The present document can't read!
Please download to view
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
...

Gestão Documental – racionalidade e transparência administrativa

by eliana-rezende

on

Report

Download: 0

Comment: 0

1,998

views

Comments

Description

Apresentação sobre Gestão Documental e que integra post:
Gestão Documental para racionalidade e transparência administrativa, cujo link é este: http://pensadosatinta.blogspot.com.br/2014/02/gestao-documental-para-racionalidade-e.html
Download Gestão Documental – racionalidade e transparência administrativa

Transcript

  • 1. Profª Drª Eliana Almeida de Souza Rezende Consultora em Gestão Documental e Memória Institucional
  • 2. a) Relação intrínseca com Planejamento Estratégico com vistas à racionalidade e transparência administrativa; b) Garantia de exercício de cidadania; c) Definida em Legislação Federal nº 8.159/91 d) Cumprimento da Lei de Acesso à Informação ;
  • 3. a) Garantir que a informação esteja disponível quando e onde seja necessária a Instituição e aos cidadãos; b) Propiciar a guarda, o acesso e preservação dos documentos de caráter permanente; c) Assegurar a eliminação do que não tenha mais valor administrativo, fiscal e legal; d) Normatizar o uso adequado do gerenciamento eletrônico da informação. (Gestão Documental, da Informação e do Conhecimento, por Emeide Nóbrega Duarte outros, Estado da Paraíba)
  • 4. Desafio Atender às solicitações de forma eficiente e eficaz; Eliminar gastos desnecessários; Introduzir a cultura da gestão documental moderna; Racionalização de recursos humanos, tecnológicos e financeiros
  • 5. Plano Adoção de normas, procedimentos e técnicas de gestão arquivística documental Planejamento e introdução de uma informática aplicada
  • 6. Estabelecer diretrizes, normas e procedimentos com base na legislação vigente para as atividades que envolvam Gestão Arquivística de Documentos, articulando e orientando tecnicamente os setores e departamentos a como gerenciar seus acervos documentais e disponibilizar a informação contida nos mesmos
  • 7. Informação Suporte Documento
  • 8. Para que tais documentos cumpram sua função: quer social, administrativa, técnica, cultural, jurídica, artística eles necessitam estar acessíveis, organizados e preservados Co-responsabilidade no processo de recuperação da informação, em benefício da divulgação científica, tecnológica, cultural e social, bem como do testemunho jurídico e histórico
  • 9. ConhecimentoInformação
  • 10. Conceito polissêmico Ela é o material de que é feito o conhecimento, após posicionamento crítico do indivíduo.
  • 11. A idéia de que todo esse patrimônio necessita ser cuidado é pertinente, mas nem por isso se deve partir do pressuposto de que tudo deva ser conservado, nem tão pouco, de eliminar É necessário fazer escolhas conscientes, baseadas em conhecimento aprofundado, para que os bens mais significativos possam ser preservados e valorizados
  • 12. Portanto, a informação é um recurso que não permite ser tratada com falta de profissionalismo, ela exige cuidado e conhecimento em seu trato, de forma a oferecer o máximo enquanto recurso de fomento à competitividade da organização frente ao mercado.
  • 13. Deve ser tratada como absolutamente fundamental no ambiente institucional e seu gerenciamento deve corresponder à todas as fases em que se divide a Gestão Documental, ou seja, da sua produção até sua destinação e guarda permanente.
  • 14. O conceito de gestão de documentos, compreende todos os procedimentos e operações técnicas das fases corrente e intermediária, isto é, desde a produção até a destinação final. Adoto este conceito de gestão arquivística dos documentos para diferenciar de outros sistemas de documentos que usualmente usam o termo gestão mas que não cumprem com todas as exigências arquivisticas.
  • 15. Um exemplo dessa situação ocorre na área de informática que passou a utilizar o termo gestão de documentos para alguns procedimentos de recuperação da informação de material digitalizado, implantação de protocolos informatizados e/ou para controle do armazenamento, não incorporando ao mesmo tempo o conceito de original para produção de documentos, Código de Classificação de Assuntos, Tabela de Temporalidade Documental, Avaliação e Destinação.
  • 16. Uma ferramenta de Gestão Eletrônica de Documentos (GED) não necessariamente atende a todos requisitos arquivísticos e jurídicos, se aproximando, na maioria das vezes, de uma aplicação de gestão de documentos e não de um sistema de gestão arquivística de documentos
  • 17.  A gestão de documentos originou-se a partir da impossibilidade de se lidar, nos “moldes tradicionais” até então, com as massas cada vez maiores de documentos produzidos pelas administrações públicas americanas e canadenses  Assim, a partir das soluções apontadas por comissões governamentais nomeadas para a reforma administrativa dos Estados Unidos e do Canadá, no final da década de 40 do século XX, foram estabelecidos princípios de racionalidade administrativa, a partir da intervenção nas etapas do ciclo documental, a saber: produção, utilização, conservação e destinação (incluída a avaliação por TTD) de documentos (Fonseca, 1998, p.38)
  • 18. A sua regulamentação no Brasil se deu pela Lei Federal n.º 8.159 de 1991, que a define da seguinte forma: “Considera-se gestão de documentos o conjunto de procedimentos e operações técnicas referentes à sua produção, tramitação, uso, avaliação e arquivamento em fase corrente e intermediária, visando a sua eliminação ou recolhimentos para guarda permanente”.
  • 19. Além disso, no art n° 8 foi reconhecido o conceito de ciclo vital, importante definição do valor dos documentos e da sua responsabilidade de guarda, incluindo sua organização, conservação e condições de acesso e uso O conceito de gestão de documentos e de ciclo vital, ao serem incorporados à legislação subsidiaram e possibilitaram a criação do Código de Classificação e da Tabela de Temporalidade das atividades-meio da Administração Pública Federal
  • 20. Divisão de Gestão Documental Tecnologia da Informação Área Jurídica DIRETORIAS INSTITUIÇÃO Comunidade Setor Público Empresas Sociedade Entidades GERÊNCIAS Informação
  • 21. TECNOLOGIA ARQUIVAMENTO E CONSULTA PRESERVAÇÃO GESTÃO ARQUIVÍSTICA DE DOCUMENTOS PRODUÇÃO E TRÂMITE
  • 22. Arquivo Intermediário ARQUIVO GERAL Massa documental:50% Guarda: média 50 anos Acesso restrito ao setor de origem Avaliação Transferência Avaliação Recolhimento Arquivo Corrente SETOR PRODUTOR Massa documental:100% Guarda: média 5 anos Arquivo Permanente ARQUIVO GERAL Massa documental:10% Guarda: permanente Acesso Público
  • 23. As atividades de gestão não se restringem a evitar a produção de documentos desnecessários e a estabelecer depósitos intermediários para garantir a organização e a preservação dos documentos.
  • 24. A gestão abrange todas as operações referentes à produção (definição de suportes, estrutura do documento, incluindo código de classificação e assunto), à tramitação (protocolo), ao uso (consulta e empréstimo), à avaliação (aplicação da tabela de temporalidade e destinação) e ao arquivamento (guarda e armazenamento)
  • 25. Os documentos são eficientemente administrados quando, uma vez necessária sua utilização, a localização é rápida, sem transtorno ou confusão, quando são conservados a um custo mínimo de espaço e/ou manutenção e quando nenhum documento é guardado por tempo maior ou menor do que o estabelecido em lei.
  • 26. Desenvolvimento e pesquisa de tecnologias que propiciem  Armazenamento;  Preservação;  Conservação;  Disponibilização de informação para usuários internos e/ou externos. Todas as tecnologias pensadas de acordo com Requisitos Funcionais propostos pelo CONARq e que tomam em consideração aspectos como sigilo, acesso e segurança
  • 27.  Política de Gestão Arquivística de Documentos;  Otimização no atendimento interno e/ou externo;  Redução de custos para a Instituição;  Envolvimento e comprometimento dos Setores e Departamentos;  Garantia ao direito de acesso à informação;  Garantia de transparência administrativa;  Planejamento e previsão de custos e definição de ações estratégicas.  Preservação da Memória Institucional
  • 28. Profª Drª Eliana Almeida de Souza Rezende Consultora em Gestão Documental & Memória Institucional http://pensadosatinta.blogspot.com.br/2014/02/gestao-documental- para-racionalidade-e.html
  • Fly UP