The present document can't read!
Please download to view
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
...

O concílio dos Deuses

by sandra-bras-pereira

on

Report

Category:

Documents

Download: 0

Comment: 0

18

views

Comments

Description

português 9 ano
Download O concílio dos Deuses

Transcript

«Os Lusíadas» – Consílio dos Deuses Convocatória, objectivo e constituição da assembleia (estrofes 19 a 23) Estrofe 19: O Consílio dos deuses decorre paralelamente à Viagem da Armada, cuja narração se inicia na estância 19, in media res. Os navegadores encontram-se no Índico e, de acordo com o início da narração, beneficiam de um tempo e mar calmos, favoráveis à viagem. Estrofes 20 e 21: Entretanto, Júpiter convoca todos os deuses para o Olimpo (morada dos deuses) para escutar as opiniões e determinar se os portugueses terão ou não ajuda na viagem. Por conseguinte, o plano da viagem e o plano mitológico decorrem paralelamente. Esta simultaneidade de acontecimentos (a viagem e o consílio) verifica-se, por exemplo, no uso de advérbios de tempo: “Já” (estrofe 19) e “Quando” (estrofe 20). Estas estrofes centram-se, sobretudo, na convocatória dos deuses. É Júpiter, deus supremo, quem convoca enviando o mensageiro dos deuses, Mercúrio. Os deuses que se encontravam em lugares distantes, em todo o Universo, reúnem-se no Monte Olimpo. Estrofes 22 e 23: Nestas estrofes, destacam-se as descrições de Júpiter e do espaço onde decorre o Consílio. Os deuses estão sentados hierarquicamente. Júpiter, pela sua posição, ocupa um lugar de destaque e demonstra ser altivo, severo e soberano. Em seguida, estão sentados os deuses mais antigos e com maior importância. Seguem-se os deuses menores. Todo o espaço reflete riqueza e poder. Por exemplo, o assento de Júpiter é de estrelas brilhantes; os assentos dos restantes deuses são ornamentados de ouro e pérolas. Assembleia (estrofes 24 a 40) Estrofes 24 a 29: Dirigindo-se aos deuses, Júpiter discursa, evidenciando, desde logo, a sua vontade de ajudar a Armada de Vasco da Gama. Mesmo antes de ouvir os restantes deuses, argumenta a favor dos portugueses: ■O Fado/ Destino determina que os portugueses serão capazes de superar em fama e em glória outros povos da Antiguidade como os Assírios, Persas, Gregos e Romanos (estrofe 24); ■Trata-se de um povo simples e “pequeno”, mas, no passado, foi capaz de vencer os mouros e os castelhanos (estrofe 25), tendo enfrentado também, com determinação, os exércitos romanos (estrofe 26); ■Refere o presente dos portugueses, marcado pela ousadia, coragem e determinação: enfrentam tempos adversos, perigos e mares desconhecidos (estrofes 27, 28 e 29); ■O Destino/ Fado dos portugueses está traçado e é algo que não pode ser mudado ou contrariado (estrofe 28). Por isso, tendo em conta que os portugueses estão cansados da longa viagem, é justo que possam chegar à costa. Júpiter determina que os portugueses sejam acolhidos na costa africana, onde poderão recuperar forças e guarnecer a frota, antes de seguir viagem rumo à Índia (estrofe 29). Estrofes 30 a 32: Intervenção de Baco, deus do vinho, também designado por Dioniso. Percorreu o mundo, aparecendo aos homens como um libertador e ganhou especial popularidade na Índia. Baco manifesta-se contra o apoio aos navegadores, com receio de que a sua fama possa ser esquecida no Oriente depois dos portugueses lá chegarem. Teme, por isso, perder a glória e o domínio do Oriente. Estrofes 33 e 34: Intervenção de Vénus, deusa grega do amor e da beleza. Designada pelos romanos como Afrodite. Vénus defende os portugueses, por gostar deles pelas suas semelhanças, nas qualidades e na língua, com o povo romano (estrofe 33) e por saber que será celebrada em todos os locais onde eles chegarem (estrofe 34). Estrofes 34 e 35: Surgem rapidamente apoiantes de Baco e de Vénus e a confusão instala-se no Olimpo. A discussão é tão violenta que é comparada a um ciclone. Estrofes 36 a 40: Intervenção de Marte, deus da guerra. Marte, temido e respeitado por todos os deuses, intervém a favor de Vénus. Não explicita quais são as suas motivações, mas tudo indica que é motivado pelo seu amor antigo por Vénus. Reconhece o valor dos portugueses e não aceita os argumentos de Baco que os inveja. Assim, interpela Júpiter para que este afirme a sua autoridade e faça cumprir as decisões já tomadas. Não exercer a sua autoridade poderá ser visto pelos deuses como um sinal de fraqueza. Conclusão (estrofes 41 e 42) Estrofe 41: Júpiter concorda com Marte e o Consílio termina com a decisão de ajudar os portugueses na viagem para a Índia. Estrofe 42: «Enquanto isto» – Restabelece a noção de simultaneidade entre a viagem dos portugueses (plano da viagem) e o Consílio dos deuses (plano mitológico).
Fly UP