabalho, isto realmente importante, e numa corrente, um deve complementar na necessidade e franqueza do irmo ao lado, por isso cada qual diferente do outro. - Este o ideal n Exu? - Mais que isso, deve ser uma realidade, caso contrrio o caos se instalada. - Sei... - Assim, no aceitvel apontamentos atrs de apontamentos, crivados pela vontade de ver o outro prejudicado. No bem visto irmos que ridicularizam seus irmos, cad o companheirismo? Cad o amor? Afinal, onde est a tolerncia das diferenas? Se voc pensa que no precisa conviver com as diferenas ento chegado o momento de se isolar no cume do monte mais alto que possa encontrar e l sozinho buscar sua transcendncia... h h h. - Que ironia Exu!

  • 8

    - Irnico so vocs, bobocas que s perdem tempo, olham demasiadamente para o lado e esquece de si prprio. Esto to preocupados com o outro sem antes se garantir no trabalho a ser executado. No digo que olhos devem ficar cerrados, no entanto, abra-os com amor. - Certo Exu, ento o que fazemos quando um companheiro de excede. - Converse oras. - E como abordar isto? - Bem, primeiramente quando se trata de um terreiro o melhor para esta abordagem o prprio Dirigente, uma vez que a ele dada a funo de guiar os membros. - Sei... - Mas antes preciso que se observe todo um histrico o individuo, sua histria, sua educao, seu signo, seu orix, sua metas etc. Pois o que parece vaidade pode ser um excesso de carinho, de contribuio ou porque no, excesso de dedicao. - Dedicao se excede? - Oras, bvio que sim. - Passando por este crivo, ento bom que uma franca, amorosa e longa conversa acontea, com zelo e preservao. - Parece fcil. - Mas no . E aconselho a todos que no fiquem dando ouvido a tantas falcias de outrem. Faa sempre sua prpria avaliao e saiba que sua avaliao estar fatalmente ligada a sua limitada compreenso do meio. Sendo assim amplie sua conscincia, conhecimento, amor e compaixo ao prximo. D as mos quele que acredita necessitar de ajuda, aproxime-se dele e sutilmente contribua no auxilio, caso contrrio, cale-se e no crie tanta polmica sobre aquilo que invariavelmente nem te pertence. Todo julgo j o retrato de auto exaltao. No amor reside a compreenso, ou ao menos a sincera vontade de constantemente ser til para o melhor de todos. Assim cabra, deixo meu salve a todos que este texto l e peo uma nova leitura afim de se encontrar nas entrelinhas ou nas linhas...h h h...e que seu corao entenda que mais vale colaborar, contribuir, somar para que os resultados aconteam. Ame-se e ame seu meio com tudo o que ele te oferece. Nas diferenas encontre suas falhas. Nas semelhanas se fortalea no aperfeioamento. Na incompreenso aproveite para se olhar no espelho e ver o quanto pequeno s. Salve tu cabra e salve eu! Salve sua fora Sr. Exu Tranca Ruas das Sete Encruzilhadas! Aps esta prosa me lembrei de uma lio muito antiga e conhecida. Pessoas sbias falam de idias, Pessoas medianas falam de coisas, Pessoas medocres falam de pessoas (Ditado no dia 07/06/07)

  • 9

    IMOLE ESU (Autor desconhecido, caso venha a tomar conhecimento da autoria fao questo de dar os crditos

    para este texto incluso como material nesta apostila)

    Esu, aqui est minha Oferenda! Por favor, diga a Olorun que aceite esta Oferenda

    e alivie meu sofrimento!"

    Frmula ritual com que os fiis devem oferecer o Ebo destinado ao Imole Esu

    Mo ju iba, Esu Oba Baba awon Esu! Iba se, o! Saudaes, Esu Senhor e Pai de todos os Esus!

    Que esta homenagem se cumpra!

    E pedimos-lhe Ag ou licena para citar o seu Orisirisi ou Contos Imemoriais onde se fala de seus dezesseis maiores atributos, sobretudo ligados ao Culto de If, e que so to negligenciados hoje em dia at pelos seus Elesu ou Sacerdote de Esu!

    Eis aqui seus dezesseis ttulos e suas correspondentes qualidades, os quais sempre foram ligados aos 16 Odu ou Fundamentos de Tradio dos Itan Ifa ou Contos de If de Ile Ife ou Cidade Santa de If:

    1. Esu Yangi - o Senhor da Laterita Vermelha 2. Esu Agba - o Senhor Ancestral 3. Esu Igba Keta - o Senhor da Terceira Cabaa 4. Esu Okoto - o Senhor do Caracol 5. Esu Oba Baba Esu - o Rei e Pai de todos os Eshus 6. Esu Odara - o Senhor da Felicidade 7. Esu Osije - o Mensageiro Divino 8. Esu Eleru - o Senhor da Obrigao Ritual 9. Esu Enu Gbarijo - o Senhor da Boca Coletiva 10. Esu Elegbara - o Senhor do Poder Mgico 11. Esu Bara - o Senhor do Corpo 12. Esu LOnan - o Senhor dos Caminhos 13. Esu OlObe - o Senhor da Faca 14. Esu ElEbo - o Senhor das Oferendas 15. Esu Alafia - o Senhor da Satisfao Pessoal 16. Esu Oduso - o Vigia dos Odus

    As funes desses Exu Ancestrais nos rituais: Exu Yangi: o princpio de tudo, a prpria memria de Olorum, seu criador. Exu Agba ou Exu Agbo: o nome que mostra sua ancianidade; ele o mais velho

    e, por consequncia, o pai que retratado no mito em que Orunmila o persegue atravs dos nove Orum.

  • 10

    Exu Igba Keta: o terceiro aspecto mais importante de Exu que est ligado ao nmero trs, a terceira cabaa onde ele representado pela figura de barro junto aos elementos da criao.

    Exu Ikorita Meta: ligado ao encontro dos caminhos ou a encruzilhada; o encontro de trs ruas (Y).

    Exu Okoto: representado pelo caracol agulha, mostra a evoluo de tudo que existe sobre a terra, e est ligado ao Orix Aje Shaluga, o antigo Orix da riqueza dos Yoruba.

    Exu Odara: o que, se satisfeito atravs do sacrifcio, traz a felicidade ao sacrificante.

    Exu Ojis b: o que observa todos os sacrifcios rituais e recomenda sua aceitao, levando as splicas a Olodunmar.

    Exu Eleru: o que leva os carregos dos iniciados. Exu Enugbarijo: o que devolve a todos o sacrifcio em forma de benefcios. Exu Elegbara: o todo poderoso que transforma o mal em bem, cujo poder reside

    na transformao das coisas. Exu Bara: um dos mais importantes aspectos de Exu, pois ele o Exu do

    movimento do corpo humano, infundido no corpo pr-humano, ainda no Orum por Obatala, sendo "assentado" no momento da iniciao, junto com o Ori e o Orix individual.

    Exu Lon: o senhor de todos os caminhos do mundo. Exu Olob: dono do ob (faca) tem que ser reverenciado ao comear todos os

    sacrifcios, onde a faca necessria. Exu lb: o carregador de todos os bo. Exu Odus ou Olodu: o que tem seu rosto retratado no Opon Ifa, e vigia o

    Babalawo para que este no minta; o que vigia os orculos (Opl-Ikin-Erindilogun). Exu Elepo: o que recebe o sacrifcio do azeite de dend. Exu Ina: um dos aspectos mais importantes deste Esu primordial presidir o

    Ipade, sendo o dono do fogo. a Exu Ina que os Babalorixa/Iyalorixa se dirigem no comeo do Ipade, uma das mais importantes cerimnias do ritual afrodescendente religioso.

  • 11

    Exu, vazio absoluto; Oxal, espao infinito por Rubens Saraceni

    Muitos tm Exu como o primeiro Orix gerado, que, por isso, tem a primazia no culto. Essa primazia se justifica se entendermos a criao como um encadeamento de aes

    divinas destinadas gerao do Universo e dos meios para que os seres pudessem evoluir. Ns aprendemos que dois corpos no ocupam o mesmo espao e, a partir da,

    deduzimos que, para haver o espao, tinha que haver algo em outro estado que permitiu a criao de uma base estvel para que, a sim, tudo pudesse ser criado. Esse estado o de vazio, pois, s no havendo nada dentro dele, algo poderia ser criado e concretizado, mas como outro estado. Ento, unindo o primeiro Orix (Exu) e o primeiro estado da criao (o vazio absoluto), temos a fundamentao do Mistrio Exu.

    O Mistrio Exu em si o vazio absoluto existente no exterior de Deus e guarda-o em si, dando-lhe a existncia e sustentao para que, a partir desse estado, tudo o que cria-do tenha seu lugar na criao.

    Por ser Exu o guardio do vazio absoluto, e este ter sido o primeiro estado da criao manifestado por Deus, ento Exu , de fato, o primeiro Orix manifestado por Ele.

    Logo, Exu o primeiro Orix, o mais velho de todos, o primeiro a ser cultuado. Por ser e trazer em si o vazio absoluto, tem que ser invocado e oferendado em primeiro lugar e deve ser despachado de dentro do templo e firmado no seu exterior para que um culto possa ser realizado, pois, se assim no for feito, a presena de Exu dentro dele implica a ausncia de todos os outros Orixs, j que seu estado o do vazio absoluto. Porque junto com o Orix Exu vem o vazio absoluto, os seus intrpretes religiosos deduziram corretamente que, nesse estado de vazio, no possvel fazermos nada.

    Logo, a ato de invocar o Orix Exu em primeiro lugar correto, porque, antes de Olorum manifestar os outros Orixs, manifestou-o e criou o vazio absoluto sua volta. O ato de oferend-lo antes dos outros Orixs est fundamentado nessa sua primazia, pois no se oferenda primeiro ao segundo Orix manifestado, e sim ao primeiro.

    O ato de despach-lo para fora do templo fundamenta-se no fato de que, se ele est presente dentro do templo, com ele est o seu vazio absoluto, no qual nada existe. Ento, preciso despach-lo e assent-lo no exterior do templo, para que outro estado se estabelea e permita que tudo acontea.

    Avanando um pouco mais na interpretao das necessidades primordiais para que tudo pudesse ser exteriorizado por Deus, como no vazio absoluto (Exu) no havia como se sustentar em alguma coisa, eis que, aps esse primeiro estado da criao, Olorum manifestou o seu segundo estado: o estado do espao!

    O vazio absoluto a ausncia de algo. O espao a presena de um estado. Deus criou o espao em cima do vazio absoluto. Logo, se antes s havia o vazio

    absoluto, o espao foi criado dentro dele, e, medida que o espao foi se ampliando, o vazio absoluto foi distendendo-se ao infinito para abrig-lo e permitir-lhe ampliar-se cada vez mais, de acordo com as necessidades da mente criadora de Olorum.

    Aqui, j entramos na genealogia (no nascimento) dos Orixs e em uma teogonia a partir dos estados da criao.

  • 12

    Esse segundo estado (o espao) dentro do primeiro (o vazio absoluto) criou uma base que se amplia segundo as necessidades do Criador, e comea a nos mostrar os Orixs como estados da criao, pois se Exu o vazio absoluto, o Orix que em si o espao se chama Oxal.

    Sim, Oxal o espao infinito porque capaz de conter todas as criaes da mente divina do nosso Divino Criador.

    Porm, o que nos levou concluso de que Oxal em si o mistrio do espao infinito? Ora, o mito revela-nos que Olorum confiou-lhe a funo de sair do seu interior e comear a criar os mundos e os seres que os habitariam.

    Como algo s pode ser criado se houver um espao onde possa ser acomodado e antes s havia o vazio absoluto volta de Olorum, assim que Oxal saiu (foi manifestado), com ele saiu seu estado (o espao infinito), que se expandiu ao infinito dentro do vazio.

    O espao no maior ou menor que o vazio, porque so estados, mas ambos so bem definidos:

    o vazio absoluto o estado de ausncia de qualquer coisa (o vazio). o espao infinito o estado de presena de alguma coisa (a ocupao). Como Olorum tem em si tudo, e tudo ocupa um lugar no espao, ento Oxal, como

    estado preexistente em Olorum, j existia no seu interior. E, como a mente criadora de Olorum ocupa um espao, este era Oxal, pois foi a Oxal que Ele confiou a misso de criar os mundos e povo-los com os seres que seriam criados.

    Logo, Oxal traz em si esse estado de espao infinito que pode abrigar nele tudo o que for criado pela mente de Olorum. Portanto, Oxal tambm traz em si o poder criador.

    O vazio absoluto um estado e no algo mensurvel. O espao infinito, ainda que no seja mensurvel, a existncia de algo. E, como se esse algo denominado espao infinito se abriu e expandiu-se dentro do vazio absoluto, criaram-se dois estados opostos complementares:

    O vazio absoluto O espao infinito Exu e Oxal so ligados umbilicalmente por causa desses dois primeiros estados da

    criao. Exu o vazio exterior de Olorum, e Oxal, o seu espao exteriorizado. Exu a ausncia, e Oxal a presena. Em Exu nada subsiste, e em Oxal tudo adquire existncia.

    Exu, por ser o vazio absoluto, nada cria em si. Em Oxal, por ele ser o espao em si mesmo, tudo pode ser criado.

    Exu e Oxal so oposto-complementares porque sem a existncia do vazio absoluto o espao no poderia se expandir ao infinito. Como ambos so estados, no so antagnicos, pois onde um est presente, o outro est ausente. O vazio absoluto anterior ao espao infinito. E, porque anterior, Exu o primeiro Orix manifestado por Olorum e detm a primazia. E, se tudo preexistia em Olorum, ainda que no fosse internamente o Orix mais velho , no entanto, o primeiro a existir no seu exterior.

    Texto extrado do livro Orix Exu de Rubens Saraceni, Editora Madras.