• Que  começo  de  mês  fabuloso  para  os  brasileiros  na  Nova  Zelândia.   Os  seis  shows  do  Projeto  Tutakitaki,  que  une  música  brasileira  e   maori  num  palco  só,  foram  um  sucesso.  Um  show  tão  criaGvo  e   poderoso,  com  músicos  tão  especiais  e  mulGculturais  que  nós  não   resisGmos  à  chance  de  ter  a  talentosa  cantora  brasileira  Alda   Rezende  na  nossa  capa.  Alda  mora  em  Wellington,  capital  da  Nova   Zelândia,  há  11  anos  e  vem  encantando  o  país  com  sua  voz   poderosa  e  marcante.       Também  estamos  animados  com  a  vinda  da  seleção  brasileira  de   Sub-­‐20  para  a  Copa  do  Mundo  que  acontece  na  Nova  Zelândia  em   maio  e  junho.  A  gente  foi  conversar  com  Dave  Beeche,  CEO  do   comitê  de  organização  local  que  contou  para  gente  das   expectaGvas  para  a  Copa  e  como  o  país  tem  se  preparado  para   receber  os  jogos.  No  grupo  do  Brasil  estão  Nigéria,  Hungria  e  Coréia   e  nosso  grupo  abre  a  Copa  no  famoso  Stadium  Taranaki.  Será  que   esse  troféu  a  gente  leva  para  casa?       E  falando  em  voar  para  casa,  a  aclamada  Air  New  Zealand  começou   a  vender  suas  passagens  para  a  América  do  Sul.  A  no^cia  foi   recebida  com  muito  entusiasmo  por  toda  a  América  LaGna.  Para   aqueles  que  já  viajaram  em  longos  trechos  com  a  Air  NZ,  sabe  que  o   conforto,  pontualidade  e  serviços  impecáveis  vão  ser  um  grande   ponto  de  diferença  na  hora  de  voar  para  casa.  Nós  conversamos   com  Imogen  Dennis,  Coordenadora  de  Comunicação  CorporaGva  da   Air  New  Zealand,  que  nos  falou  o  quanto  eles  estão  animados  em   voar  para  Buenos  Aires  e  dos  seus  planos  de  expansão  para  o  resto   da  América  do  Sul.       Ainda  nessa  edição,  uma  matéria  especial  sobre  validação  de   diplomas  brasileiros.  A  trajetória  de  alguns  profissionais  (médico,   professor,  advogado,  engenheiro,  contador,  arquiteto,   fonoaudiólogo  e  denGsta)  em  reconhecer  seus  diplomas  e  trabalhar   na  sua  área  aqui  na  Nova  Zelândia.       Na  coluna  “ImmigraGon  Society”,  Peterson  Fabrício  fala  sobre  os   vistos  para  profissionais  qualificados    e  em  “Exercício,  Esporte,   Desempenho  e  EsGlo  de  Vida  Saudável”,  nossa  colunista  Camila   Nassif  fala  do  Surf  e  Kitesurf  na  Nova  Zelândia  e  da  experiência  dos   brasileiros  praGcando  esses  esportes  em  terras  kiwis.     Espero  que  todos  tenham  Grado  os  casacos  e  edredons  do  armário,   por  que  depois  de  um  verão  fabuloso  (aparentemente  o  melhor  da   década),  o  frio  já  começou  a  dar  as  caras  e  mandou  avisar  que  virá   com  força  total!     Grande  abraço,   ���   Cristiane Diogo MBA Abril– Edição 9 Nº3/2015 WWW.REVISTAMBA.CO.NZ Editorial��� EDIÇÃO   CrisGane  Diogo     DIAGRAMAÇÃO   CrisGane  Diogo   Vera  Padilha     COLUNAS   Peterson  Fabricio   Camila  Nassif     FOTOGRAFIA   Rafael  Bonalo   Duda  Hawaii   Eugenio  Sávio   Norrie  Montgomery     CAPA   Vera  Padilha     PARA  ANUNCIAR   revista.mba.markeGng@gmail.com     COLABORADORES  Abril  2015   Silvana  Rooney  -­‐  Vera  Padilha   Jorge  Ferreira  -­‐  Imogen  Dennis   Gordon  Irving     AGRADECIMENTO  Abril  2015   Alda  Rezende     Dave  Beech  -­‐  Rodrigo  Duarte   Lisa  Goulart  -­‐  Stella  Goulart   Adriana  Arruda  -­‐  Kelly  Forbes   Patrícia  Barbosa  -­‐  Juliane  Smith   Mariete  dos  Santos  –  Leko  de  Souza   Daniel  Heinen  -­‐    Poliana  Borges         A Revista MBA é uma publicação independente com a finalidade de informar a comunidade brasileira da Nova Zelândia e dilvulgar produtos e serviçoes que sejam do interesse dessa comunidade. A versão online desta publicação é gratuita. É proibida qualquer reprodução impressa ou digital, cópia do conteúdo, matérias, anúncios ou elementos visuais, bem como do projeto gráfico apresentados na Revista MBA com base na LEI DE DIREITOS AUTORAIS Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998, com respaldo internacional.
  • MBA Brasil na Nova Zelândia Conteúdo ALDA REZENDE [4]   AIR NEW ZEALAND Uma das melhores companhias aéreas do mundo voando para a América Latina IMMIGRATION CONNECTIONS Vistos para profissionais qualificados COPA DO MUNDO DE FUTEBOL SUB-20 NZ com gosto de futebol VEJA AINDA… RECEITA [30] ESPAÇO EMBAIXADA [29] [10]   [24]  [14]   VALIDANDO SEU DIPLOMA BRASILEIRO [17]   EXERCICIO E SAUDE Surf e kitesurf na NZ [26]   Organização: Apoio: WWW.MAMAEBRASILEIRAAOTEAROA.CO.NZ  
  • A BRAZIL EXPRE! É UM ELO DE UMA GRANDE CO"ENTE CHAMADA MERCADO NOSTALGIA FORMADO POR PE!OAS E EMPRESAS QUE SE DEDICAM COM ORGULHO A PRESERVAÇÃO DOS HÁBITOS E COSTUMES DA PÁTRIA MÃE . AGORA NÓS ESTAMOS INOVANDO! VOCÊ ENCOMENDA E NÓS TRAZEMOS DO BRASIL! A  ARKE  é  nossa  mais  nova  parceira  comercial  na  Oceania  e   você  pode  encomendar  a  sua  churrasqueira  a  gás  ou   elétrica    agora  mesmo.     Experimente  dar  um  breve  passeio  nos  sites  da  MIOLO,  CASA  VALDUGA,   AURORA,  CAVE  GEISE  e  tantas  outras  vinícolas  brasileiras,  ou  simplesmente,   digitar  no  Google  “vinhos  brasileiros  premiados”      Você  vai  se  surpreender!       Aqui  temos  dois  exemplos  de  vinhos  premiados  aqui  na  Nova  Zelândia,     Miolo  Tannat  e  Quinta  do  Seival.      
  • Do Brasil para a Nova Zelândia A  Nova  Zelândia  fica  no  Oceano  Pacífico,  a  cerca  de  2.000  km  do  leste  da   Austrália.  O  país  é  mais  ou  menos  do  tamanho  do  Estado  de  São  Paulo,  e   seu  território  é  composto  de  duas  ilhas  principais:  a  Ilha  do  Norte  e  a  Ilha   do  Sul.  Com  uma  população  de  aproximadamente  4,3  milhões  de   habitantes,  a  Nova  Zelândia  é  um  dos  países  menos  povoados  do  mundo.       Mesmo  sendo  tão  pequena  e  tão  distante,  a  Nova  Zelândia  atraiu  e  atrai   milhares  de  brasileiros  todos  os  anos.  Voos  diretos  regulares  entre  a   América  LaGna  e  a  Nova  Zelândia  saem  de    SanGago  e  levam   aproximadamente  de  doze  a  catorze  horas  para  chegar.       A  novidade  é  que  a  Air  New  Zealand,  a  companhia  área  neozelandesa   considerada  uma  das  melhores  e  mais  seguras  do  mundo  e  ganhadora  de   diversos  prêmios  mundiais,  começou,  em  março  de  2015,  a  vender   passagens  para  voar  diretamente  a  Buenos  Aires  três  vezes  por  semana  a   parGr  de  1  de  dezembro  2015.     Para  entender  melhor  o  que  muda  nas  nossas  opções  para  voar  da  e  para   a  Nova  Zelândia,  a  gente  conversou  com  a  Silvana  Rooney,  agente  de   viagens  da  House  of  Travel  Parnell  e  com  a  Imogen  Dennis,  Coordenadora   de  Comunicação  CorporaGva  da  Air  New  Zealand.        
  • S Se  você  mora  na  Nova  Zelândia  ou  já  veio  visitar  esse   lindo  país,  você  provavelmente  sabe  que  foram  muitas   horas  para  chegar  aqui.  Às  vezes  três  aeroportos  e  três   voos  longos.  Então,  quando  a  Air  New  Zealand  anunciou   no  ano  passado  que  começaria  a  voar  para  a  ArgenGna   diretamente,  essa  no^cia  foi  recebida  muito   calorosamente.     Desde  Junho  de  2012,  quando  a  Aerolineas  ArgenGnas   parou  suas  operações  para  a  Nova  Zelândia  devido  à   inviabilidade  dos  preços  do  combus^vel,  os  brasileiros   que    querem  vir  para  a  Nova  Zelândia  contavam   principalmente  com  a  LanChile.     Silvana  Rooney,  agente  de  viagens  da  House  of  Travel   Parnell  em  Auckland  diz  que  além  da  rota  via  SanGago  no   Chile  (Brasil-­‐SanGago-­‐NZ),  brasileiros  também  vem  para  a   Nova  Zelândia  através  de  Dubai  (Brasil-­‐Dubai-­‐Australia-­‐ NZ)  ou  através  dos  Estados  Unidos  (Brasil-­‐Los  Angeles-­‐ NZ).     De  acordo  com  Imogen  Dennis,  Coordenadora  de   Comunicação  CorporaGva  da  Air  New  Zealand,  eles   Gnham  há  muito  tempo  interesse  em  explorar  a  América   do  Sul.  Como  Buenos  Aires  é  uma  das  cidades  mais   populares  da  América  do  Sul,  eles  viram  como  um  desGno   atraente  e  um  ponto  de  parGda  conveniente  para  o  resto   do  conGnente.  “Nós  também  estamos  ansiosos  para   receber  mais  turistas  sul-­‐americanos  para  a  Nova   Zelândia,  uma  vez  que  começaremos  a  operar  o  nosso   serviço  direto  de  Buenos  Aires  para  Auckland  em  1  de   Dezembro  de  2015”  disse  Imogen.  Os  voos  da  Air  New   Zealand  sairão  todas  as  terças,  sextas  e  domingos.     Mas  a  pergunta  que  não  quer  calar  é:  E  o  Brasil?  Será  que   a  Air  New  Zealand  tem  planos  de  voar  para  o  nosso  país   diretamente?  Infelizmente  não.  De  acordo  com  Imogen,   eles  não  tem  planos  atuais  para  operar  para  o  Brasil,  no   entanto,  irão  comparGlhar  voos  com  a  Aerolíneas   ArgenGnas  entre  Buenos  Aires  e  São  Paulo,  Rio  de   Janeiro,Belo  Horizonte,  Brasília  e  CuriGba.     Os  voos  da  Air  New  Zealand  serão  operados  por  uma   aeronave  Boeing  777-­‐200,  oferecendo  a  sua  premiada   Business  Class  com  assentos  que  deitam  completamente,   a  confortável  Premium  Economy  com  mais  espaço  e  o   design  único  do  Sky  Couch  como  mais  uma  opção  da   classe  econômica.    O  que  isso  significa  para  nós,  pobres   mortais  que  não  podem  voar  de  primeira  classe,  é  que   temos  a  possibilidade  de  deitar  e  esGcar  as  pernas.  A   chamada  “Cuddle  Class”  (Classe  do  Carinho)  só  tem   recebido  elogios  de  quem  viajou  nela.  O  apoio  dos  pés   sobe  completamente  e  a  companhia  área  fornece  um   edredom  para  que  você  faça  forre  o  assento.       Alguém  animado  a  tentar?       Foto: Sky Couch Air New Zealand .  
  • Fale com os brasileiros da Nova Zelândia Tem algo a falar para essa imensa comunidade verde e amarela vivendo em terras kiwis? Conte conosco para passar sua mensagem para os milhares de brasileiros da Nova Zelândia. Nós estamos aqui! Anuncie: revista.mba.marketing@gmail.com
  • inte e quatro equipes competem ao longo de 21 dias que estão sendo apontados como o maior espetáculo do futebol jamais visto na Nova Zelândia.   Esse é o cenário em que a Copa do Mundo de Futebol Sub-20 2015 decola no North Harbour Stadium no dia 30 de maio.   Este evento é classificado como o segundo evento masculino mais importante da FIFA que esteve por trás da Copa do Mundo sênior que aconteceu no Brasil e foi vencido pela Alemanha há menos um ano. A 20ª edição do torneio de Sub-20 irá incluir algumas das potências futebolísticas mundiais desde os latino americanos Brasil e Argentina até a Alemanha, que irá liderar o ataque Europeu. A Copa Sub-20 tem sido uma plataforma de lançamento para alguns dos maiores talentos do futebol, incluindo Diego Maradona, Lionel Messi, Ronaldinho e o sucesso da Copa do Mundo de 2014 no Brasil, James Rodriguez da Colômbia. V! Por Gordon Irving para MBA Foto: Troféu da Copa Sub-20 viajando pela Nova Zelândia, foto promocional FIFA
  •     O  CEO  (Diretor  ExecuGvo)  do  comitê   de  organização  local,    Dave  Beeche   diz  que  os  neozelandeses   provavelmente  vão  ver  a  próximo   talento  no  mundo  do  futebol  surgir   durante  os  meses  de  maio  e  junho.       "Você  pode  ter  certeza  que  haverão   jogadores  compeGndo  na  Nova   Zelândia  que  serão  manchete  do   futebol  mundial  nos  próximos  anos.   Quem  será,  nós  não  sabemos  ainda,   mas  se  você  olhar  para  trás  em   1999,  quando  a  copa  sub-­‐17  foi   realizada  aqui,  Gvemos  jogadores   como  Landon  Donovan  dos  EUA  e   Michael  Essien,  de  Gana,  que   passaram  a  jogar  para  Chelsea  e  Real   Madrid.  ”     Neozelandeses  nunca  ganharam  um   jogo  deste  nível,  mas  Dave  Beeche   diz  que  o  sucesso  do  torneio  não  vai   depender  da  Nova  Zelândia  avançar   da  primeira  fase.       "Nós  gostaríamos  de  ver  Nova   Zelândia  se  classificar  na  primeira   fase  dos  grupos  e  eu  sei  que  esse  é  o   objeGvo  do  Gme  e  dos  técnicos.”       "No  entanto,  não  é  essencial,  sob  a   perspecGva  do  torneio,  que  isso   aconteça.  Nova  Zelândia  já  sediou   dois  torneios  da  FIFA  em  1999  e   2008,  quando  foi  realizada  aqui  o   sub-­‐17  masculino  e  feminino.  Em   nenhuma  das  ocasiões  a  Nova   Zelândia  se  qualificou  na  fase  de   grupos  e,  no  entanto,  ambos  os   eventos  foram  de  um  enorme   sucesso,  tanto  por  parte  do  público   da  Nova  Zelândia  que  compareceu   em  grande  número  para  assisGr   futebol  de  primeira  classe  quanto   para  a  FIFA.  A  final  do  sub-­‐17   masculino  em  1999  teve  seus   ingressos  esgotados  no  North   Harbour  Stadium  ",  disse  Sr.  Beeche.       O  sorteio  oficial  que  foi  realizado  na   Sky  City  em  Auckland  no  dia  10  de   fevereiro,  certamente  proporcionou   alguns  encontros  interessantes  na   primeira  fase  da  Copa.  Seis  vezes   vencedor  do  torneio  Brasil  vai  abrir   sua  campanha  em  New  Plymouth   contra  os  campeões  africanos   Nigéria,  enquanto  em  Christchurch,   haverá  uma  luta  real  entre  Davi  e   Golias  quando  campeã  europeia   Alemanha  jogará  contra  Fiji  (que   estarão  jogando  numa  copa  de   futebol  pela  primeira  vez).       Dave  Beeche  está  confiante  de  que  o   torneio  vai  ajudar  a  elevar  o  perfil  e   a  moral  do  futebol  na  Nova  Zelândia.       "Eu  acho  que  quando  o  público   neozelandês  perceber  o  nível  de   talento  dos  jogadores,  este  torneio   será  um  dos  temas  mais  falados  na   hora  dos  intervalos  do  trabalho."       "Acredito  que  este  torneio  vai  elevar   o  perfil  do  jogo  e  também  trará   novos  adeptos  ao  esporte.  As   pessoas  que  não  foram  previamente   envolvidas  com  o  futebol,  verão   como  é  simples  de  jogar  e  como  ele   pode  ser  emocionante  para  assisGr   e,  em  seguida,  decidir  até     praGcá-­‐lo  ".     Foto: Dave Beeche Diretor Executivo do Comitê Organizador Local     .  
  • VALIDANDO SEU DIPLOMA BRASILEIRO Você se formou no Brasil e tem experiência profissional, tem se dedicado à sua profissão mas acha que algo não está valendo a pena... a preocupação com a qualidade de vida? Ou simplesmente está em busca de novos ares? Você então decidiu que é hora de mudar. E de todos os lugares do mundo, você decidiu tentar a vida na longínqua Nova Zelândia. E agora, o que fazer?  Nessa matéria, vamos dar uma ideia dos caminhos para validar seu diploma e dividir a nossa conversa com alguns profissionais brasileiros que trabalham na sua profissão de formação no Brasil aqui na Nova Zelândia.
  •  Nova  Zelândia  (e  essa  regra    se  aplica  para  a  maioria  dos    países),  está  de  portas   abertas  para  profissionais  que   podem  contribuir  para  o   desenvolvimento  econômico  e  social   do  país.  Esses  profissionais  com   inglês  fluente  e  formação  e   experiência  profissional  podem   tentar  imigrar  usando  vistos  como  o   Skilled  Migrant  Visa    por  exemplo   (veja  mais  na  coluna  Immigra@on   Connec@ons).     Ter  a  sua  profissão  regularizada  é  um   passo  importante  para  imigrar  e  é   importante  começar  o  processo  o   quanto  antes  para  que  você  não   perca  nenhuma  oportunidade  caso   tenha  uma  oferta  de  trabalho  cedo.       Aqui  na  Nova  Zelândia  os  cursos  são   qualificados  com  números.  Cursos   vão  de  1  a  10  (sendo  10  o  nível  mais   alto  de  qualificação  -­‐  como   doutorado  por  exemplo).  Esses   níveis  dependem  da  complexidade   de  estudo  e  não  somente  do  tempo   estudado  e  a  classificação  do  seu   curso  (nível)  será  dada  pelo  NZQA   (New  Zealand  Qualifica@ons   Authority).  Pontuação  essa   importan^ssima  se  você  quiser  usar   o  sistema  do  Skilled  Migrant  Visa   para  imigrar.     O  primeiro  passo,  depois  de  avaliar  o   mercado,  é  validar  ou  reconhecer   seu  diploma  por  aqui.  Para  muitas   profissões,  como  as  da  área  médica,   educacional  ou  de  arquitetura,  você   vai  precisar  ser  registrado  no   conselho  daquela  profissão  para  que   possa,  legalmente,  exercer  seu   trabalho  na  sua  área  (isso,  às  vezes,   quer  dizer  estudar  mais  algumas   disciplinas  ou  passar  numa  prova   para  equiparar  seus  estudos  com  os   daqui),  para  outras,  a  comprovação   de  experiência  numa  indústria   internacional  similar  e  a  proficiência   em  inglês  são  suficientes.     E  se  minha  profissão  não  puder  ser   reconhecida  na  NZ?     Essa  possibilidade  sempre  vai  exisGr.     A! Check-­‐list! 1.  Proficiência  em   Inglês;   Sem  falar  inglês  fluentemente  (e  sem  comprovação   da  sua  proficiência  na  língua),  você  não  vai  conseguir   validar  seu  diploma  ou  conseguir  um  trabalho  na  sua   área.  Aqui  na  NZ,  o  teste  de  proficiência  aceito  é  o   IELTS  (InternaGonal  English  Language  TesGng  System).           2.  Avaliar  o  mercado   de  trabalho;   O  mercado  está  procurando  por  profissionais  da  sua   área?  Existem  vagas  disponíveis  para  profissionais   com  a  sua  qualificação  e  experiência?    Dê  uma  olhada   em  websites  como  www.seekme.co.nz,   www.trademe.co.nz/jobs    ou  www.careers.govt.nz     para  ter  uma  ideia  de  como  anda  sua  profissão.       3.  Se  informar  se  sua   profissão  precisa  de   registro  ou  alguma   validação  especial.   Procurar    o  conselho  da  sua  profissão  e  se  informar   do  passo  a  passo  para  o  seu  registro  se  necessário   (esses  requerimentos  mudam  constantemente)   4.  Preparação   Tire  cópia  e  faça  a  tradução  juramentada  de  todos  os   seus  diplomas  e  registros  brasileiros.   Tire  cópia  e  mande  traduzir  todo  a  grade  de   disciplinas  do  seu  curso     5.  Peça  ajuda   Procure  um  agente  de  imigração  oficial  para  te  ajudar   na  sua  solicitação  de  vistos  se  você  Gver  alguma   dúvida.   Estudar  na  Nova  Zelândia  para  que   você  alcance  o  nível  do  curso  que   você  deseja  reconhecer  ou  começar   numa  posição  inferior    à  que  você   estava  exercendo  no  Brasil  são   algumas  das  possibilidades.     Dependendo  da  sua  área,  o  melhor   lugar  para  começar  é  falar  com  o   conselho  profissional  da  sua   profissão.  Lembre  que  as   experiências  apresentadas  nessa   matéria  são  somente  um  guia  e  que   processos  e  procedimentos  são   atualizados  frequentemente.  Falar   com  seu  conselho  (e  dar  uma  olhada   com  cuidado  no  seu  website)  deve   ser  sua  prioridade.     Alguns  conselhos  profissionais  na  NZ   (procure  em  qualquer  ferramenta  de   busca  online  um  dos  nomes  abaixo   seguido  por  New  Zealand)       •  Architects  EducaGon  &   RegistraGon  Board   •  Dental  Technicians  Board   •  Dental  Council  of  New  Zealand   •  Electrical  Workers  RegistraGon   Board   •  Engineers  RegistraGon  Board   •  ImmigraGon  Advisers  Licensing   Authority   •  Medical  Council  of  New  Zealand   •  Nursing  Council  of  New  Zealand   •  New  Zealand  Law  Society   •  PharmaceuGcal  Society  of  New   Zealand   •  Physiotherapists  Board   •  Plumbers,  Gasfilers  and   Drainlayers  Board   •  Real  Estate  Agents  Licensing   Board   •  RegistraGon  Boards  Secretariat   •  The  Survey  Board  of  New  Zealand   Office  of  the  Surveyor-­‐General   Land  InformaGon  New  Zealand   •  Teachers  RegistraGon  Board   •  Veterinary  Council  of  New   Zealand        
  • RODRIGO  D,     Engenharia  Industrial  e  Elétrica       Quanto  tempo  de  experiência  no   Brasil  você  [nha  quando  decidiu  sair   do  país?   Como  Engenheiro,  eu  Gnha  apenas   dois  anos.  Porem  já  trabalhava  na   área  como  Técnico  Eletrotécnico,   totalizando  seis  anos  de  experiência   na  área  Industrial.       Você  teve  experiência  profissional   em  outro  país  antes  de  vir  para  NZ?   Não.  A  Nova  Zelândia  foi  a  minha   primeira  experiência  profissional  fora   do  Brasil.   Vim  para  a  Nova  Zelândia  com  a   minha  esposa  com  intenção  de   adquirimos  experiência  profissional   no  exterior.  A  intenção  era  ficar  aqui   por  três  anos  e  voltar  para  o  Brasil.   Hoje,  depois  de  onze  anos,  estamos   firmes  e  fortes  em  solo  neozelandês  .           Engenharia     Você  precisou    estudar  na  NZ  para   equiparar  seus  estudos  aos  daqui?   Se  sim,  por  quanto  tempo?   Não,  eu  não  precisei  estudar  aqui  na   NZ  para  equiparar  meus  estudos.       Você  precisa  ter  o  registro  da  sua   profissão  na  NZ  para  trabalhar  aqui?   Se  sim,  qual  a  maior  dificuldade  em   obter  esse  registro?   Não,  eu  não  precisei  registrar  minha   profissão  na  NZ.  A  comprovação  da   minha  experiência  foi  suficiente.       Que  conselho  você  daria  a  quem   quer  reconhecer  sua  profissão  na   NZ  ?   Primeiramente  aconselho  que   verifiquem  a  real  necessidade  do   reconhecimento  da  profissão  na  NZ.   Pois,  muitas  vezes,  a  experiências   profissional  (comprovada)  já  são   suficiente.     Se  houver  necessidade  de   reconhecimento,  aconselho  que   procurem  a  ajuda  de  um  agente  de   imigração  registrado  com  o   departamento  de  imigração  da  NZ.   Estes  profissionais  tem  bastante   conhecimento  na  área,  e  podem   facilitar  e  agilizar  este  processo.     FONOAUDIOLOGIA     LISA  G,   Fonoaudiologia     Quanto  tempo  de  experiência  no   Brasil  você  [nha  quando  decidiu  sair   do  país?   Saí  do  país  recém  formada.         Você  teve  experiência  profissional   em  outro  país  antes  de  vir  para  NZ?   Sim,  trabalhei  como  audiologista  na   Inglaterra  por  4  anos  antes  de  vir   para  Nova  Zelândia.       Você  precisou    estudar  na  NZ  para   equiparar  seus  estudos  aos  daqui?   Se  sim,  por  quanto  tempo?   Não       Você  precisa  ter  o  registro  da  sua   profissão  na  NZ  para  trabalhar  aqui?   Se  sim,  qual  a  maior  dificuldade  em   obter  esse  registro?   Não  necessariamente,  porém  não   podemos  trabalhar  com  ACC  ou  nada   que  requeira  fundos  públicos     O  NZAS  (NZ  Audiology  Society)  até   ano  passado  não  reconhecia  nosso   diploma  de  Bacharel.  Para  ser   membro  do  NZAS  precisava  no   mínimo  de  mestrado  em  Audiologia.   Como  agora  eles  estão   reconhecendo  o  cerGficado  de   bacharel  eu  estou  em  processo  de   me  tornar  membro  da  sociedade  de   Audiologia  daqui.     Que  conselho  você  daria  a  quem   quer  reconhecer  sua  profissão  na   NZ  ?   Seja  paciente,  o  inglês  tem  que  ser   muito  bom.  Se  quiser  ser  membro  da   NZAS  vão  praGcando  o  Inglês  para  o   IELTS.  Tragam  todos  os  documentos   da  Universidade  brasileira  incluindo   o  curriculum  do  curso.  A  tradução   pode  ser  feita  aqui.  E  olhem  o   website  do  conselho  para  mais   informações.     www.audiology.org.nz     Eu  tenho  2  clínicas  em  Auckland.   Uma  especializada  em  Otoneuro   (verGgem  e  tontura)  e  a  outra  em   audição.  Se  precisar  pode  entrar  em   contato.       www.dizziness.co.nz   www.goularthearing.co.nz       A jornada para validar meu diploma!
  • STELLA  G,   Medicina     Quanto  tempo  de  experiência  no   Brasil  você  [nha  quando  decidiu   sair  do  país?   Trabalhei  no  Brasil  por  4  anos,  2   anos  em  prontos-­‐socorros  de   hospitais  públicos  e  2  anos  fazendo   residência  em  Oƒalmologia.     Você  teve  experiência  profissional   em  outro  país  antes  de  vir  para  NZ?   Não     Você  precisou    estudar  na  NZ  para   equiparar  seus  estudos  aos  daqui?   Se  sim,  por  quanto  tempo?   Precisei  estudar  por  conta  própria   para  me  preparar  para  as  provas   teórica  e  práGca  do  Conselho  de   Medicina  da  Austrália  e  da  Nova   Zelândia,  respecGvamente  (a  NZ  não   oferece  prova  teórica  para  validação   do  diploma  mas  requer  que      o   médico  tenha  passado  na   australiana,  americana,  ou  britânica,   a  fim  de  se  qualificar  para  a  prova   práGca)     Você  precisa  ter  o  registro  da  sua   profissão  na  NZ  para  trabalhar   aqui?  Se  sim,  qual  a  maior   dificuldade  em  obter  esse  registro?   Sim.  Minha  maior  dificuldade  foi   com  o  IELTS  pois  quando  mudei  para   cá,  meu  inglês  ainda  não  era  bom  o   suficiente  para  Grar  7  no  módulo  do   “wri@ng”  do  IELTS.  Fiz  a  prova  4   vezes  até  conseguir!!     Que  conselho  você  daria  a  quem   quer  reconhecer  sua  profissão  na   NZ  ?   Acompanhar  as  atualizações  do   Conselho  de  Medicina  pelo  site   www.mcnz.org.nz  sobre  o  processo   de  validação  do  diploma  pois  sempre   há  mudanças,  por  exemplo,  até  5   anos  atrás  eles  só  aceitavam  a  prova   americana,  e  no  momento  eles   suspenderam  todas  as  provas   práGcas  pois,  segundo  o  Conselho,   não  há  mercado  de  trabalho  para   médicos  estrangeiros.  Também   aconselho  fazer  o  IELTS  no  Brasil,   antes  de  mudar  para  cá,  e  se   conseguir  uma  vaga  para  a  prova  de   validação,  peçam  para  fazer  um   “observership”  no  hospital  aqui.  Isso   me  ajudou  muito.                                 Adriana  A,   Arquiteta  e  Urbanista     Quanto  tempo  de  experiência  no   Brasil  você  [nha  quando  decidiu   sair  do  país?   Quando  vim  para  a  Nova  Zelândia  já   Gnha  6  anos  de  formada.     Você  teve  experiência  profissional   em  outro  país  antes  de  vir  para  NZ?   Sim,  trabalhei  em  um  escritório  de   arquitetura  em  São  Francisco  nos   Estados  Unidos  e  quase  fui   contratada  por  uma  empresa  como   Ligh@ng  Designer  em  Lausanne  na   Suiça,  porêm  Gve  meu  visto  de   trabalho  negado  neste  país.     ARQUITETURA     Você  precisou    estudar  na  NZ  para   equiparar  seus  estudos  aos  daqui?   Se  sim,  por  quanto  tempo?   Não  precisei  de  estudos.     Você  precisa  ter  o  registro  da  sua   profissão  na  NZ  para  trabalhar   aqui?  Se  sim,  qual  a  maior   dificuldade  em  obter  esse  registro?   Em  todo  mundo,  arquiteto  precisa   de  registro.  Trabalho  como  Ligh@ng   Designer  logo  não  tenho   necessidade  do  registro  de   arquiteta,  mas  tenho  uma  alta   credencial  na  associação  dos   Ligh@ng  Designers  da  NZ  &  Australia.     Que  conselho  você  daria  a  quem   quer  reconhecer  sua  profissão  na   NZ  ?   Antes  de  mais  nada,  fale  bem  o   inglês  e  tenha  planos  a  longo-­‐prazo   de  se  estabelecer  na  Nova  Zelândia.       O  registro  de  arquiteto  não  é  fácil,   porém  possível.  Requer  tempo,   persistência  e  dedicação.  Mas  nada   impede  de  arquitetos  formados  no   Brasil  trabalharem  como  'cadistas'   por  aqui.     DIREITO   Kelly  F,   Direito     Quanto  tempo  de  experiência  no   Brasil  você  [nha  quando  decidiu   sair  do  país?   Me  mudei  para  Nova  Zelândia  um   mês  depois  da  minha  formatura,   então  não  Gve  tempo  de  adquirir   experiência  além  dos  3  anos  de   estagio  que  completei  no  Brasil.                 MEDICINA    
  • Você  teve  experiência  profissional   em  outro  país  antes  de  vir  para  NZ?   Não.       Você  precisou  estudar  na  NZ  para   equiparar  seus  estudos  aos  daqui?   Se  sim,  por  quanto  tempo?   Sim.  Estrangeiros  que  queiram   advogar  na  Nova  Zelândia  precisam   passar  por  um  “assessment  of   overseas  qualifica@on”  que   normalmente  é  feito  pelo  Legal   Council  of  Educa@on.  No  final  desse   processo  eles  me  pediram  para   cursar  varias  matérias  novamente   para  que  meu  diploma  pudesse  ser   reconhecido  na  Nova  Zelândia.  Esse   processo  levou  por  volta  de  3  anos   (estudei  um  ano  na  Nova  Zelândia,  e   depois  acabei  terminando  os  estudos   na  Austrália  já  que  me  mudei  pra  lá)     Você  precisa  ter  o  registro  da  sua   profissão  na  NZ  para  trabalhar  aqui?   Se  sim,  qual  a  maior  dificuldade  em   obter  esse  registro?     Sim.  Advogados  precisam  obter   “admission  to  the  High  Court”  para   exercer  a  profissão  na  Nova  Zelândia.   Como  citei  anteriormente,  a  maior   dificuldade  foi  ter  que  estudar  várias   matérias  novamente.       Que  conselho  você  daria  a  quem   quer  reconhecer  sua  profissão  na   NZ  ?   O  reconhecimento  do  diploma  de   direito  é  um  processo  longo,  e  só   vale  a  pena  realmente  se  não  houver   dúvidas  sobre  a  permanência  no   exterior.  É  importante  também  que   se  busque  ao  máximo  pesquisar   sobre  a  profissão  na  Nova  Zelândia   antes,  conversar  com  advogados   locais  e  ate  estrangeiros  que   passaram  pela  mesma  experiência.   Entender  o  mercado  de  trabalho  e  as   oportunidades  futuras  pode  auxiliar   muito  na  decisão  de  seguir  ou  não   com  a  profissão  no  exterior.                                     odontologia   Juliane  S,   Cirurgiã-­‐den[sta  com  especialização   em  Implantodon[a       Quanto  tempo  de  experiência  no   Brasil  você  [nha  quando  decidiu  sair   do  pais?   Trabalhei  como  denGsta  por  8  anos   no  Brasil.  Em  meados  de  2008  fiz   uma  viagem  de  turismo  pra  Austrália   que  incluiu  um  stopover  na  NZ.  Dessa   viagem  surgiu  a    ideia  de  imigrar  pra   NZ  que  só  se  concreGzou  em  2010.         Você  teve  experiência  professional   em  outro  país  antes  de  vir  pra  NZ?   Não,  nunca  vislumbrei  exercer  a   minha  profissão  em  outro  país.  A   Austrália  seria  minha  segunda  opção   por  ter  um  esquema  semelhante  de   reconhecimento  da  profissão.         Você  precisou  estudar  na  NZ  pra   equiparar  seus  estudos  aos  daqui?   Se  sim,  por  quanto  tempo?   Sim,  aproximadamente  2  anos.       Você  precisa  ter  o  registro  da  sua   profissão  na  NZ  para  trabalhar  aqui?   Se  sim,  qual  a  maior  dificuldade  em   obter  esse  registro?   DenGstas  formados  e  treinados   overseas  que  pretendem  exercer  a   profissão  na  NZ  precisam  ter  seus   diplomas  reconhecidos  pelo  NZDC  -­‐   New  Zealand  Dental  Council,  órgão   equivalente  ao  conselho  de   odontologia  no  Brasil.  Esse   reconhecimento  é  feito  através  de   um  processo  que  inclui  avaliação  de   documentos,  prova  de  proficiência     de  inglês,  exames  escritos  e  práGcos/ clínicos.  Tal  processo  pode  ser   custoso  (  traduções  juramentadas  de   documentos,  inscrição  para  exames   etc)  e  longo  (aproximadamente  2   anos  considerando  que  passe  em   todos  na  primeira  tentaGva),  já  que   os  exames  são  oferecidos  em  datas   especificas,  em  geral  duas  vezes  ao   ano.         Que  conselho  você  daria  a  quem   quer  reconhecer  sua  profissão  na   NZ?   Primeiramente,  mantenha  seu  inglês   ao  nível  desejado  pelo  teste  de   proficiência.     O  processo  muda  de  tempos  em   tempos.  Houveram  significantes   mudanças  desde  que  obGve  o   registro  em  2010.  O  site   www.dcnz.org.nz  é  o  ponto  de   parGda  fundamental  pra  quem   esGver  interessado  em  abraçar  esse   projeto.                                     Patrícia  B,   Pedagogia  e  pós-­‐graduada  em   Dificuldades  de  aprendizagem  na   infância  e  adolescência,  na  área  de   psicologia.         Quanto  tempo  de  experiência  no   Brasil  você  [nha  quando  decidiu  sair   do  país?   Trabalhava  de  dia  e  estudava  a  noite.   Trabalhei  no  Brasil  de  professora  de   educação  infanGl  por  quase  dez  anos.         EDucação   “O reconhecimento do diploma de direito é um processo longo, e só vale a pena realmente se não houver dúvidas sobre a permanência no exterior”
  • Você  teve  experiência  profissional   em  outro  país  antes  de  vir  para  NZ?   Trabalhei  como  professora   voluntaria  para  o  Salvarion  Army  nos   Estados  Unidos  enquanto  meu   registro  de  professora  ficava  pronto.     Você  precisou  estudar  na  NZ  para   equiparar  seus  estudos  aos  daqui?   Se  sim,  por  quanto  tempo?   Tive  que  conseguir  fazer  um  curso  de   um  ano  de  especialização    (ECE  Early   Childwood  Educa@on)  para  conseguir   equiparar  meu  curso.       Você  precisa  ter  o  registro  da  sua   profissão  na  NZ  para  trabalhar  aqui?   Se  sim,  qual  a  maior  dificuldade  em   obter  esse  registro?   Sim,  infelizmente  Gve  muita  dor  de   cabeça  com  o  reconhecimento  do   meu  curso,  foram  quase  três  anos  de   batalha,  muito  dinheiro  gasto  e  um   ano  de  especialização  para  poder  ter   meu  registro.  O  registro  de  professor   é  válido  por  três  anos  e  o  primeiro   que  você  recebe  é  um  provisório   (Provisional  Registra@on)  e  durante   os  dois  primeiros  anos  de  registro  se   é  esGmulado  a  Grar  o  registro   permanente,  que  lhe  é  concedido   apos  a  preparação  de  um  por†olio   com  reflec@ons  sobre  vários  tópicos   baseados  na  orientação  do  próprio   Teachers  Council       Que  conselho  você  daria  a  quem   quer  reconhecer  sua  profissão  na   NZ  ?   A  minha  sugestão  para  quem  quer   reconhecer  sua  profissão  aqui  na   nova  Zelândia  é  conversar  com  muita   gente.  Tentar  conhecer  o  campo  de   trabalho,  voluntariar,  e     nunca  desisGr.  Para  uns  a  sorte  é   maior  e  para  outros  é  necessário   aprender  um  pouquinho  mais.                                   Mariege  S,   Ciências  Contábeis     Quanto  tempo  de  experiência  no   Brasil  você  [nha  quando  decidiu  sair   do  país?   Eu  Gnha  exatamente  9  anos  de   experiência  na  área  contábil.       Você  teve  experiência  profissional   em  outro  país  antes  de  vir  para  NZ?   Não.     Você  precisou  estudar  na  NZ  para   equiparar  seus  estudos  aos  daqui?   Se  sim,  por  quanto  tempo?   Sim  foi  preciso  estudar  algumas   matérias  como  direito  tributário,   direito  comercial,  demonstrações   contábeis.  É  possível  concluir  em  1   ano.       Você  precisa  ter  o  registro  da  sua   profissão  na  NZ  para  trabalhar  aqui?     contabilidade   Se  sim,  qual  a  maior  dificuldade  em   obter  esse  registro?   Dependendo  do  cargo  que  você  quer   alcançar  na  área  contábil  aqui  na   Nova  Zelândia,  não  é  preciso  ter  o   registro  de  contador.  Porém  se  você   deseja  trabalhar  em  cargos  como   coordenação  ou  gerência   provavelmente  será  necessário.     Para  obter  o  registro  é  preciso  passar   por  um  longo  processo  que  em   resumo  começa  com  a  matricula  com   o  órgão  Chartered  Accountants   Australia  and  New  Zealand  e   pagamento  da  taxa  que  varia  e  é  a   parGr  de  $1,748,  e  claro  uma  prova   bem  avançada  e  finalmente  3  anos   de  experiência.           Que  conselho  você  daria  a  quem   quer  reconhecer  sua  profissão  na   NZ  ?   O  órgão  que  fará  o  reconhecimento   do  seu  diploma  é  o  NZQA  o  custo  é  a   parGr  de  NZ$746.  Esteja  atualizado   com  os  documentos  exigidos  e  os   processos  envolvidos.  Porem,  você   não  precisa  passar  por  esse  órgão   para  se  matricular  num  curso   superior  ou  pós-­‐graduação,  você   pode  aplicar  direto  com  a  faculdade   que  escolher  e  eles  podem  aceitar   seu  diploma.   QUER  RECONHECER  SEU  DIPLOMA?   Alguns  websites  com  informações   essenciais  para  quem  quer   reconhecer  seu  diploma  na  Nova   Zelândia:   www.workingin-­‐newzealand.com   www.immigraGon.govt.org.nz   www.nzvisto.com   www.nzqa.co.nz         .  
  • Immigration Connections Por  Peterson  Fabrício   O  website  da  imigração  neozelandesa  deve  ser  o  seu   melhor  amigo.  Nele  tem  muitas  informações  úteis  e   provavelmente  todas  as  respostas  das  suas  perguntas  em   relação  a  vistos,  tudo  o  que  você  precisa  saber.  Meu   papel,  como  consultor  de  imigração,  é  te  ajudar  a  achar   qual  sua  melhor  possibilidade  de  vistos  e  te  auxiliar  na   solicitação  dos  mesmos.       No  site  da  imigração  (www.immigraGon.govt.nz)  você   encontra  listas  de  profissões  que  estão  em  demanda  por   aqui.  Para  profissionais  de  uma  área  que  está  na  Long   Term  Skill  Shortage  List  é  possível  solicitar  diretamente  o   visto  de  residência  pela  categoria  Skilled  Migrant   (Imigrante  Qualificado)  conhecida  como  SMC  ou  se  não   Gver  a  pontuação  mínima  requerida,  poderá  solicitar  um   visto  de  trabalho,  como  o  Work  to  Residence,  nessa   categoria  de  visto  existem  algumas  variações:   Se  o  profissional  está  na  LTSSL  -­‐  Long  Term  Skill  Shortage   List,  pode  solicitar  o  visto  na  sub-­‐categoria:     Work  to  Residence  (Long  Term  Skill  Shortage  List)  é   necessário  uma  oferta  de  trabalho  para  uma  profissão  da   listagem  LTSSL,  formação  e  experiência  de  trabalho  na   área.  O  diferencial  dessa  categoria  é  que  o  empregador   não  tem  que  comprovar  que  tentou  recrutar  alguém  que   já  tenha  permissão  de  trabalho  na  Nova  Zelândia,  já  que   existe  demanda  comprovada  desses  profissionais  no  país.   Outro  ponto  posiGvo  dessa  categoria  é  que  o  solicitante   recebe  um  visto  de  trabalho  com  duração  de  30  meses  e   após  24  meses  trabalhando  com  esse  visto,  poderá   solicitar  a  residência,  através  de  uma  outra  categoria  que   não  depende  de  pontos,  o  Residence  from  Work  (Long   Term  Skill  Shortage  List),  desde  que  o  solicitante   conGnue  a  ter  os  requisitos  que  Gnha  quando  pediu  o   visto  de  trabalho  inicial.     Vejo  muitos  clientes  que  preferem  essa  categoria,  pois   após  estar  trabalhando  em  um  skilled  employment  por   mais  de  12  meses,  o  empregador  pode  escrever  uma      carta  para  fins  de  comprovações  de      habilidade  na  língua,         Peterson Fabrício é paulista e vive na Nova Zelândia desde 2003. Em 2013 Peterson tirou sua licença como Immigration Adviser e montou a NZ Visto para dar consultoria na aplicação de vistos. www.nzvisto.com Algumas  profissões  estão  em  alta  demanda  na  Nova  Zelândia,  para  esses   profissionais,  possibilidades  de  vistos  são  mais  fáceis  já  que  eles  trazem   uma  mão  de  obra  qualificada  que  o  país  precisa,  veja  os  caminhos:   e  dessa  forma  evita  ter  que  fazer  o  IELTS  [teste  de   proficiência  na  língua  inglesa],  porém  é  importante   ressaltar  que  a  imigração  se  reserva  ao  direito  de  solicitar   o  IELTS  caso  eles  julguem  necessário.   Outra  sub-­‐categoria  do  visto  Work  to  Residence,  são  para   pessoas  que  vão  trabalhar  para  uma  empresa  que  é  um   Accredited  Employer  (você  pode  ver  uma  lista  com  as   empresas  aprovadas  como  Accredited  Employers  no  site   da  Imigração  neozelandesa)       Para  o  solicitante  de  visto  que  for  trabalhar  para  uma   empresa  que  é  Accredited,  é  possível  conseguir  o  visto   Work  to  Residence,  e  após  os  24  meses  solicitar  a   residência,  da  mesma  forma  citada  anteriormente.     Além  de  não  ter  que  comprovar  o  IELTS,  diferentemente   da  Residência  via  Skilled  Migrant,  não  é  necessário  fazer   o  reconhecimento  do  diploma  através  do  NZQA,  apenas   traduções  dos  diplomas  e  cerGficados  de  formação  na   área  são  o  suficientes,  juntamente  com  as  cartas  de   referência  que  comprovem  a  experiência  de  trabalho  na   área.     Mas  para  aqueles  que  têm  uma  profissão  que  não  esteja   na  listagem  LTSSL,  ou  não  possua  uma  oferta  de  trabalho   de  um  empregador  que  é  Accredited,  existe  uma  outra   possibilidade  –  solicitar  o  visto  de  trabalho  na  categoria:   Work  Visa  –  Essen=al  Skills  o  importante  nessa  categoria   é  ter  uma  oferta  de  trabalho  em  uma  área  que  você  tenha   formação  e/ou  experiência  de  trabalho  e  o  empregador   deve  comprovar  que  se  esforçou  em  recrutar  alguém  que   já  tenha  permissão  de  trabalho,  veja  maiores  detalhes  e   fale  comigo  através  do  site:  www.nzvisto.com    
  • Por  Peterson  Fabrício  Português para crianças Se você mora em Auckland, tem filhos entre 3 e 8 anos e gostaria que eles praticassem o português, as matrículas para o segundo bimestre de 2015 do CPBC - Curso de Língua Portuguesa e Cultura Brasileira para Crianças já estão abertas.! ! O curso existe há 3 anos e conta com professoras qualificadas em Letras e Psicopedagogia com experiência em educação bilíngue. O curso também oferece alfabetização e letramento.! ! Para mais informações:! lorenacp34@hotmail.com!
  • exercício, esporte, desempenho e estilo de vida saudável ! A Parte 2: Aventuras Brasileiras no Surf e Kitesurfing na Nova Zelândia! Apesar  da  historia  do  surf  começar  a  séculos  atrás,  a   historia  moderna  do  surf  começou  com  a  primeira   compeGção  de  surf  organizada  pela  Associação   Internacional  de  Surf  em  Manly  na  Austrália  em  1964.  No   Brasil,  o  esporte  é  popular  nas  cidades  litorâneas,  mas  a   coroação  do  primeiro  brasileiro  campeão  mundial  de  surf,   Gabriel  Medina  em  2014,  poderá  levar  o  esporte  a  voos   ainda  mais  altos  no  Brasil.       Foto: Duda Hawaii
  •     O  surf  é  um  esporte  muito  popular  na  Nova  Zelândia   apesar  do  país  ainda  não  ter  produzido  um  campeão  ou   campeã  mundial.  Grande  parte  das  praias  tem  água  fria,  o   que  mesmo  no  verão  pode  ser  um  desafio  para  os   brasileiros  acostumados  com  algumas  águas  mornas  das   praias  no  Brasil.  Leko  de  Souza,  34  anos,  local  do  Guarujá   (litoral  de  São  Paulo),  é  um  brasileiro  que  mora  na  NZ  há  9   anos  e  praGca  tênis  e  surf.  O  Surf  não  é  praGcado  com  a   frequência  que  ele  gostaria  pois  não  consegue  se   acostumar  com  a  temperatura  da  água.  Relata  que   grande  parte  do  ano  muitos  usam  roupa  de  borracha,  mas   algo  que  ele  não  esta  acostumado  devido  a  falta  de   necessidade  do  seu  uso  quando  morava  no  Brasil.  Cresceu   surfando  horas  todos  os  dias,  mas  nunca  precisou  de   roupa  de  borracha,  o  que,  para  alguns,  pode  dar  uma   sensação  de  limitação  de  movimento  durante  a  práGca.         Já  os  kiwis  surfam  o  ano  todo,  o  que  muda  é  a  espessura   da  roupa  de  borracha  uGlizada.  De  acordo  com    Leko,  a   NZ  oferece  um  dos  cenários  naturais  mais  bonitos  do   mundo  e  oferece  mais  oportunidades  para  a  práGca  de   esportes  que  seriam  mais  diˆceis  de  se  praGcar  no  Brasil.   No  inverno,  sempre  que  é  possível  ele  gosta  de  praGcar  o   snowboard,  aGvidade  inexistente  no  Brasil  devido  a  falta   de  neve  e  também  a  pesca  que  muitas  vezes  no  Brasil  não   é  possível  de  ser  praGcada  dependendo  de  onde  a  pessoa   mora.       Já  a  historia  do  kitesurf  possui  algumas  vertentes.  Alguns   dizem  que  o  chineses  já  usavam  o  kitesurf  como  meio  de   transporte  no  século  13,  outros  defendem  que  o  esporte   foi  criado  pelos  irmãos  franceses  Dominique  e  Bruno   Legaignoux  por  terem  inventado  o  primeiro  kite  inflável   em  1984.  Ao  mesmo  tempo  em  Oregon  nos  EUA,  Cory   Roeseler  desenvolveu  um  kiteski  juntamente  com  seu  pai   que  mais  tarde  em  1994  começou  a  ser  comercializado.                             Os  gaúchos  Daniel  Heinen,  36,  e  Poliana  Borges,  33,  que   já  moram  na  NZ  há  aproximadamente  8  anos,  veem  a  NZ   como  um  pais  que  te  dá  mais  oportunidade  para  fazer   aGvidades  diferentes,  que  no  Brasil  são  muitas  vezes  mais   diˆceis,  devido  a  logísGca  e  ao  custo  dos  equipamentos.   Poliana,  quando  no  Brasil,  sempre  jogou  futebol  e   handball  e  sempre  frequentou  academias,  já  Daniel  não   Gnha  uma  roGna  de  exercício,  mas  ambos  sempre   sonhavam  com  a  possibilidade  de  praGcar  o  kitesurf.   Chegando  na  Nova  Zelândia,  eles  compraram  os   equipamentos  e  contam  que  Gveram  muitas  dificuldades   e  até  classificam  o  kitesurf  como  um  esporte  bem   perigoso  que  deve  ser  feito  com  a  orientação  de  um   profissional.                             “Eles  tentaram  aprender  sozinhos,  a   custo  de  muitos  tombos  e  só   conseguiram  aprender   corretamente  e  de  forma  segura   após  fazerem  um  curso  com  um   instrutor  da  modalidade.   Aconselham  que  ninguém  deveria   fazer  o  que  eles  fizeram,  de   comprar  o  equipamento  e  tentar   aprender  sozinhos  pois  o  risco  de   lesões  é  al^ssimo.”   Foto: Norrie Montgomery
  • Outro  ponto  interessante  levantado   por  eles  é  que  a  diversidade  cultural   da  NZ  permite  oportunidades  únicas   de  experimentar  esportes  que  são   pouco  populares  no  Brasil,  como   cricket,  squash  entre  outros.   Recentemente  o  centro  de   treinamento  de  ciclismo  da  NZ  foi   construído  na  Ilha  Norte  e  permite  a   comunidade  acesso  à  uma  infra   estrutura  de  primeiro  mundo  que  é   uGlizada  por  todos  os  atletas  de  alto   rendimento  relacionados  a  bicicleta   da  NZ.  Poliana  relata  que  no  final  do   ano  passado  teve  uma  oportunidade   única  de  pedalar  no  velódromo  em   um  evento  de  integração  entre   funcionários  na  empresa  em  que   trabalha,  oportunidade  que  nunca   teria  no  Brasil.     Ambos  consideram  que  a  cultura   neozelandesa  esGmula  as  pessoas  a   serem  aGvas  e  fornecem  estrutura  e   espaço  para  essas  aGvidades   acontecerem.  Hoje  Daniel  faz   academia  e  a  Poliana  faz  academia  e   futebol,  mas  o  kitesurf  é  a  paixão  dos   dois  e  o  praGcam  sempre  no  verão!       Camila Nassif é mineira e mora na NZ desde 2009. Doutoura em Ciência do Exercício pela Charles Sturt University, Austrália, presta consultoria científica na área de Alimentação, Exercício, Esporte e Estilo de vida saudável. Contato: scienceas . health@gmail.com Foto Poliana com as "asas" do Kite (Foto por Dani Heinen Fotos do Dani no Kite Surf (Arquivos GoPro Dani Heinen) .   Gostaríamos  de  lançar  aqui  o  seção  Pergunte  ao  Expert!  Se  você  Gver  alguma  dúvida  na  área  de   saúde,  exercício,  aGvidade  ˆsica  ou  nutrição  como  por  exemplo:  Será  que  todos  deveriam  se  tornar   Gluten  Free?  Qual  o  exercício  ideal  para  manter  a  saúde?  Manteiga  ou  Margarina?  Mande  suas   perguntas  para  o  email  revista.mba.markeGng@gmail.com  e  suas  perguntas  serão  respondidas  nas   próximas  edições!      
  • Projeto  Tutakitaki   Espaço da Embaixada A Embaixada do Brasil em Wellington teve o prazer de receber a todos para as apresentações do TUTAKITAKI, um projeto musical que promove o encontro das músicas brasileira e maori.  Desenvolvido pela cantora brasileira Alda Rezende (na nossa capa nessa edição) e pelo músico maori Matiu Te Huki, ambos de Wellington, em parceria com os talentosos músicos brasileiros visitantes Caíto Marcondes e Kristoff Silva, o projeto explora os sons e os instrumentos de Aotearoa e do Brasil em composições feitas em Te Reo Maori, línguas indígenas brasileiras, português e inglês. Os 6 shows ao redor do país foram um sucesso absoluto! Foto: Apresentação do Projeto Tutakitaki em Wellington
  • RECEITA Feijão Tropeiro Brasileiro  que  se  preze  sempre  tem  feijão  em  casa  mesmo   que  não  seja  todo  dia.       Para  aqueles  que  gostam  de  dar  uma  incrementada,  pode   tentar  fazer  o  feijão  tropeiro.  O  ideal  é  que  se  cozinhe  o   feijão  “from  scratch”,  do  comecinho  mesmo.  Comprar  um   feijão  mulaGnho  (aqui  na  Nova  Zelândia  é  super  fácil   achar  feijão  em  lojas  de  produtos  indianos,  em  grandes   supermercados  e  em  lojas  de  produtos  orgânicos)  e   cozinhar  na  panela  de  pressão.  MAS,  se  for  díficil,  ou  for   um  daqueles  dias  que  você  quer  comer  feijão  e  não  tem   muito  tempo  para  cozinhar,  você  pode  comprar  uma   laGnha  de  feijão  (o  Pinto  Beans  da  Ceres  Organics  são   óGmos),  escorrer  e  lavar  o  líquido  e  cozinhar  com    os   outros  ingredientes.               Ingredientes:       500g  de  feijão  carioquinha  cozido   200g  de  toucinho  (procure  por  lard  no  supermercado  ou   açougue)     1  concha  de  óleo   1  cebola  média  picada   4  dentes  de  alho   5  ovos   1  colher  de  sopa  de  sal  com  alho   Cheiro  verde  (cilantro,  cebolinha)  a  gosto   200g  de  farinha  de  mandioca     Modo  de  preparo:       Coloque  o  óleo  em  uma  panela  e  doure  a  cebola,  acrescente  o   bacon  e  frite  bem;   Adicione  o  alho,  sal  e  os  ovos,  misturando  com  cuidado  para   que  não  se  despedacem  muito   Refogue  o  feijão,  baixe  o  fogo,  misture  a  farinha  aos  poucos  e   o  cheiro  verde  
  • O que valoriza seu imóvel     •  Cozinha: o mais importante na lista de um comprador. Uma cozinha bem planejada, moderna com bastante espaco; •  Banheiro: nada de sinal de mofo, azulejo ou piso trincado! O banheiro é muito importante e tem que estar limpo e arrumado; •  Área de lazer: muito importante ter fácil acesso da cozinha e sala para o seu quintal. Nós chamamos aqui de indoor/outdoor flow. Abrir as portas para o jardim, ter um local gramado e seguro cercado para as criancas brincarem, prioridade na Nova Zelândia. Se preciso adicione uma bi-fold door (porta dupla) •  Decoração: pinte de cores neutras se precisar. Uma cor clara pode fazer maravilhas na casa dando mais claridade O que evitar numa reforma     •  Tente fazer só o cosmético. Evite fazer qualquer coisa que comprometa a estrutura da casa e necessite permissao da prefeitura (Council), o que além de ser caro pode ser muito estressante também. •  Piscina. Além de ser caro, muitos compradores evitam comprar uma casa com piscina por causa da manutenção   Pensando em fazer melhorias na casa antes de vender?   Lembre-se: Consulte a prefeitura para verificar a necessidade de consent (permissão) ou não.  
  • www.facebook.com/sweetslices www.sweetslices.co.nz Let us create your dream cake
Please download to view
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
...

Revista MBA Abril 2015 Edição 009

by mundo-brasileiro-aotearoa

on

Report

Category:

Documents

Download: 0

Comment: 0

212

views

Comments

Description

Revista MBA, a revista dos brasileiros na Nova Zelândia
Download Revista MBA Abril 2015 Edição 009

Transcript

  • Que  começo  de  mês  fabuloso  para  os  brasileiros  na  Nova  Zelândia.   Os  seis  shows  do  Projeto  Tutakitaki,  que  une  música  brasileira  e   maori  num  palco  só,  foram  um  sucesso.  Um  show  tão  criaGvo  e   poderoso,  com  músicos  tão  especiais  e  mulGculturais  que  nós  não   resisGmos  à  chance  de  ter  a  talentosa  cantora  brasileira  Alda   Rezende  na  nossa  capa.  Alda  mora  em  Wellington,  capital  da  Nova   Zelândia,  há  11  anos  e  vem  encantando  o  país  com  sua  voz   poderosa  e  marcante.       Também  estamos  animados  com  a  vinda  da  seleção  brasileira  de   Sub-­‐20  para  a  Copa  do  Mundo  que  acontece  na  Nova  Zelândia  em   maio  e  junho.  A  gente  foi  conversar  com  Dave  Beeche,  CEO  do   comitê  de  organização  local  que  contou  para  gente  das   expectaGvas  para  a  Copa  e  como  o  país  tem  se  preparado  para   receber  os  jogos.  No  grupo  do  Brasil  estão  Nigéria,  Hungria  e  Coréia   e  nosso  grupo  abre  a  Copa  no  famoso  Stadium  Taranaki.  Será  que   esse  troféu  a  gente  leva  para  casa?       E  falando  em  voar  para  casa,  a  aclamada  Air  New  Zealand  começou   a  vender  suas  passagens  para  a  América  do  Sul.  A  no^cia  foi   recebida  com  muito  entusiasmo  por  toda  a  América  LaGna.  Para   aqueles  que  já  viajaram  em  longos  trechos  com  a  Air  NZ,  sabe  que  o   conforto,  pontualidade  e  serviços  impecáveis  vão  ser  um  grande   ponto  de  diferença  na  hora  de  voar  para  casa.  Nós  conversamos   com  Imogen  Dennis,  Coordenadora  de  Comunicação  CorporaGva  da   Air  New  Zealand,  que  nos  falou  o  quanto  eles  estão  animados  em   voar  para  Buenos  Aires  e  dos  seus  planos  de  expansão  para  o  resto   da  América  do  Sul.       Ainda  nessa  edição,  uma  matéria  especial  sobre  validação  de   diplomas  brasileiros.  A  trajetória  de  alguns  profissionais  (médico,   professor,  advogado,  engenheiro,  contador,  arquiteto,   fonoaudiólogo  e  denGsta)  em  reconhecer  seus  diplomas  e  trabalhar   na  sua  área  aqui  na  Nova  Zelândia.       Na  coluna  “ImmigraGon  Society”,  Peterson  Fabrício  fala  sobre  os   vistos  para  profissionais  qualificados    e  em  “Exercício,  Esporte,   Desempenho  e  EsGlo  de  Vida  Saudável”,  nossa  colunista  Camila   Nassif  fala  do  Surf  e  Kitesurf  na  Nova  Zelândia  e  da  experiência  dos   brasileiros  praGcando  esses  esportes  em  terras  kiwis.     Espero  que  todos  tenham  Grado  os  casacos  e  edredons  do  armário,   por  que  depois  de  um  verão  fabuloso  (aparentemente  o  melhor  da   década),  o  frio  já  começou  a  dar  as  caras  e  mandou  avisar  que  virá   com  força  total!     Grande  abraço,   ���   Cristiane Diogo MBA Abril– Edição 9 Nº3/2015 WWW.REVISTAMBA.CO.NZ Editorial��� EDIÇÃO   CrisGane  Diogo     DIAGRAMAÇÃO   CrisGane  Diogo   Vera  Padilha     COLUNAS   Peterson  Fabricio   Camila  Nassif     FOTOGRAFIA   Rafael  Bonalo   Duda  Hawaii   Eugenio  Sávio   Norrie  Montgomery     CAPA   Vera  Padilha     PARA  ANUNCIAR   revista.mba.markeGng@gmail.com     COLABORADORES  Abril  2015   Silvana  Rooney  -­‐  Vera  Padilha   Jorge  Ferreira  -­‐  Imogen  Dennis   Gordon  Irving     AGRADECIMENTO  Abril  2015   Alda  Rezende     Dave  Beech  -­‐  Rodrigo  Duarte   Lisa  Goulart  -­‐  Stella  Goulart   Adriana  Arruda  -­‐  Kelly  Forbes   Patrícia  Barbosa  -­‐  Juliane  Smith   Mariete  dos  Santos  –  Leko  de  Souza   Daniel  Heinen  -­‐    Poliana  Borges         A Revista MBA é uma publicação independente com a finalidade de informar a comunidade brasileira da Nova Zelândia e dilvulgar produtos e serviçoes que sejam do interesse dessa comunidade. A versão online desta publicação é gratuita. É proibida qualquer reprodução impressa ou digital, cópia do conteúdo, matérias, anúncios ou elementos visuais, bem como do projeto gráfico apresentados na Revista MBA com base na LEI DE DIREITOS AUTORAIS Nº 9.610, DE 19 DE FEVEREIRO DE 1998, com respaldo internacional.
  • MBA Brasil na Nova Zelândia Conteúdo ALDA REZENDE [4]   AIR NEW ZEALAND Uma das melhores companhias aéreas do mundo voando para a América Latina IMMIGRATION CONNECTIONS Vistos para profissionais qualificados COPA DO MUNDO DE FUTEBOL SUB-20 NZ com gosto de futebol VEJA AINDA… RECEITA [30] ESPAÇO EMBAIXADA [29] [10]   [24]  [14]   VALIDANDO SEU DIPLOMA BRASILEIRO [17]   EXERCICIO E SAUDE Surf e kitesurf na NZ [26]   Organização: Apoio: WWW.MAMAEBRASILEIRAAOTEAROA.CO.NZ  
  • A BRAZIL EXPRE! É UM ELO DE UMA GRANDE CO"ENTE CHAMADA MERCADO NOSTALGIA FORMADO POR PE!OAS E EMPRESAS QUE SE DEDICAM COM ORGULHO A PRESERVAÇÃO DOS HÁBITOS E COSTUMES DA PÁTRIA MÃE . AGORA NÓS ESTAMOS INOVANDO! VOCÊ ENCOMENDA E NÓS TRAZEMOS DO BRASIL! A  ARKE  é  nossa  mais  nova  parceira  comercial  na  Oceania  e   você  pode  encomendar  a  sua  churrasqueira  a  gás  ou   elétrica    agora  mesmo.     Experimente  dar  um  breve  passeio  nos  sites  da  MIOLO,  CASA  VALDUGA,   AURORA,  CAVE  GEISE  e  tantas  outras  vinícolas  brasileiras,  ou  simplesmente,   digitar  no  Google  “vinhos  brasileiros  premiados”      Você  vai  se  surpreender!       Aqui  temos  dois  exemplos  de  vinhos  premiados  aqui  na  Nova  Zelândia,     Miolo  Tannat  e  Quinta  do  Seival.      
  • Do Brasil para a Nova Zelândia A  Nova  Zelândia  fica  no  Oceano  Pacífico,  a  cerca  de  2.000  km  do  leste  da   Austrália.  O  país  é  mais  ou  menos  do  tamanho  do  Estado  de  São  Paulo,  e   seu  território  é  composto  de  duas  ilhas  principais:  a  Ilha  do  Norte  e  a  Ilha   do  Sul.  Com  uma  população  de  aproximadamente  4,3  milhões  de   habitantes,  a  Nova  Zelândia  é  um  dos  países  menos  povoados  do  mundo.       Mesmo  sendo  tão  pequena  e  tão  distante,  a  Nova  Zelândia  atraiu  e  atrai   milhares  de  brasileiros  todos  os  anos.  Voos  diretos  regulares  entre  a   América  LaGna  e  a  Nova  Zelândia  saem  de    SanGago  e  levam   aproximadamente  de  doze  a  catorze  horas  para  chegar.       A  novidade  é  que  a  Air  New  Zealand,  a  companhia  área  neozelandesa   considerada  uma  das  melhores  e  mais  seguras  do  mundo  e  ganhadora  de   diversos  prêmios  mundiais,  começou,  em  março  de  2015,  a  vender   passagens  para  voar  diretamente  a  Buenos  Aires  três  vezes  por  semana  a   parGr  de  1  de  dezembro  2015.     Para  entender  melhor  o  que  muda  nas  nossas  opções  para  voar  da  e  para   a  Nova  Zelândia,  a  gente  conversou  com  a  Silvana  Rooney,  agente  de   viagens  da  House  of  Travel  Parnell  e  com  a  Imogen  Dennis,  Coordenadora   de  Comunicação  CorporaGva  da  Air  New  Zealand.        
  • S Se  você  mora  na  Nova  Zelândia  ou  já  veio  visitar  esse   lindo  país,  você  provavelmente  sabe  que  foram  muitas   horas  para  chegar  aqui.  Às  vezes  três  aeroportos  e  três   voos  longos.  Então,  quando  a  Air  New  Zealand  anunciou   no  ano  passado  que  começaria  a  voar  para  a  ArgenGna   diretamente,  essa  no^cia  foi  recebida  muito   calorosamente.     Desde  Junho  de  2012,  quando  a  Aerolineas  ArgenGnas   parou  suas  operações  para  a  Nova  Zelândia  devido  à   inviabilidade  dos  preços  do  combus^vel,  os  brasileiros   que    querem  vir  para  a  Nova  Zelândia  contavam   principalmente  com  a  LanChile.     Silvana  Rooney,  agente  de  viagens  da  House  of  Travel   Parnell  em  Auckland  diz  que  além  da  rota  via  SanGago  no   Chile  (Brasil-­‐SanGago-­‐NZ),  brasileiros  também  vem  para  a   Nova  Zelândia  através  de  Dubai  (Brasil-­‐Dubai-­‐Australia-­‐ NZ)  ou  através  dos  Estados  Unidos  (Brasil-­‐Los  Angeles-­‐ NZ).     De  acordo  com  Imogen  Dennis,  Coordenadora  de   Comunicação  CorporaGva  da  Air  New  Zealand,  eles   Gnham  há  muito  tempo  interesse  em  explorar  a  América   do  Sul.  Como  Buenos  Aires  é  uma  das  cidades  mais   populares  da  América  do  Sul,  eles  viram  como  um  desGno   atraente  e  um  ponto  de  parGda  conveniente  para  o  resto   do  conGnente.  “Nós  também  estamos  ansiosos  para   receber  mais  turistas  sul-­‐americanos  para  a  Nova   Zelândia,  uma  vez  que  começaremos  a  operar  o  nosso   serviço  direto  de  Buenos  Aires  para  Auckland  em  1  de   Dezembro  de  2015”  disse  Imogen.  Os  voos  da  Air  New   Zealand  sairão  todas  as  terças,  sextas  e  domingos.     Mas  a  pergunta  que  não  quer  calar  é:  E  o  Brasil?  Será  que   a  Air  New  Zealand  tem  planos  de  voar  para  o  nosso  país   diretamente?  Infelizmente  não.  De  acordo  com  Imogen,   eles  não  tem  planos  atuais  para  operar  para  o  Brasil,  no   entanto,  irão  comparGlhar  voos  com  a  Aerolíneas   ArgenGnas  entre  Buenos  Aires  e  São  Paulo,  Rio  de   Janeiro,Belo  Horizonte,  Brasília  e  CuriGba.     Os  voos  da  Air  New  Zealand  serão  operados  por  uma   aeronave  Boeing  777-­‐200,  oferecendo  a  sua  premiada   Business  Class  com  assentos  que  deitam  completamente,   a  confortável  Premium  Economy  com  mais  espaço  e  o   design  único  do  Sky  Couch  como  mais  uma  opção  da   classe  econômica.    O  que  isso  significa  para  nós,  pobres   mortais  que  não  podem  voar  de  primeira  classe,  é  que   temos  a  possibilidade  de  deitar  e  esGcar  as  pernas.  A   chamada  “Cuddle  Class”  (Classe  do  Carinho)  só  tem   recebido  elogios  de  quem  viajou  nela.  O  apoio  dos  pés   sobe  completamente  e  a  companhia  área  fornece  um   edredom  para  que  você  faça  forre  o  assento.       Alguém  animado  a  tentar?       Foto: Sky Couch Air New Zealand .  
  • Fale com os brasileiros da Nova Zelândia Tem algo a falar para essa imensa comunidade verde e amarela vivendo em terras kiwis? Conte conosco para passar sua mensagem para os milhares de brasileiros da Nova Zelândia. Nós estamos aqui! Anuncie: revista.mba.marketing@gmail.com
  • inte e quatro equipes competem ao longo de 21 dias que estão sendo apontados como o maior espetáculo do futebol jamais visto na Nova Zelândia.   Esse é o cenário em que a Copa do Mundo de Futebol Sub-20 2015 decola no North Harbour Stadium no dia 30 de maio.   Este evento é classificado como o segundo evento masculino mais importante da FIFA que esteve por trás da Copa do Mundo sênior que aconteceu no Brasil e foi vencido pela Alemanha há menos um ano. A 20ª edição do torneio de Sub-20 irá incluir algumas das potências futebolísticas mundiais desde os latino americanos Brasil e Argentina até a Alemanha, que irá liderar o ataque Europeu. A Copa Sub-20 tem sido uma plataforma de lançamento para alguns dos maiores talentos do futebol, incluindo Diego Maradona, Lionel Messi, Ronaldinho e o sucesso da Copa do Mundo de 2014 no Brasil, James Rodriguez da Colômbia. V! Por Gordon Irving para MBA Foto: Troféu da Copa Sub-20 viajando pela Nova Zelândia, foto promocional FIFA
  •     O  CEO  (Diretor  ExecuGvo)  do  comitê   de  organização  local,    Dave  Beeche   diz  que  os  neozelandeses   provavelmente  vão  ver  a  próximo   talento  no  mundo  do  futebol  surgir   durante  os  meses  de  maio  e  junho.       "Você  pode  ter  certeza  que  haverão   jogadores  compeGndo  na  Nova   Zelândia  que  serão  manchete  do   futebol  mundial  nos  próximos  anos.   Quem  será,  nós  não  sabemos  ainda,   mas  se  você  olhar  para  trás  em   1999,  quando  a  copa  sub-­‐17  foi   realizada  aqui,  Gvemos  jogadores   como  Landon  Donovan  dos  EUA  e   Michael  Essien,  de  Gana,  que   passaram  a  jogar  para  Chelsea  e  Real   Madrid.  ”     Neozelandeses  nunca  ganharam  um   jogo  deste  nível,  mas  Dave  Beeche   diz  que  o  sucesso  do  torneio  não  vai   depender  da  Nova  Zelândia  avançar   da  primeira  fase.       "Nós  gostaríamos  de  ver  Nova   Zelândia  se  classificar  na  primeira   fase  dos  grupos  e  eu  sei  que  esse  é  o   objeGvo  do  Gme  e  dos  técnicos.”       "No  entanto,  não  é  essencial,  sob  a   perspecGva  do  torneio,  que  isso   aconteça.  Nova  Zelândia  já  sediou   dois  torneios  da  FIFA  em  1999  e   2008,  quando  foi  realizada  aqui  o   sub-­‐17  masculino  e  feminino.  Em   nenhuma  das  ocasiões  a  Nova   Zelândia  se  qualificou  na  fase  de   grupos  e,  no  entanto,  ambos  os   eventos  foram  de  um  enorme   sucesso,  tanto  por  parte  do  público   da  Nova  Zelândia  que  compareceu   em  grande  número  para  assisGr   futebol  de  primeira  classe  quanto   para  a  FIFA.  A  final  do  sub-­‐17   masculino  em  1999  teve  seus   ingressos  esgotados  no  North   Harbour  Stadium  ",  disse  Sr.  Beeche.       O  sorteio  oficial  que  foi  realizado  na   Sky  City  em  Auckland  no  dia  10  de   fevereiro,  certamente  proporcionou   alguns  encontros  interessantes  na   primeira  fase  da  Copa.  Seis  vezes   vencedor  do  torneio  Brasil  vai  abrir   sua  campanha  em  New  Plymouth   contra  os  campeões  africanos   Nigéria,  enquanto  em  Christchurch,   haverá  uma  luta  real  entre  Davi  e   Golias  quando  campeã  europeia   Alemanha  jogará  contra  Fiji  (que   estarão  jogando  numa  copa  de   futebol  pela  primeira  vez).       Dave  Beeche  está  confiante  de  que  o   torneio  vai  ajudar  a  elevar  o  perfil  e   a  moral  do  futebol  na  Nova  Zelândia.       "Eu  acho  que  quando  o  público   neozelandês  perceber  o  nível  de   talento  dos  jogadores,  este  torneio   será  um  dos  temas  mais  falados  na   hora  dos  intervalos  do  trabalho."       "Acredito  que  este  torneio  vai  elevar   o  perfil  do  jogo  e  também  trará   novos  adeptos  ao  esporte.  As   pessoas  que  não  foram  previamente   envolvidas  com  o  futebol,  verão   como  é  simples  de  jogar  e  como  ele   pode  ser  emocionante  para  assisGr   e,  em  seguida,  decidir  até     praGcá-­‐lo  ".     Foto: Dave Beeche Diretor Executivo do Comitê Organizador Local     .  
  • VALIDANDO SEU DIPLOMA BRASILEIRO Você se formou no Brasil e tem experiência profissional, tem se dedicado à sua profissão mas acha que algo não está valendo a pena... a preocupação com a qualidade de vida? Ou simplesmente está em busca de novos ares? Você então decidiu que é hora de mudar. E de todos os lugares do mundo, você decidiu tentar a vida na longínqua Nova Zelândia. E agora, o que fazer?  Nessa matéria, vamos dar uma ideia dos caminhos para validar seu diploma e dividir a nossa conversa com alguns profissionais brasileiros que trabalham na sua profissão de formação no Brasil aqui na Nova Zelândia.
  •  Nova  Zelândia  (e  essa  regra    se  aplica  para  a  maioria  dos    países),  está  de  portas   abertas  para  profissionais  que   podem  contribuir  para  o   desenvolvimento  econômico  e  social   do  país.  Esses  profissionais  com   inglês  fluente  e  formação  e   experiência  profissional  podem   tentar  imigrar  usando  vistos  como  o   Skilled  Migrant  Visa    por  exemplo   (veja  mais  na  coluna  Immigra@on   Connec@ons).     Ter  a  sua  profissão  regularizada  é  um   passo  importante  para  imigrar  e  é   importante  começar  o  processo  o   quanto  antes  para  que  você  não   perca  nenhuma  oportunidade  caso   tenha  uma  oferta  de  trabalho  cedo.       Aqui  na  Nova  Zelândia  os  cursos  são   qualificados  com  números.  Cursos   vão  de  1  a  10  (sendo  10  o  nível  mais   alto  de  qualificação  -­‐  como   doutorado  por  exemplo).  Esses   níveis  dependem  da  complexidade   de  estudo  e  não  somente  do  tempo   estudado  e  a  classificação  do  seu   curso  (nível)  será  dada  pelo  NZQA   (New  Zealand  Qualifica@ons   Authority).  Pontuação  essa   importan^ssima  se  você  quiser  usar   o  sistema  do  Skilled  Migrant  Visa   para  imigrar.     O  primeiro  passo,  depois  de  avaliar  o   mercado,  é  validar  ou  reconhecer   seu  diploma  por  aqui.  Para  muitas   profissões,  como  as  da  área  médica,   educacional  ou  de  arquitetura,  você   vai  precisar  ser  registrado  no   conselho  daquela  profissão  para  que   possa,  legalmente,  exercer  seu   trabalho  na  sua  área  (isso,  às  vezes,   quer  dizer  estudar  mais  algumas   disciplinas  ou  passar  numa  prova   para  equiparar  seus  estudos  com  os   daqui),  para  outras,  a  comprovação   de  experiência  numa  indústria   internacional  similar  e  a  proficiência   em  inglês  são  suficientes.     E  se  minha  profissão  não  puder  ser   reconhecida  na  NZ?     Essa  possibilidade  sempre  vai  exisGr.     A! Check-­‐list! 1.  Proficiência  em   Inglês;   Sem  falar  inglês  fluentemente  (e  sem  comprovação   da  sua  proficiência  na  língua),  você  não  vai  conseguir   validar  seu  diploma  ou  conseguir  um  trabalho  na  sua   área.  Aqui  na  NZ,  o  teste  de  proficiência  aceito  é  o   IELTS  (InternaGonal  English  Language  TesGng  System).           2.  Avaliar  o  mercado   de  trabalho;   O  mercado  está  procurando  por  profissionais  da  sua   área?  Existem  vagas  disponíveis  para  profissionais   com  a  sua  qualificação  e  experiência?    Dê  uma  olhada   em  websites  como  www.seekme.co.nz,   www.trademe.co.nz/jobs    ou  www.careers.govt.nz     para  ter  uma  ideia  de  como  anda  sua  profissão.       3.  Se  informar  se  sua   profissão  precisa  de   registro  ou  alguma   validação  especial.   Procurar    o  conselho  da  sua  profissão  e  se  informar   do  passo  a  passo  para  o  seu  registro  se  necessário   (esses  requerimentos  mudam  constantemente)   4.  Preparação   Tire  cópia  e  faça  a  tradução  juramentada  de  todos  os   seus  diplomas  e  registros  brasileiros.   Tire  cópia  e  mande  traduzir  todo  a  grade  de   disciplinas  do  seu  curso     5.  Peça  ajuda   Procure  um  agente  de  imigração  oficial  para  te  ajudar   na  sua  solicitação  de  vistos  se  você  Gver  alguma   dúvida.   Estudar  na  Nova  Zelândia  para  que   você  alcance  o  nível  do  curso  que   você  deseja  reconhecer  ou  começar   numa  posição  inferior    à  que  você   estava  exercendo  no  Brasil  são   algumas  das  possibilidades.     Dependendo  da  sua  área,  o  melhor   lugar  para  começar  é  falar  com  o   conselho  profissional  da  sua   profissão.  Lembre  que  as   experiências  apresentadas  nessa   matéria  são  somente  um  guia  e  que   processos  e  procedimentos  são   atualizados  frequentemente.  Falar   com  seu  conselho  (e  dar  uma  olhada   com  cuidado  no  seu  website)  deve   ser  sua  prioridade.     Alguns  conselhos  profissionais  na  NZ   (procure  em  qualquer  ferramenta  de   busca  online  um  dos  nomes  abaixo   seguido  por  New  Zealand)       •  Architects  EducaGon  &   RegistraGon  Board   •  Dental  Technicians  Board   •  Dental  Council  of  New  Zealand   •  Electrical  Workers  RegistraGon   Board   •  Engineers  RegistraGon  Board   •  ImmigraGon  Advisers  Licensing   Authority   •  Medical  Council  of  New  Zealand   •  Nursing  Council  of  New  Zealand   •  New  Zealand  Law  Society   •  PharmaceuGcal  Society  of  New   Zealand   •  Physiotherapists  Board   •  Plumbers,  Gasfilers  and   Drainlayers  Board   •  Real  Estate  Agents  Licensing   Board   •  RegistraGon  Boards  Secretariat   •  The  Survey  Board  of  New  Zealand   Office  of  the  Surveyor-­‐General   Land  InformaGon  New  Zealand   •  Teachers  RegistraGon  Board   •  Veterinary  Council  of  New   Zealand        
  • RODRIGO  D,     Engenharia  Industrial  e  Elétrica       Quanto  tempo  de  experiência  no   Brasil  você  [nha  quando  decidiu  sair   do  país?   Como  Engenheiro,  eu  Gnha  apenas   dois  anos.  Porem  já  trabalhava  na   área  como  Técnico  Eletrotécnico,   totalizando  seis  anos  de  experiência   na  área  Industrial.       Você  teve  experiência  profissional   em  outro  país  antes  de  vir  para  NZ?   Não.  A  Nova  Zelândia  foi  a  minha   primeira  experiência  profissional  fora   do  Brasil.   Vim  para  a  Nova  Zelândia  com  a   minha  esposa  com  intenção  de   adquirimos  experiência  profissional   no  exterior.  A  intenção  era  ficar  aqui   por  três  anos  e  voltar  para  o  Brasil.   Hoje,  depois  de  onze  anos,  estamos   firmes  e  fortes  em  solo  neozelandês  .           Engenharia     Você  precisou    estudar  na  NZ  para   equiparar  seus  estudos  aos  daqui?   Se  sim,  por  quanto  tempo?   Não,  eu  não  precisei  estudar  aqui  na   NZ  para  equiparar  meus  estudos.       Você  precisa  ter  o  registro  da  sua   profissão  na  NZ  para  trabalhar  aqui?   Se  sim,  qual  a  maior  dificuldade  em   obter  esse  registro?   Não,  eu  não  precisei  registrar  minha   profissão  na  NZ.  A  comprovação  da   minha  experiência  foi  suficiente.       Que  conselho  você  daria  a  quem   quer  reconhecer  sua  profissão  na   NZ  ?   Primeiramente  aconselho  que   verifiquem  a  real  necessidade  do   reconhecimento  da  profissão  na  NZ.   Pois,  muitas  vezes,  a  experiências   profissional  (comprovada)  já  são   suficiente.     Se  houver  necessidade  de   reconhecimento,  aconselho  que   procurem  a  ajuda  de  um  agente  de   imigração  registrado  com  o   departamento  de  imigração  da  NZ.   Estes  profissionais  tem  bastante   conhecimento  na  área,  e  podem   facilitar  e  agilizar  este  processo.     FONOAUDIOLOGIA     LISA  G,   Fonoaudiologia     Quanto  tempo  de  experiência  no   Brasil  você  [nha  quando  decidiu  sair   do  país?   Saí  do  país  recém  formada.         Você  teve  experiência  profissional   em  outro  país  antes  de  vir  para  NZ?   Sim,  trabalhei  como  audiologista  na   Inglaterra  por  4  anos  antes  de  vir   para  Nova  Zelândia.       Você  precisou    estudar  na  NZ  para   equiparar  seus  estudos  aos  daqui?   Se  sim,  por  quanto  tempo?   Não       Você  precisa  ter  o  registro  da  sua   profissão  na  NZ  para  trabalhar  aqui?   Se  sim,  qual  a  maior  dificuldade  em   obter  esse  registro?   Não  necessariamente,  porém  não   podemos  trabalhar  com  ACC  ou  nada   que  requeira  fundos  públicos     O  NZAS  (NZ  Audiology  Society)  até   ano  passado  não  reconhecia  nosso   diploma  de  Bacharel.  Para  ser   membro  do  NZAS  precisava  no   mínimo  de  mestrado  em  Audiologia.   Como  agora  eles  estão   reconhecendo  o  cerGficado  de   bacharel  eu  estou  em  processo  de   me  tornar  membro  da  sociedade  de   Audiologia  daqui.     Que  conselho  você  daria  a  quem   quer  reconhecer  sua  profissão  na   NZ  ?   Seja  paciente,  o  inglês  tem  que  ser   muito  bom.  Se  quiser  ser  membro  da   NZAS  vão  praGcando  o  Inglês  para  o   IELTS.  Tragam  todos  os  documentos   da  Universidade  brasileira  incluindo   o  curriculum  do  curso.  A  tradução   pode  ser  feita  aqui.  E  olhem  o   website  do  conselho  para  mais   informações.     www.audiology.org.nz     Eu  tenho  2  clínicas  em  Auckland.   Uma  especializada  em  Otoneuro   (verGgem  e  tontura)  e  a  outra  em   audição.  Se  precisar  pode  entrar  em   contato.       www.dizziness.co.nz   www.goularthearing.co.nz       A jornada para validar meu diploma!
  • STELLA  G,   Medicina     Quanto  tempo  de  experiência  no   Brasil  você  [nha  quando  decidiu   sair  do  país?   Trabalhei  no  Brasil  por  4  anos,  2   anos  em  prontos-­‐socorros  de   hospitais  públicos  e  2  anos  fazendo   residência  em  Oƒalmologia.     Você  teve  experiência  profissional   em  outro  país  antes  de  vir  para  NZ?   Não     Você  precisou    estudar  na  NZ  para   equiparar  seus  estudos  aos  daqui?   Se  sim,  por  quanto  tempo?   Precisei  estudar  por  conta  própria   para  me  preparar  para  as  provas   teórica  e  práGca  do  Conselho  de   Medicina  da  Austrália  e  da  Nova   Zelândia,  respecGvamente  (a  NZ  não   oferece  prova  teórica  para  validação   do  diploma  mas  requer  que      o   médico  tenha  passado  na   australiana,  americana,  ou  britânica,   a  fim  de  se  qualificar  para  a  prova   práGca)     Você  precisa  ter  o  registro  da  sua   profissão  na  NZ  para  trabalhar   aqui?  Se  sim,  qual  a  maior   dificuldade  em  obter  esse  registro?   Sim.  Minha  maior  dificuldade  foi   com  o  IELTS  pois  quando  mudei  para   cá,  meu  inglês  ainda  não  era  bom  o   suficiente  para  Grar  7  no  módulo  do   “wri@ng”  do  IELTS.  Fiz  a  prova  4   vezes  até  conseguir!!     Que  conselho  você  daria  a  quem   quer  reconhecer  sua  profissão  na   NZ  ?   Acompanhar  as  atualizações  do   Conselho  de  Medicina  pelo  site   www.mcnz.org.nz  sobre  o  processo   de  validação  do  diploma  pois  sempre   há  mudanças,  por  exemplo,  até  5   anos  atrás  eles  só  aceitavam  a  prova   americana,  e  no  momento  eles   suspenderam  todas  as  provas   práGcas  pois,  segundo  o  Conselho,   não  há  mercado  de  trabalho  para   médicos  estrangeiros.  Também   aconselho  fazer  o  IELTS  no  Brasil,   antes  de  mudar  para  cá,  e  se   conseguir  uma  vaga  para  a  prova  de   validação,  peçam  para  fazer  um   “observership”  no  hospital  aqui.  Isso   me  ajudou  muito.                                 Adriana  A,   Arquiteta  e  Urbanista     Quanto  tempo  de  experiência  no   Brasil  você  [nha  quando  decidiu   sair  do  país?   Quando  vim  para  a  Nova  Zelândia  já   Gnha  6  anos  de  formada.     Você  teve  experiência  profissional   em  outro  país  antes  de  vir  para  NZ?   Sim,  trabalhei  em  um  escritório  de   arquitetura  em  São  Francisco  nos   Estados  Unidos  e  quase  fui   contratada  por  uma  empresa  como   Ligh@ng  Designer  em  Lausanne  na   Suiça,  porêm  Gve  meu  visto  de   trabalho  negado  neste  país.     ARQUITETURA     Você  precisou    estudar  na  NZ  para   equiparar  seus  estudos  aos  daqui?   Se  sim,  por  quanto  tempo?   Não  precisei  de  estudos.     Você  precisa  ter  o  registro  da  sua   profissão  na  NZ  para  trabalhar   aqui?  Se  sim,  qual  a  maior   dificuldade  em  obter  esse  registro?   Em  todo  mundo,  arquiteto  precisa   de  registro.  Trabalho  como  Ligh@ng   Designer  logo  não  tenho   necessidade  do  registro  de   arquiteta,  mas  tenho  uma  alta   credencial  na  associação  dos   Ligh@ng  Designers  da  NZ  &  Australia.     Que  conselho  você  daria  a  quem   quer  reconhecer  sua  profissão  na   NZ  ?   Antes  de  mais  nada,  fale  bem  o   inglês  e  tenha  planos  a  longo-­‐prazo   de  se  estabelecer  na  Nova  Zelândia.       O  registro  de  arquiteto  não  é  fácil,   porém  possível.  Requer  tempo,   persistência  e  dedicação.  Mas  nada   impede  de  arquitetos  formados  no   Brasil  trabalharem  como  'cadistas'   por  aqui.     DIREITO   Kelly  F,   Direito     Quanto  tempo  de  experiência  no   Brasil  você  [nha  quando  decidiu   sair  do  país?   Me  mudei  para  Nova  Zelândia  um   mês  depois  da  minha  formatura,   então  não  Gve  tempo  de  adquirir   experiência  além  dos  3  anos  de   estagio  que  completei  no  Brasil.                 MEDICINA    
  • Você  teve  experiência  profissional   em  outro  país  antes  de  vir  para  NZ?   Não.       Você  precisou  estudar  na  NZ  para   equiparar  seus  estudos  aos  daqui?   Se  sim,  por  quanto  tempo?   Sim.  Estrangeiros  que  queiram   advogar  na  Nova  Zelândia  precisam   passar  por  um  “assessment  of   overseas  qualifica@on”  que   normalmente  é  feito  pelo  Legal   Council  of  Educa@on.  No  final  desse   processo  eles  me  pediram  para   cursar  varias  matérias  novamente   para  que  meu  diploma  pudesse  ser   reconhecido  na  Nova  Zelândia.  Esse   processo  levou  por  volta  de  3  anos   (estudei  um  ano  na  Nova  Zelândia,  e   depois  acabei  terminando  os  estudos   na  Austrália  já  que  me  mudei  pra  lá)     Você  precisa  ter  o  registro  da  sua   profissão  na  NZ  para  trabalhar  aqui?   Se  sim,  qual  a  maior  dificuldade  em   obter  esse  registro?     Sim.  Advogados  precisam  obter   “admission  to  the  High  Court”  para   exercer  a  profissão  na  Nova  Zelândia.   Como  citei  anteriormente,  a  maior   dificuldade  foi  ter  que  estudar  várias   matérias  novamente.       Que  conselho  você  daria  a  quem   quer  reconhecer  sua  profissão  na   NZ  ?   O  reconhecimento  do  diploma  de   direito  é  um  processo  longo,  e  só   vale  a  pena  realmente  se  não  houver   dúvidas  sobre  a  permanência  no   exterior.  É  importante  também  que   se  busque  ao  máximo  pesquisar   sobre  a  profissão  na  Nova  Zelândia   antes,  conversar  com  advogados   locais  e  ate  estrangeiros  que   passaram  pela  mesma  experiência.   Entender  o  mercado  de  trabalho  e  as   oportunidades  futuras  pode  auxiliar   muito  na  decisão  de  seguir  ou  não   com  a  profissão  no  exterior.                                     odontologia   Juliane  S,   Cirurgiã-­‐den[sta  com  especialização   em  Implantodon[a       Quanto  tempo  de  experiência  no   Brasil  você  [nha  quando  decidiu  sair   do  pais?   Trabalhei  como  denGsta  por  8  anos   no  Brasil.  Em  meados  de  2008  fiz   uma  viagem  de  turismo  pra  Austrália   que  incluiu  um  stopover  na  NZ.  Dessa   viagem  surgiu  a    ideia  de  imigrar  pra   NZ  que  só  se  concreGzou  em  2010.         Você  teve  experiência  professional   em  outro  país  antes  de  vir  pra  NZ?   Não,  nunca  vislumbrei  exercer  a   minha  profissão  em  outro  país.  A   Austrália  seria  minha  segunda  opção   por  ter  um  esquema  semelhante  de   reconhecimento  da  profissão.         Você  precisou  estudar  na  NZ  pra   equiparar  seus  estudos  aos  daqui?   Se  sim,  por  quanto  tempo?   Sim,  aproximadamente  2  anos.       Você  precisa  ter  o  registro  da  sua   profissão  na  NZ  para  trabalhar  aqui?   Se  sim,  qual  a  maior  dificuldade  em   obter  esse  registro?   DenGstas  formados  e  treinados   overseas  que  pretendem  exercer  a   profissão  na  NZ  precisam  ter  seus   diplomas  reconhecidos  pelo  NZDC  -­‐   New  Zealand  Dental  Council,  órgão   equivalente  ao  conselho  de   odontologia  no  Brasil.  Esse   reconhecimento  é  feito  através  de   um  processo  que  inclui  avaliação  de   documentos,  prova  de  proficiência     de  inglês,  exames  escritos  e  práGcos/ clínicos.  Tal  processo  pode  ser   custoso  (  traduções  juramentadas  de   documentos,  inscrição  para  exames   etc)  e  longo  (aproximadamente  2   anos  considerando  que  passe  em   todos  na  primeira  tentaGva),  já  que   os  exames  são  oferecidos  em  datas   especificas,  em  geral  duas  vezes  ao   ano.         Que  conselho  você  daria  a  quem   quer  reconhecer  sua  profissão  na   NZ?   Primeiramente,  mantenha  seu  inglês   ao  nível  desejado  pelo  teste  de   proficiência.     O  processo  muda  de  tempos  em   tempos.  Houveram  significantes   mudanças  desde  que  obGve  o   registro  em  2010.  O  site   www.dcnz.org.nz  é  o  ponto  de   parGda  fundamental  pra  quem   esGver  interessado  em  abraçar  esse   projeto.                                     Patrícia  B,   Pedagogia  e  pós-­‐graduada  em   Dificuldades  de  aprendizagem  na   infância  e  adolescência,  na  área  de   psicologia.         Quanto  tempo  de  experiência  no   Brasil  você  [nha  quando  decidiu  sair   do  país?   Trabalhava  de  dia  e  estudava  a  noite.   Trabalhei  no  Brasil  de  professora  de   educação  infanGl  por  quase  dez  anos.         EDucação   “O reconhecimento do diploma de direito é um processo longo, e só vale a pena realmente se não houver dúvidas sobre a permanência no exterior”
  • Você  teve  experiência  profissional   em  outro  país  antes  de  vir  para  NZ?   Trabalhei  como  professora   voluntaria  para  o  Salvarion  Army  nos   Estados  Unidos  enquanto  meu   registro  de  professora  ficava  pronto.     Você  precisou  estudar  na  NZ  para   equiparar  seus  estudos  aos  daqui?   Se  sim,  por  quanto  tempo?   Tive  que  conseguir  fazer  um  curso  de   um  ano  de  especialização    (ECE  Early   Childwood  Educa@on)  para  conseguir   equiparar  meu  curso.       Você  precisa  ter  o  registro  da  sua   profissão  na  NZ  para  trabalhar  aqui?   Se  sim,  qual  a  maior  dificuldade  em   obter  esse  registro?   Sim,  infelizmente  Gve  muita  dor  de   cabeça  com  o  reconhecimento  do   meu  curso,  foram  quase  três  anos  de   batalha,  muito  dinheiro  gasto  e  um   ano  de  especialização  para  poder  ter   meu  registro.  O  registro  de  professor   é  válido  por  três  anos  e  o  primeiro   que  você  recebe  é  um  provisório   (Provisional  Registra@on)  e  durante   os  dois  primeiros  anos  de  registro  se   é  esGmulado  a  Grar  o  registro   permanente,  que  lhe  é  concedido   apos  a  preparação  de  um  por†olio   com  reflec@ons  sobre  vários  tópicos   baseados  na  orientação  do  próprio   Teachers  Council       Que  conselho  você  daria  a  quem   quer  reconhecer  sua  profissão  na   NZ  ?   A  minha  sugestão  para  quem  quer   reconhecer  sua  profissão  aqui  na   nova  Zelândia  é  conversar  com  muita   gente.  Tentar  conhecer  o  campo  de   trabalho,  voluntariar,  e     nunca  desisGr.  Para  uns  a  sorte  é   maior  e  para  outros  é  necessário   aprender  um  pouquinho  mais.                                   Mariege  S,   Ciências  Contábeis     Quanto  tempo  de  experiência  no   Brasil  você  [nha  quando  decidiu  sair   do  país?   Eu  Gnha  exatamente  9  anos  de   experiência  na  área  contábil.       Você  teve  experiência  profissional   em  outro  país  antes  de  vir  para  NZ?   Não.     Você  precisou  estudar  na  NZ  para   equiparar  seus  estudos  aos  daqui?   Se  sim,  por  quanto  tempo?   Sim  foi  preciso  estudar  algumas   matérias  como  direito  tributário,   direito  comercial,  demonstrações   contábeis.  É  possível  concluir  em  1   ano.       Você  precisa  ter  o  registro  da  sua   profissão  na  NZ  para  trabalhar  aqui?     contabilidade   Se  sim,  qual  a  maior  dificuldade  em   obter  esse  registro?   Dependendo  do  cargo  que  você  quer   alcançar  na  área  contábil  aqui  na   Nova  Zelândia,  não  é  preciso  ter  o   registro  de  contador.  Porém  se  você   deseja  trabalhar  em  cargos  como   coordenação  ou  gerência   provavelmente  será  necessário.     Para  obter  o  registro  é  preciso  passar   por  um  longo  processo  que  em   resumo  começa  com  a  matricula  com   o  órgão  Chartered  Accountants   Australia  and  New  Zealand  e   pagamento  da  taxa  que  varia  e  é  a   parGr  de  $1,748,  e  claro  uma  prova   bem  avançada  e  finalmente  3  anos   de  experiência.           Que  conselho  você  daria  a  quem   quer  reconhecer  sua  profissão  na   NZ  ?   O  órgão  que  fará  o  reconhecimento   do  seu  diploma  é  o  NZQA  o  custo  é  a   parGr  de  NZ$746.  Esteja  atualizado   com  os  documentos  exigidos  e  os   processos  envolvidos.  Porem,  você   não  precisa  passar  por  esse  órgão   para  se  matricular  num  curso   superior  ou  pós-­‐graduação,  você   pode  aplicar  direto  com  a  faculdade   que  escolher  e  eles  podem  aceitar   seu  diploma.   QUER  RECONHECER  SEU  DIPLOMA?   Alguns  websites  com  informações   essenciais  para  quem  quer   reconhecer  seu  diploma  na  Nova   Zelândia:   www.workingin-­‐newzealand.com   www.immigraGon.govt.org.nz   www.nzvisto.com   www.nzqa.co.nz         .  
  • Immigration Connections Por  Peterson  Fabrício   O  website  da  imigração  neozelandesa  deve  ser  o  seu   melhor  amigo.  Nele  tem  muitas  informações  úteis  e   provavelmente  todas  as  respostas  das  suas  perguntas  em   relação  a  vistos,  tudo  o  que  você  precisa  saber.  Meu   papel,  como  consultor  de  imigração,  é  te  ajudar  a  achar   qual  sua  melhor  possibilidade  de  vistos  e  te  auxiliar  na   solicitação  dos  mesmos.       No  site  da  imigração  (www.immigraGon.govt.nz)  você   encontra  listas  de  profissões  que  estão  em  demanda  por   aqui.  Para  profissionais  de  uma  área  que  está  na  Long   Term  Skill  Shortage  List  é  possível  solicitar  diretamente  o   visto  de  residência  pela  categoria  Skilled  Migrant   (Imigrante  Qualificado)  conhecida  como  SMC  ou  se  não   Gver  a  pontuação  mínima  requerida,  poderá  solicitar  um   visto  de  trabalho,  como  o  Work  to  Residence,  nessa   categoria  de  visto  existem  algumas  variações:   Se  o  profissional  está  na  LTSSL  -­‐  Long  Term  Skill  Shortage   List,  pode  solicitar  o  visto  na  sub-­‐categoria:     Work  to  Residence  (Long  Term  Skill  Shortage  List)  é   necessário  uma  oferta  de  trabalho  para  uma  profissão  da   listagem  LTSSL,  formação  e  experiência  de  trabalho  na   área.  O  diferencial  dessa  categoria  é  que  o  empregador   não  tem  que  comprovar  que  tentou  recrutar  alguém  que   já  tenha  permissão  de  trabalho  na  Nova  Zelândia,  já  que   existe  demanda  comprovada  desses  profissionais  no  país.   Outro  ponto  posiGvo  dessa  categoria  é  que  o  solicitante   recebe  um  visto  de  trabalho  com  duração  de  30  meses  e   após  24  meses  trabalhando  com  esse  visto,  poderá   solicitar  a  residência,  através  de  uma  outra  categoria  que   não  depende  de  pontos,  o  Residence  from  Work  (Long   Term  Skill  Shortage  List),  desde  que  o  solicitante   conGnue  a  ter  os  requisitos  que  Gnha  quando  pediu  o   visto  de  trabalho  inicial.     Vejo  muitos  clientes  que  preferem  essa  categoria,  pois   após  estar  trabalhando  em  um  skilled  employment  por   mais  de  12  meses,  o  empregador  pode  escrever  uma      carta  para  fins  de  comprovações  de      habilidade  na  língua,         Peterson Fabrício é paulista e vive na Nova Zelândia desde 2003. Em 2013 Peterson tirou sua licença como Immigration Adviser e montou a NZ Visto para dar consultoria na aplicação de vistos. www.nzvisto.com Algumas  profissões  estão  em  alta  demanda  na  Nova  Zelândia,  para  esses   profissionais,  possibilidades  de  vistos  são  mais  fáceis  já  que  eles  trazem   uma  mão  de  obra  qualificada  que  o  país  precisa,  veja  os  caminhos:   e  dessa  forma  evita  ter  que  fazer  o  IELTS  [teste  de   proficiência  na  língua  inglesa],  porém  é  importante   ressaltar  que  a  imigração  se  reserva  ao  direito  de  solicitar   o  IELTS  caso  eles  julguem  necessário.   Outra  sub-­‐categoria  do  visto  Work  to  Residence,  são  para   pessoas  que  vão  trabalhar  para  uma  empresa  que  é  um   Accredited  Employer  (você  pode  ver  uma  lista  com  as   empresas  aprovadas  como  Accredited  Employers  no  site   da  Imigração  neozelandesa)       Para  o  solicitante  de  visto  que  for  trabalhar  para  uma   empresa  que  é  Accredited,  é  possível  conseguir  o  visto   Work  to  Residence,  e  após  os  24  meses  solicitar  a   residência,  da  mesma  forma  citada  anteriormente.     Além  de  não  ter  que  comprovar  o  IELTS,  diferentemente   da  Residência  via  Skilled  Migrant,  não  é  necessário  fazer   o  reconhecimento  do  diploma  através  do  NZQA,  apenas   traduções  dos  diplomas  e  cerGficados  de  formação  na   área  são  o  suficientes,  juntamente  com  as  cartas  de   referência  que  comprovem  a  experiência  de  trabalho  na   área.     Mas  para  aqueles  que  têm  uma  profissão  que  não  esteja   na  listagem  LTSSL,  ou  não  possua  uma  oferta  de  trabalho   de  um  empregador  que  é  Accredited,  existe  uma  outra   possibilidade  –  solicitar  o  visto  de  trabalho  na  categoria:   Work  Visa  –  Essen=al  Skills  o  importante  nessa  categoria   é  ter  uma  oferta  de  trabalho  em  uma  área  que  você  tenha   formação  e/ou  experiência  de  trabalho  e  o  empregador   deve  comprovar  que  se  esforçou  em  recrutar  alguém  que   já  tenha  permissão  de  trabalho,  veja  maiores  detalhes  e   fale  comigo  através  do  site:  www.nzvisto.com    
  • Por  Peterson  Fabrício  Português para crianças Se você mora em Auckland, tem filhos entre 3 e 8 anos e gostaria que eles praticassem o português, as matrículas para o segundo bimestre de 2015 do CPBC - Curso de Língua Portuguesa e Cultura Brasileira para Crianças já estão abertas.! ! O curso existe há 3 anos e conta com professoras qualificadas em Letras e Psicopedagogia com experiência em educação bilíngue. O curso também oferece alfabetização e letramento.! ! Para mais informações:! lorenacp34@hotmail.com!
  • exercício, esporte, desempenho e estilo de vida saudável ! A Parte 2: Aventuras Brasileiras no Surf e Kitesurfing na Nova Zelândia! Apesar  da  historia  do  surf  começar  a  séculos  atrás,  a   historia  moderna  do  surf  começou  com  a  primeira   compeGção  de  surf  organizada  pela  Associação   Internacional  de  Surf  em  Manly  na  Austrália  em  1964.  No   Brasil,  o  esporte  é  popular  nas  cidades  litorâneas,  mas  a   coroação  do  primeiro  brasileiro  campeão  mundial  de  surf,   Gabriel  Medina  em  2014,  poderá  levar  o  esporte  a  voos   ainda  mais  altos  no  Brasil.       Foto: Duda Hawaii
  •     O  surf  é  um  esporte  muito  popular  na  Nova  Zelândia   apesar  do  país  ainda  não  ter  produzido  um  campeão  ou   campeã  mundial.  Grande  parte  das  praias  tem  água  fria,  o   que  mesmo  no  verão  pode  ser  um  desafio  para  os   brasileiros  acostumados  com  algumas  águas  mornas  das   praias  no  Brasil.  Leko  de  Souza,  34  anos,  local  do  Guarujá   (litoral  de  São  Paulo),  é  um  brasileiro  que  mora  na  NZ  há  9   anos  e  praGca  tênis  e  surf.  O  Surf  não  é  praGcado  com  a   frequência  que  ele  gostaria  pois  não  consegue  se   acostumar  com  a  temperatura  da  água.  Relata  que   grande  parte  do  ano  muitos  usam  roupa  de  borracha,  mas   algo  que  ele  não  esta  acostumado  devido  a  falta  de   necessidade  do  seu  uso  quando  morava  no  Brasil.  Cresceu   surfando  horas  todos  os  dias,  mas  nunca  precisou  de   roupa  de  borracha,  o  que,  para  alguns,  pode  dar  uma   sensação  de  limitação  de  movimento  durante  a  práGca.         Já  os  kiwis  surfam  o  ano  todo,  o  que  muda  é  a  espessura   da  roupa  de  borracha  uGlizada.  De  acordo  com    Leko,  a   NZ  oferece  um  dos  cenários  naturais  mais  bonitos  do   mundo  e  oferece  mais  oportunidades  para  a  práGca  de   esportes  que  seriam  mais  diˆceis  de  se  praGcar  no  Brasil.   No  inverno,  sempre  que  é  possível  ele  gosta  de  praGcar  o   snowboard,  aGvidade  inexistente  no  Brasil  devido  a  falta   de  neve  e  também  a  pesca  que  muitas  vezes  no  Brasil  não   é  possível  de  ser  praGcada  dependendo  de  onde  a  pessoa   mora.       Já  a  historia  do  kitesurf  possui  algumas  vertentes.  Alguns   dizem  que  o  chineses  já  usavam  o  kitesurf  como  meio  de   transporte  no  século  13,  outros  defendem  que  o  esporte   foi  criado  pelos  irmãos  franceses  Dominique  e  Bruno   Legaignoux  por  terem  inventado  o  primeiro  kite  inflável   em  1984.  Ao  mesmo  tempo  em  Oregon  nos  EUA,  Cory   Roeseler  desenvolveu  um  kiteski  juntamente  com  seu  pai   que  mais  tarde  em  1994  começou  a  ser  comercializado.                             Os  gaúchos  Daniel  Heinen,  36,  e  Poliana  Borges,  33,  que   já  moram  na  NZ  há  aproximadamente  8  anos,  veem  a  NZ   como  um  pais  que  te  dá  mais  oportunidade  para  fazer   aGvidades  diferentes,  que  no  Brasil  são  muitas  vezes  mais   diˆceis,  devido  a  logísGca  e  ao  custo  dos  equipamentos.   Poliana,  quando  no  Brasil,  sempre  jogou  futebol  e   handball  e  sempre  frequentou  academias,  já  Daniel  não   Gnha  uma  roGna  de  exercício,  mas  ambos  sempre   sonhavam  com  a  possibilidade  de  praGcar  o  kitesurf.   Chegando  na  Nova  Zelândia,  eles  compraram  os   equipamentos  e  contam  que  Gveram  muitas  dificuldades   e  até  classificam  o  kitesurf  como  um  esporte  bem   perigoso  que  deve  ser  feito  com  a  orientação  de  um   profissional.                             “Eles  tentaram  aprender  sozinhos,  a   custo  de  muitos  tombos  e  só   conseguiram  aprender   corretamente  e  de  forma  segura   após  fazerem  um  curso  com  um   instrutor  da  modalidade.   Aconselham  que  ninguém  deveria   fazer  o  que  eles  fizeram,  de   comprar  o  equipamento  e  tentar   aprender  sozinhos  pois  o  risco  de   lesões  é  al^ssimo.”   Foto: Norrie Montgomery
  • Outro  ponto  interessante  levantado   por  eles  é  que  a  diversidade  cultural   da  NZ  permite  oportunidades  únicas   de  experimentar  esportes  que  são   pouco  populares  no  Brasil,  como   cricket,  squash  entre  outros.   Recentemente  o  centro  de   treinamento  de  ciclismo  da  NZ  foi   construído  na  Ilha  Norte  e  permite  a   comunidade  acesso  à  uma  infra   estrutura  de  primeiro  mundo  que  é   uGlizada  por  todos  os  atletas  de  alto   rendimento  relacionados  a  bicicleta   da  NZ.  Poliana  relata  que  no  final  do   ano  passado  teve  uma  oportunidade   única  de  pedalar  no  velódromo  em   um  evento  de  integração  entre   funcionários  na  empresa  em  que   trabalha,  oportunidade  que  nunca   teria  no  Brasil.     Ambos  consideram  que  a  cultura   neozelandesa  esGmula  as  pessoas  a   serem  aGvas  e  fornecem  estrutura  e   espaço  para  essas  aGvidades   acontecerem.  Hoje  Daniel  faz   academia  e  a  Poliana  faz  academia  e   futebol,  mas  o  kitesurf  é  a  paixão  dos   dois  e  o  praGcam  sempre  no  verão!       Camila Nassif é mineira e mora na NZ desde 2009. Doutoura em Ciência do Exercício pela Charles Sturt University, Austrália, presta consultoria científica na área de Alimentação, Exercício, Esporte e Estilo de vida saudável. Contato: scienceas . health@gmail.com Foto Poliana com as "asas" do Kite (Foto por Dani Heinen Fotos do Dani no Kite Surf (Arquivos GoPro Dani Heinen) .   Gostaríamos  de  lançar  aqui  o  seção  Pergunte  ao  Expert!  Se  você  Gver  alguma  dúvida  na  área  de   saúde,  exercício,  aGvidade  ˆsica  ou  nutrição  como  por  exemplo:  Será  que  todos  deveriam  se  tornar   Gluten  Free?  Qual  o  exercício  ideal  para  manter  a  saúde?  Manteiga  ou  Margarina?  Mande  suas   perguntas  para  o  email  revista.mba.markeGng@gmail.com  e  suas  perguntas  serão  respondidas  nas   próximas  edições!      
  • Projeto  Tutakitaki   Espaço da Embaixada A Embaixada do Brasil em Wellington teve o prazer de receber a todos para as apresentações do TUTAKITAKI, um projeto musical que promove o encontro das músicas brasileira e maori.  Desenvolvido pela cantora brasileira Alda Rezende (na nossa capa nessa edição) e pelo músico maori Matiu Te Huki, ambos de Wellington, em parceria com os talentosos músicos brasileiros visitantes Caíto Marcondes e Kristoff Silva, o projeto explora os sons e os instrumentos de Aotearoa e do Brasil em composições feitas em Te Reo Maori, línguas indígenas brasileiras, português e inglês. Os 6 shows ao redor do país foram um sucesso absoluto! Foto: Apresentação do Projeto Tutakitaki em Wellington
  • RECEITA Feijão Tropeiro Brasileiro  que  se  preze  sempre  tem  feijão  em  casa  mesmo   que  não  seja  todo  dia.       Para  aqueles  que  gostam  de  dar  uma  incrementada,  pode   tentar  fazer  o  feijão  tropeiro.  O  ideal  é  que  se  cozinhe  o   feijão  “from  scratch”,  do  comecinho  mesmo.  Comprar  um   feijão  mulaGnho  (aqui  na  Nova  Zelândia  é  super  fácil   achar  feijão  em  lojas  de  produtos  indianos,  em  grandes   supermercados  e  em  lojas  de  produtos  orgânicos)  e   cozinhar  na  panela  de  pressão.  MAS,  se  for  díficil,  ou  for   um  daqueles  dias  que  você  quer  comer  feijão  e  não  tem   muito  tempo  para  cozinhar,  você  pode  comprar  uma   laGnha  de  feijão  (o  Pinto  Beans  da  Ceres  Organics  são   óGmos),  escorrer  e  lavar  o  líquido  e  cozinhar  com    os   outros  ingredientes.               Ingredientes:       500g  de  feijão  carioquinha  cozido   200g  de  toucinho  (procure  por  lard  no  supermercado  ou   açougue)     1  concha  de  óleo   1  cebola  média  picada   4  dentes  de  alho   5  ovos   1  colher  de  sopa  de  sal  com  alho   Cheiro  verde  (cilantro,  cebolinha)  a  gosto   200g  de  farinha  de  mandioca     Modo  de  preparo:       Coloque  o  óleo  em  uma  panela  e  doure  a  cebola,  acrescente  o   bacon  e  frite  bem;   Adicione  o  alho,  sal  e  os  ovos,  misturando  com  cuidado  para   que  não  se  despedacem  muito   Refogue  o  feijão,  baixe  o  fogo,  misture  a  farinha  aos  poucos  e   o  cheiro  verde  
  • O que valoriza seu imóvel     •  Cozinha: o mais importante na lista de um comprador. Uma cozinha bem planejada, moderna com bastante espaco; •  Banheiro: nada de sinal de mofo, azulejo ou piso trincado! O banheiro é muito importante e tem que estar limpo e arrumado; •  Área de lazer: muito importante ter fácil acesso da cozinha e sala para o seu quintal. Nós chamamos aqui de indoor/outdoor flow. Abrir as portas para o jardim, ter um local gramado e seguro cercado para as criancas brincarem, prioridade na Nova Zelândia. Se preciso adicione uma bi-fold door (porta dupla) •  Decoração: pinte de cores neutras se precisar. Uma cor clara pode fazer maravilhas na casa dando mais claridade O que evitar numa reforma     •  Tente fazer só o cosmético. Evite fazer qualquer coisa que comprometa a estrutura da casa e necessite permissao da prefeitura (Council), o que além de ser caro pode ser muito estressante também. •  Piscina. Além de ser caro, muitos compradores evitam comprar uma casa com piscina por causa da manutenção   Pensando em fazer melhorias na casa antes de vender?   Lembre-se: Consulte a prefeitura para verificar a necessidade de consent (permissão) ou não.  
  • www.facebook.com/sweetslices www.sweetslices.co.nz Let us create your dream cake
Fly UP