• 1. LÍNGUA PORTUGUESA III PONTUAÇÃO
  • 2. PONTUAÇÃO A pontuação indica, na escrita, as várias possibilidades de entonação na fala, além de ajudar a expressão de pensamentos, sentidos, emoções, possibilitando uma compreensão mais clara e precisa da lógica de construção de texto. O emprego dos sinais gráficos exige a obediência a determinadas normas, veja a seguir:
  • 3. VÍRGULA ( , ) A VÍRGULA NO INTERIOR DAS ORAÇÕES No interior das orações, emprega-se a vírgula:  Para separar, numa enumeração, os termos com a mesma função sintática. Ex: Sua observação foi inconveniente, agressiva, irônica, antipática.  Para isolar alguns elementos, como o aposto, o vocativo, o predicativo, os elementos repetidos, o adjunto adverbial antecipado. Ex: Fernando Montenegro, atriz talentosa, foi homenageada pela imprensa. Atriz talentosa – aposto  Para separar nomes de lugar, em datas e endereços. Ex: Porto Alegre, 10 de fevereiro de 1999. Rua dos Andradas, 22.
  • 4.  Para indicar a supressão do verbo. Ex: No anúncio, (havia) um convite: não se reprima! No interior das orações, não se emprega vírgula:  Se, antes do último termo da enumeração, houver conjunção aditiva e. Ex: Ofereceu-lhe emprego, bom salário e benefícios.  Entre o sujeito e o predicado. Ex: A subida até o mirante deixou a criança fatigada. A subida até o mirante – sujeito Deixou a criança fatigada – predicado  Entre o verbo e seus complementos. Ex: Renato Russo tinha a voz melódica. Tinha – verbo A voz melódica – complemento
  • 5.  Entre o nome e seus adjuntos adnominais e complementos nominais. Ex: A visão do mar deixava-o absorto. Visão – nome O – adjunto adnominal  Entre dois termos ligados por nem, ou ou e. Ex: Não esperou a mim nem a você. A VÍRGULA ENTRE ORAÇÕES Entre orações emprega-se a vírgula:  Para separar orações coordenadas não ligadas pela conjunção adjetiva e. Ex: Viajou no final de semana, foi visitar os pais. Viajou no final de semana – oração coordenada assindética Foi visitar os pais – oração coordenada assindética
  • 6.  Para separar orações coordenadas pela conjunção aditiva e que apresentam sujeitos diferentes. Ex: Desfiz as malas, e saímos juntos. Desfiz as malas – oração coordenada assindética E saímos juntos – oração coordenada sindética aditiva  Para separar orações subordinadas adjetivas explicativas. Ex: Suas opiniões, que eram brilhantes, interessavam a todos. Suas opiniões / interessavam a todos – oração principal que eram brilhantes – oração subordinada adjetiva explicativa  Para separar orações subordinadas adverbiais, desenvolvidas ou reduzidas, sobretudo quando antepostas à principal e, de modo geral, para separar orações subordinadas quando estão deslocadas ou intercaladas.
  • 7. Ex: Embora vivesse no interior, apreciava a agitação dos centros urbanos. Embora vivesse no interior – oração subordinada adverbial concessiva Vivendo no interior, apreciava a agitação dos centros urbanos. Vivendo no interior – oração subordinada adverbial concessiva reduzida de gerúndio.  Para separar orações intercaladas. Ex: As ofensas, disse ela, foram graves! Entre orações, não se emprega a vírgula:  Para separar a oração principal e a oração subordinada substantiva. Ex: A família decidiu que mudaria para o sul. que mudaria para o sul – oração subordinada substantiva objetiva direta
  • 8.  Para separar a oração subordinada adjetiva restritiva intercalada na oração principal. Ex: O estágio que fiz nesta empresa foi proveitoso. que fiz nesta empresa – oração subordinada adjetiva restritiva  Para separar duas orações coordenadas ligadas por conjunção aditiva e que tenham o mesmo sujeito. Ex: A reunião foi longe e (a reunião) terminou após o expediente.
  • 9. PONTO E VÍRGULA ( ; ) O ponto e vírgula é empregado:  Para separar, em período de certa extensão, as artes que tenham orações já separadas por vírgula. Ex: Por anos, desejei comprar um certo guarda-chuva e um chapéu, pois me pareciam elegantes; possuí-los, porém, não me fez mais feliz.  Para separar, em uma enumeração, os itens compostos de mais de uma palavra. Ex: A prova constará de: um estudo do texto; cinco questões gramaticais contextualizadas; uma redação sobre o tema abordado no texto.
  • 10. DOIS PONTOS ( : ) Empregam-se os dois pontos:  Para introduzir uma fala.  Para introduzir uma citação.  Para introduzir uma enumeração.  Para introduzir uma explicação, resumo ou consequência do que se disse antes. Ex: Dez anos depois, não passávamos disto: um bando de garotos zombeteiros.
  • 11. RETICÊNCIAS ( ... ) Empregam-se as reticências:  Para indicar continuidade de uma ação ou fato. Ex: O tempo passa...  Para indicar suspensão ou interrupção de pensamento. Ex: Vim até aqui achando que...  Para representar, na escrita, hesitações comuns na língua falada. Ex: Não quero sobremesa...porque...porque não estou com vontade.  Para realçar uma palavra ou expressão. Ex: Não há motivo para tanto...mistério.  Para realizar citações incompletas. Ex: O professor pediu que considerássemos esta passagem do hino brasileiro: "Deitado eternamente em berço esplêndido...“  Para indicar ironia. Ex: O Torres virá mesmo desta vez? Até parece...
  • 12. PONTO DE INTERROGAÇÃO ( ? ) Emprega-se o ponto de interrogação:  Frases interrogativas.
  • 13. PONTO DE EXCLAMAÇÃO ( ! ) O ponto de exclamação é utilizado após as interjeições, frases exclamativas e imperativas. Pode exprimir surpresa, espanto, susto, indignação, piedade, ordem, súplica, etc. Possui entoação descendente. Ex: Como as mulheres são lindas! Pare, por favor! Ah! Que pena que ele não veio...
  • 14. PONTO FINAL ( . ) O Ponto Final indica a pausa máxima. É empregado no final de uma oração absoluta ou da oração de um período composto. Ex: “Quem vive se elogiando é somente carente. O megalomaníaco fica esperando receber elogio dos outros.” (Fabrício Carpi Nejar)
  • 15. ASPAS ( “ ” ) Empregam-se aspas:  Para indicar o início e o final de uma citação: Ex: “Se soubéssemos o que cada um faz na intimidade, ninguém cumprimentava ninguém.” (Nelson Rodrigues)  Destacar uma palavra ou expressão. Ex: Os “anjinhos” estão prontos? O ônibus escolar chegou.
  • 16. PARÊNTESES ( ) Empregam-se os parênteses.  Para intercalar uma ideia acessória ou uma oração num texto. Ex: “Houve um discurso; o prefeito (que naquele mesmo ano seria derrubado e preso) disse algumas palavras.” (Rubem Braga)  Nas referências bibliográficas.
  • 17. TRAVESSÃO Emprega-se o travessão para:  Para indicar a fala ou mudança de interlocutor, nos diálogos. “ - Você viaja quando? - Amanhã à noite. - E quando retorna? - Ainda não sei ao certo.”  Para enfatizar expressões ou frases. Ex: “Foi poeta – sonhou – e amou na vida” (Álvares de Azevedo)
  • 18. PRÓXIMO TEMA: CONCORDÂNCIA VERBAL E NOMINAL
    Please download to view
  • All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
    ...

    Pontuação

    by thiago-rodrigues

    on

    Report

    Category:

    Education

    Download: 0

    Comment: 0

    138

    views

    Comments

    Description

    Download Pontuação

    Transcript

  • 1. LÍNGUA PORTUGUESA III PONTUAÇÃO
  • 2. PONTUAÇÃO A pontuação indica, na escrita, as várias possibilidades de entonação na fala, além de ajudar a expressão de pensamentos, sentidos, emoções, possibilitando uma compreensão mais clara e precisa da lógica de construção de texto. O emprego dos sinais gráficos exige a obediência a determinadas normas, veja a seguir:
  • 3. VÍRGULA ( , ) A VÍRGULA NO INTERIOR DAS ORAÇÕES No interior das orações, emprega-se a vírgula:  Para separar, numa enumeração, os termos com a mesma função sintática. Ex: Sua observação foi inconveniente, agressiva, irônica, antipática.  Para isolar alguns elementos, como o aposto, o vocativo, o predicativo, os elementos repetidos, o adjunto adverbial antecipado. Ex: Fernando Montenegro, atriz talentosa, foi homenageada pela imprensa. Atriz talentosa – aposto  Para separar nomes de lugar, em datas e endereços. Ex: Porto Alegre, 10 de fevereiro de 1999. Rua dos Andradas, 22.
  • 4.  Para indicar a supressão do verbo. Ex: No anúncio, (havia) um convite: não se reprima! No interior das orações, não se emprega vírgula:  Se, antes do último termo da enumeração, houver conjunção aditiva e. Ex: Ofereceu-lhe emprego, bom salário e benefícios.  Entre o sujeito e o predicado. Ex: A subida até o mirante deixou a criança fatigada. A subida até o mirante – sujeito Deixou a criança fatigada – predicado  Entre o verbo e seus complementos. Ex: Renato Russo tinha a voz melódica. Tinha – verbo A voz melódica – complemento
  • 5.  Entre o nome e seus adjuntos adnominais e complementos nominais. Ex: A visão do mar deixava-o absorto. Visão – nome O – adjunto adnominal  Entre dois termos ligados por nem, ou ou e. Ex: Não esperou a mim nem a você. A VÍRGULA ENTRE ORAÇÕES Entre orações emprega-se a vírgula:  Para separar orações coordenadas não ligadas pela conjunção adjetiva e. Ex: Viajou no final de semana, foi visitar os pais. Viajou no final de semana – oração coordenada assindética Foi visitar os pais – oração coordenada assindética
  • 6.  Para separar orações coordenadas pela conjunção aditiva e que apresentam sujeitos diferentes. Ex: Desfiz as malas, e saímos juntos. Desfiz as malas – oração coordenada assindética E saímos juntos – oração coordenada sindética aditiva  Para separar orações subordinadas adjetivas explicativas. Ex: Suas opiniões, que eram brilhantes, interessavam a todos. Suas opiniões / interessavam a todos – oração principal que eram brilhantes – oração subordinada adjetiva explicativa  Para separar orações subordinadas adverbiais, desenvolvidas ou reduzidas, sobretudo quando antepostas à principal e, de modo geral, para separar orações subordinadas quando estão deslocadas ou intercaladas.
  • 7. Ex: Embora vivesse no interior, apreciava a agitação dos centros urbanos. Embora vivesse no interior – oração subordinada adverbial concessiva Vivendo no interior, apreciava a agitação dos centros urbanos. Vivendo no interior – oração subordinada adverbial concessiva reduzida de gerúndio.  Para separar orações intercaladas. Ex: As ofensas, disse ela, foram graves! Entre orações, não se emprega a vírgula:  Para separar a oração principal e a oração subordinada substantiva. Ex: A família decidiu que mudaria para o sul. que mudaria para o sul – oração subordinada substantiva objetiva direta
  • 8.  Para separar a oração subordinada adjetiva restritiva intercalada na oração principal. Ex: O estágio que fiz nesta empresa foi proveitoso. que fiz nesta empresa – oração subordinada adjetiva restritiva  Para separar duas orações coordenadas ligadas por conjunção aditiva e que tenham o mesmo sujeito. Ex: A reunião foi longe e (a reunião) terminou após o expediente.
  • 9. PONTO E VÍRGULA ( ; ) O ponto e vírgula é empregado:  Para separar, em período de certa extensão, as artes que tenham orações já separadas por vírgula. Ex: Por anos, desejei comprar um certo guarda-chuva e um chapéu, pois me pareciam elegantes; possuí-los, porém, não me fez mais feliz.  Para separar, em uma enumeração, os itens compostos de mais de uma palavra. Ex: A prova constará de: um estudo do texto; cinco questões gramaticais contextualizadas; uma redação sobre o tema abordado no texto.
  • 10. DOIS PONTOS ( : ) Empregam-se os dois pontos:  Para introduzir uma fala.  Para introduzir uma citação.  Para introduzir uma enumeração.  Para introduzir uma explicação, resumo ou consequência do que se disse antes. Ex: Dez anos depois, não passávamos disto: um bando de garotos zombeteiros.
  • 11. RETICÊNCIAS ( ... ) Empregam-se as reticências:  Para indicar continuidade de uma ação ou fato. Ex: O tempo passa...  Para indicar suspensão ou interrupção de pensamento. Ex: Vim até aqui achando que...  Para representar, na escrita, hesitações comuns na língua falada. Ex: Não quero sobremesa...porque...porque não estou com vontade.  Para realçar uma palavra ou expressão. Ex: Não há motivo para tanto...mistério.  Para realizar citações incompletas. Ex: O professor pediu que considerássemos esta passagem do hino brasileiro: "Deitado eternamente em berço esplêndido...“  Para indicar ironia. Ex: O Torres virá mesmo desta vez? Até parece...
  • 12. PONTO DE INTERROGAÇÃO ( ? ) Emprega-se o ponto de interrogação:  Frases interrogativas.
  • 13. PONTO DE EXCLAMAÇÃO ( ! ) O ponto de exclamação é utilizado após as interjeições, frases exclamativas e imperativas. Pode exprimir surpresa, espanto, susto, indignação, piedade, ordem, súplica, etc. Possui entoação descendente. Ex: Como as mulheres são lindas! Pare, por favor! Ah! Que pena que ele não veio...
  • 14. PONTO FINAL ( . ) O Ponto Final indica a pausa máxima. É empregado no final de uma oração absoluta ou da oração de um período composto. Ex: “Quem vive se elogiando é somente carente. O megalomaníaco fica esperando receber elogio dos outros.” (Fabrício Carpi Nejar)
  • 15. ASPAS ( “ ” ) Empregam-se aspas:  Para indicar o início e o final de uma citação: Ex: “Se soubéssemos o que cada um faz na intimidade, ninguém cumprimentava ninguém.” (Nelson Rodrigues)  Destacar uma palavra ou expressão. Ex: Os “anjinhos” estão prontos? O ônibus escolar chegou.
  • 16. PARÊNTESES ( ) Empregam-se os parênteses.  Para intercalar uma ideia acessória ou uma oração num texto. Ex: “Houve um discurso; o prefeito (que naquele mesmo ano seria derrubado e preso) disse algumas palavras.” (Rubem Braga)  Nas referências bibliográficas.
  • 17. TRAVESSÃO Emprega-se o travessão para:  Para indicar a fala ou mudança de interlocutor, nos diálogos. “ - Você viaja quando? - Amanhã à noite. - E quando retorna? - Ainda não sei ao certo.”  Para enfatizar expressões ou frases. Ex: “Foi poeta – sonhou – e amou na vida” (Álvares de Azevedo)
  • 18. PRÓXIMO TEMA: CONCORDÂNCIA VERBAL E NOMINAL
  • Fly UP