Contrato de Compra e Venda O contrato de compra e venda é "aquele pelo qual uma das partes se obriga a transferir a propriedade de uma coisa à outra, recebendo, em contraprestação, determinada soma de dinheiro ou valor fiduciários equivalente" (Orlando Gomes). Ele é, portanto, o negócio jurídico em que as partes visam, como vantagem econômica, a transferência do domínio de determinado bem mediante uma contraprestação em dinheiro. No Brasil, quando um contrato é celebrado, ele gera um mero direito pessoal. Tratandose de um bem imóvel, só existe o direito real quando o contrato é levado a registro (quando então o comprador passa a ser o proprietário). No caso de um bem móvel, a propriedade é transferida no momento da entrega da coisa (quando ocorre a tradição). No direito brasileiro e no direito alemão o contrato de compra e venda não transfere a propriedade; ele cria a obrigação de transferir a propriedade, realizando-se a transferência pela tradição (bens móveis – art. 1267 e bens imóveis – art. 1245). Art. 1.245. Transfere-se entre vivos a propriedade mediante o registro do título translativo no Registro de Imóveis. § 1o Enquanto não se registrar o título translativo, o alienante continua a ser havido como dono do imóvel. § 2o Enquanto não se promover, por meio de ação própria, a decretação de invalidade do registro, e o respectivo cancelamento, o adquirente continua a ser havido como dono do imóvel. Art. 1.267. A propriedade das coisas não se transfere pelos negócios jurídicos antes da tradição. Parágrafo único. Subentende-se a tradição quando o transmitente continua a possuir pelo constituto possessório; quando cede ao adquirente o direito à restituição da coisa, que se encontra em poder de terceiro; ou quando o adquirente já está na posse da coisa, por ocasião do negócio jurídico. O direito francês e o direito italiano admitem a transferência da propriedade pelo simples consenso entre as partes, manifestado no contrato. CARACTERÍSTICAS COMPRA E VENDA DO CONTRATO DE 1. BILATERAL OU SINALAGMÁTICO Pois gera obrigações recíprocas para o comprador (de pagar o preço em dinheiro) e para o vendedor (de transferir o domínio da coisa). Ambas as partes têm dever jurídico. 2. CONSENSUAL Se aperfeiçoa com o acordo de vontades, independentemente da entrega da coisa (art. 482): Art. 482. A compra e venda, quando pura, considerar-se-á obrigatória e perfeita, desde que as partes acordarem no objeto e no preço. Se o vendedor não entregar a coisa, se diz que ele inadimpliu com a obrigação. Neste caso, cabe ação, proposta pelo comprador. 3. ONEROSIDADE Ambos os contratantes obtêm proveito, ao qual corresponde um sacrifício. Vendedor PROVEITO = receber o preço SACRIFÍCIO = entregar a coisa Comprador PROVEITO = receber a coisa SACRIFÍCIO = pagar o preço 4. CUMUTATIVIDADE Em regra, os contratos de compra e venda são cumutativos, ou seja, as prestações são certas e as partes podem antever as vantagens e os sacrifícios, que geralmente se equivalem, podendo transformar-se em aleatório quando tem por objeto coisas futuras ou coisas existentes mas sujeitas a risco. Um exemplo de contrato aleatório é a venda de uma colheita futura, venha ou não a haver safra. 5. FORMA LIVRE Em regra, a forma dos contratos é livre, ou seja, não solene (não exige solenidade). Em certos casos se exige a escritura pública, como, por exemplo, no caso do art. 108: Art. 108. Não dispondo a lei em contrário, a escritura pública é essencial à validade dos negócios jurídicos que visem à constituição, transferência, modificação ou renúncia de direitos reais sobre imóveis de valor superior a trinta vezes o maior salário mínimo vigente no País. No caso do art. 108, a substância do ato é a escritura pública, mas há exceções, como nos casos do financiamento pelo SFH e do loteamento. Nestes casos, pode-se utilizar o instrumento particular. Estes exemplos de exceções quando à necessidade de escritura pública encontram-se nas seguintes legislações:    Lei 4380/64, art. 61, §5º - Sistema de Habitação Decreto-Lei 58/37, art. 11 – Loteamentos Lei 6766/79, art. 26 ELEMENTOS ESSENCIAIS NO CONTRATO DE COMPRA E VENDA Art. 481. Pelo contrato de compra e venda, um dos contratantes se obriga a transferir o domínio de certa coisa, e o outro, a pagar-lhe certo preço em dinheiro. Art. 482. A compra e venda, quando pura, considerarse-á obrigatória e perfeita, desde que as partes acordarem no objeto e no preço. 1. CONSENSO (manifestação de vontade) 2. COISA 3. PREÇO EM DINHEIRO Faltando um desses elementos, o ato é nulo. COISA Em princípio, todas as coisas no comércio podem ser objeto de venda: os bens corpóreos, as coisas presentes, as futuras, as próprias e as alheias. A venda de bens incorpóreos, compreendidos os direitos, denomina-se CESSÃO. A cessão não tem a finalidade de transferência do domínio, porque este só se exerce sobre coisas. Na cessão de herança, por exemplo, o cessionário se torna titular das relações jurídicas da sucessão, uma vez que o herdeiro não vende os bens que lhe caberão no quinhão, mas sim transfere o patrimônio ativo e passivo tal qual como se encontrava no momento da abertura da sucessão. O vendedor só está obrigado a garantir a sua qualidade de herdeiro. O herdeiro pode fazer uma cessão de direitos hereditários. Neste caso, é lavrada uma escritura (escritura de cessão de bens hereditários). Com ela, o cessionário pode até mesmo abrir o inventário; Admite-se a venda de coisas futuras. Uma vez que o contrato não transfere a propriedade do bem, mas apenas cria a obrigação de transferi-la, nada impede a venda de coisa que ainda não existe. Um exemplo são os frutos de colheita esperada. Se o vendedor não entregar a coisa, resolve-se em perdas e danos (toda obrigação não cumprida resolve-se em perdas e danos, a não ser que se comprove o caso fortuito ou força maior). Se um herdeiro quiser vender um bem, ele é obrigado a dar preferência aos demais herdeiros. A cessão de direitos hereditários cede o todo. O cessionário entra no processo sucessório na qualidade de herdeiro. Não é possível discriminar o(s) bem(ns), a não ser que os herdeiros já tenham elaborado a partilha. Ainda nestes casos, existe entendimento de que, se o juiz ainda não homologou a partilha, ainda não há como discriminar o(s) bem(ns). É ilícita a venda de herança de pessoa viva (art. 426): Art. 426. Não pode ser objeto de contrato a herança de pessoa viva. Se o comprador tinha conhecimento de que a pessoa se encontrava viva, estará sujeito a uma regra em Direito segundo a qual não se pode alegar o desconhecimento da lei. Este contrato será nulo. No entanto, se o comprador alegar que foi levado a erro, configura-se uma fraude. Neste caso, o negócio jurídico pode ser anulado. Somente é lícita a cessão de direitos hereditários (pessoa morta). VENDA DE COISA ALHEIA: Nada obsta que se efetue a venda de bem que ainda não lhe pertence. Se o vendedor consegue adquiri-lo para fazer a entrega prometida, cumprirá a obrigação. Caso contrário, a venda resolve-se em perdas e danos. Existem coisas que não podem ser vendidas, tais como o ar, a luz natural, a água fluente, e bens públicos tais como praças, praias e estradas. PREÇO É a quantia que o comprador se obriga a pagar ao vendedor, e deve consistir em dinheiro. Se for outra coisa, o contrato define-se como PERMUTA OU TROCA. Não se exige que seja exclusivamente em dinheiro, bastando que constitua a parcela principal (maior). O preço deve ser sério, pois é inadmissível o preço simulado, irrisório, vil. O preço deve ser fixado em moeda corrente do país. A substituição de dinheiro por outra coisa, consentida pelo vendedor, depois de concluído o contrato, não o converte em troca ou permuta; haverá, neste caso, uma DAÇÃO EM PAGAMENTO (que é uma forma de extinção da obrigação). CONSENTIMENTO Deve ser livre e espontâneo, sob pena de anulabilidade do negócio jurídico. Requer capacidade das partes. RELATIVAMENTE INCAPAZ ABSOLUTAMENTE INCAPAZ Pode vender. O ato é anulável. O ato é anulável. Trata-se de exceção da regra de que "o nulo não convalece jamais" (Orlando Gomes) Regra: a nulidade absoluta não convalece. O responsável tem que ratificar, pois não é um ato perfeito. ELEMENTOS SECUNDÁRIOS OU NATURAIS Ao lado dos elementos essenciais existem elementos secundários que se presumem existentes na compra e venda: 1. DEVERES DECORRENTES DA LEI  VÍCIOS Art. 492. Até o momento da tradição, os riscos da coisa correm por conta do vendedor, e os do preço por conta do comprador. § 1o Todavia, os casos fortuitos, ocorrentes no ato de contar, marcar ou assinalar coisas, que comumente se recebem, contando, pesando, medindo ou assinalando, e que já tiverem sido postas à disposição do comprador, correrão por conta deste. § 2o Correrão também por conta do comprador os riscos das referidas coisas, se estiver em mora de as receber, quando postas à sua disposição no tempo, lugar e pelo modo ajustados.  VÍCIO REDIBITÓRIO Art. 441. A coisa recebida em virtude de contrato comutativo pode ser enjeitada por vícios ou defeitos ocultos, que a tornem imprópria ao uso a que é destinada, ou lhe diminuam o valor.  EVICÇÃO Art. 447. Nos contratos onerosos, o alienante responde pela evicção. Subsiste esta garantia ainda que a aquisição se tenha realizado em hasta pública. A doação pura é um contrato gratuito e, portanto, não é possível aplicar o instituto da evicção. Já na doação com encargo, é possível.  O art. 442 fala do ato de REDIBIR (rescindir), ou seja, da AÇÃO REDIBITÓRIA. Art. 442. Em vez de rejeitar a coisa, redibindo o contrato (art. 441), pode o adquirente reclamar abatimento no preço.  O comprador pode reclamar abatimento através da AÇÃO ESTIMATÓRIA ou quanti minoris. A AÇÃO REDIBITÓRIA e a AÇÃO ESTIMATÓRIA são as duas espécies do gênero AÇÃO EDILÍCIA. DE  1. CORREM POR CONTA DO COMPRADOR AS DESPESAS ESCRITURA, E POR CONTA DO VENDEDOR AS DE TRADIÇÃO: Art. 490. Salvo cláusula em contrário, ficarão as despesas de escritura e registro a cargo do comprador, e a cargo do vendedor as da tradição. O vendedor é o responsável pelas certidões negativas (despesas da tradição). O imposto de transmissão inter vivos (ITBI) deve ser pago pelo comprador. A venda à vista é realizada mediante o pagamento do preço, não sendo o vendedor obrigado a entregar a coisa antes de receber o preço, nos termos do art. 491: Art. 491. Não sendo a venda a crédito, o vendedor não é obrigado a entregar a coisa antes de receber o preço. Os ascendentes não podem vender ao descendente sem que os outros descendentes expressamente consintam (art. 496): Art. 496. É anulável a venda de ascendente a descendente, salvo se os outros descendentes e o cônjuge do alienante expressamente houverem consentido. Parágrafo único. Em ambos os casos, dispensa-se o consentimento do cônjuge se o regime de bens for o da separação obrigatória. Isto de destina a evitar quaisquer fraudes. Numa sucessão, metade do patrimônio pertence à meeira, caso o casamento tenha sido realizado em comunhão de bens. 50% da outra metade constituem a legítima e os outros 50% constituem a parte que o testador pode dispor como quiser. MODALIDADES ESPECIAIS DE VENDA Dentre as vendas imobiliárias, a mais importante distinção se faz entre a venda ad corpus e a venda ad mensuram. VENDA AD CORPUS Se faz sem determinação da área do imóvel ou estipulação do preço por medida de extensão. O bem é vendido como corpo certo, individualizado por suas características e confrontações, e também por sua denominação, quando for rural. A referência à dimensão não descaracteriza a venda ad corpus se não tem a função de condicionar o preço. VENDA AD MENSURAM Na venda ad mensuram a determinação da área do imóvel constitui elemento determinante da fixação do preço. A área é expressamente condição do preço quando este se estipula por medida de extensão (quando, por exemplo, alguém compra um terreno à razão de "x" Reais por metro quadrado). Observação: Se a venda for ad corpus, o comprador não tem pretensão alguma quando as dimensões do imóvel forem inferiores às que se pactuou, ou seja, só se pode pedir a complementação da área (ação ex empto), a resolução do contrato (ação redibitória) ou o abatimento do preço (ação estimatória ou quant minores) quando a venda for ad mensuram. RETROVENDA Encontra-se normatizada nos artigos 505 a 508: Art. 505. O vendedor de coisa imóvel pode reservar-se o direito de recobrá-la no prazo máximo de decadência de três anos, restituindo o preço recebido e reembolsando as despesas do comprador, inclusive as que, durante o período de resgate, se efetuaram com a sua autorização escrita, ou para a realização de benfeitorias necessárias. Art. 506. Se o comprador se recusar a receber as quantias a que faz jus, o vendedor, para exercer o direito de resgate, as depositará judicialmente. Parágrafo único. Verificada a insuficiência do depósito judicial, não será o vendedor restituído no domínio da coisa, até e enquanto não for integralmente pago o comprador. Art. 507. O direito de retrato, que é cessível e transmissível a herdeiros e legatários, poderá ser exercido contra o terceiro adquirente. Art. 508. Se a duas ou mais pessoas couber o direito de retrato sobre o mesmo imóvel, e só uma o exercer, poderá o comprador intimar as outras para nele acordarem, prevalecendo o pacto em favor de quem haja efetuado o depósito, contanto que seja integral. A retrovenda só se aplica aos imóveis, e pode ser exercida durante um prazo de caducidade de, no máximo, 3 anos, a partir da data da venda, conforme dispõe o art. 505. Tem efeitos reais, valendo contra terceiros. Verdadeira cláusula resolutória da propriedade, extingue todos os direitos de terceiros posteriores à alienação primitiva. A retrovenda tem sido utilizada para a garantia de direitos, substituindo a hipoteca e permitindo ao credor, na hipótese de não pagamento do devedor, de ficar com o imóvel dado em garantia, sem necessidade de que o bem seja vendido em hasta pública, fazendo com que prevaleça uma espécie de pacto comissório, proibido pelo nosso Direito no tocante à garantia hipotecária (art. 1428): Art. 1.428. É nula a cláusula que autoriza o credor pignoratício, anticrético ou hipotecário a ficar com o objeto da garantia, se a dívida não for paga no vencimento. Parágrafo único. Após o vencimento, poderá o devedor dar a coisa em pagamento da dívida. É uma propriedade resolúvel, sujeita a condição ou a termo resolutivos. Trata-se de uma propriedade temporária. Os tribunais de justiça passaram a entender como nulo o pacto de retrovenda com a finalidade usurária. PREEMPÇÃO OU PREFERÊNCIA (artigos 513 a 520) É uma faculdade pessoal que se assegura ao vendedor para readquirir a coisa vendida em igualdade de condições com o terceiro comprador, na hipótese de revenda do bem. É aplicável tanto aos bens móveis como aos bens imóveis, importando na criação de um direito obrigacional que se resolve em perdas e danos, e não num direito real, como ocorre na retrovenda. O direito de preferência é intransferível. Se a alienação ocorrer sem o conhecimento do titular do direito de preferência ou, se dada a ciência, o titular da preferência declarar que pretende usar o seu direito e a venda for realizada em favor de terceiro, poderá exigir a coisa do terceiro que a houver adquirido, nos termos do art. 504, ou reclamar a indenização correspondente por parte do alienante. Maria faleceu, deixando João, seu marido (meeiro) e três filhos. Seu patrimônio incluía um imóvel avaliado em R$ 300.000,00. Um dos filhos queria comprar este imóvel e seu pai, inventariante, requereu alvará judicial para a venda do mesmo. Ocorre que foi feita uma escritura com o valor de R$ 50.000,00, o que prejudicaria os demais herdeiros no momento da partilha. Foi feita, então, uma escritura de retificação, no valor de R$ 300.000,00. LEI 6899 (Processo Civil) Determina a aplicação de correção monetária. Se alguém entrar com ação e não requerer os juros e a correção monetária, o pedido estará implícito, nos termos da lei. A preferência tem sido assegurada ao locatário conforme dispõe o art. 33 da Lei 8245/91. PACTO COMISSÓRIO Encontra-se normalizado no art. 1166 do Código Civil de 1916. É a cláusula resolutiva incluída numa compra e venda a prazo, pela qual se faculta ao vendedor resolver o contrato se o comprador não pagar o preço até certa data. Orlando Gomes assevera que a cláusula está subentendida em todos os contratos bilaterais (condição resolutiva tácita), tornando-se desnecessário mencioná-la expressamente (contudo, não há inconveniente em explicitá-la). Esta cláusula, no entanto, é vedada em casos de hipoteca, penhor e anticrese. A estipulação do pacto comissório não afasta a intervenção judicial para a resolução do contrato (é necessário entrar com uma ação). Desfeita a venda, volta o bem ao patrimônio do vendedor. VENDA COM RESERVA DE DOMÍNIO O Código Civil de 1916 não normalizava esta hipótese, mas o Código Civil vigente o faz, nos termos dos artigos 521 a 528: Art. 521. Na venda de coisa móvel, pode o vendedor reservar para si a propriedade, até que o preço esteja integralmente pago. Art. 522. A cláusula de reserva de domínio será estipulada por escrito e depende de registro no domicílio do comprador para valer contra terceiros. Art. 523. Não pode ser objeto de venda com reserva de domínio a coisa insuscetível de caracterização perfeita, para estremá-la de outras congêneres. Na dúvida, decide-se a favor do terceiro adquirente de boa-fé. Art. 524. A transferência de propriedade ao comprador dá-se no momento em que o preço esteja integralmente pago. Todavia, pelos riscos da coisa responde o comprador, a partir de quando lhe foi entregue. Art. 525. O vendedor somente poderá executar a cláusula de reserva de domínio após constituir o comprador em mora, mediante protesto do título ou interpelação judicial. Art. 526. Verificada a mora do comprador, poderá o vendedor mover contra ele a competente ação de cobrança das prestações vencidas e vincendas e o mais que lhe for devido; ou poderá recuperar a posse da coisa vendida. Art. 527. Na segunda hipótese do artigo antecedente, é facultado ao vendedor reter as prestações pagas até o necessário para cobrir a depreciação da coisa, as despesas feitas e o mais que de direito lhe for devido. O excedente será devolvido ao comprador; e o que faltar lhe será cobrado, tudo na forma da lei processual. Art. 528. Se o vendedor receber o pagamento à vista, ou, posteriormente, mediante financiamento de instituição do mercado de capitais, a esta caberá exercer os direitos e ações decorrentes do contrato, a benefício de qualquer outro. A operação financeira e a respectiva ciência do comprador constarão do registro do contrato. Consiste na cláusula inserida na compra e venda a crédito de objetos individuados ou infungíveis, pela qual o comprador, não obstante tenha a posse da coisa comprada, só adquire a proipriedade após integralizar o pagamento do preço, geralmente dividido em prestações. A coisa deve ser inconfundível para ser passível de busca e apreensão, se não se realizar o pagamento. Normalmente, são objetos do contrato eletrodomésticos, automóveis e outros bens individualizados. O vendedor prossegue sendo o proprietário da coisa até a solução do preço. Já o comprador permanece na posse da coisa na condição de depositário, tendo direito a uso e gozo da coisa. O contrato deve ser registrado no Registro de Títulos e Documentos para surtir efeitos em relação a terceiros. Diz o art. 129 da Lei 6015/73 (Lei de Registros Públicos): Art. 129. À margem dos respectivos registros, serão averbadas quaisquer ocorrências que os alterem, quer em relação às obrigações, quer em atinência às pessoas que nos atos figurarem, inclusive quanto à prorrogação dos prazos. O instituto da venda com reserva de domínio perdeu muito com a introdução em nosso Ordenamento Jurídico do instituto da alienação fiduciária em garantia, que se revelou mais eficaz na proteção do credor. COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA O compromisso de compra e venda, também chamado de promessa de compra e venda, é um contrato preliminar, ou pré-contrato, que tem por fim a celebração de uma escritura de compra e venda. PROMESSA UNILATERAL DE VENDA (opção) É aquela em que uma das partes, que pretende alienar, se obriga a aguardar a resposta de um pretendente. Tilico pretende adquirir um imóvel com financiamento, devendo levar um compromisso escrito do proprietário de que o mesmo irá vender o imóvel tão logo seja aprovado o financiamento, num prazo fixado. PROMESSA DE COMPRA E VENDA BILATERAL Ocorre quando uma das partes se obriga a vender e, a outra, a comprar determinado bem, cujo preço, na maioria das vezes, é pago parceladamente (em prestações). Satisfeitos os deveres das partes (documentação do alienante – e do adquirente – e preço pago pelo adquirente), assina-se a escritura de compra e venda, impropriamente chamada por alguns de escritura definitiva. AÇÃO DE ADJUDICAÇÃO COMPULSÓRIA É possível quando o vendedor não quer assinar a escritura de compra e venda. Neste caso, a sentença do juiz corresponde a uma escritura. O comprador, no entanto, tem que provar que pagou o preço. Se o bem for comprado à vista, poderá ser lavrada promessa de compra e venda em vez da escritura de compra e venda? Poderá ser feita uma promessa de compra e venda com quitação de preço, e o vendedor pode outorgar procuração para três pessoas de confiança do comprador, que então assinarão a escritura de compra e venda. É necessário registrar a promessa de compra e venda, para que surja o direito real. Geralmente este fato ocorre quando o comprador não dispõe ainda do valor necessário para o pagamento do imposto de transmissão.
Please download to view
All materials on our website are shared by users. If you have any questions about copyright issues, please report us to resolve them. We are always happy to assist you.
...

Contrato de Compra e Venda

by jackson-ribeiro-jj

on

Report

Category:

Documents

Download: 0

Comment: 0

34

views

Comments

Description

Download Contrato de Compra e Venda

Transcript

Contrato de Compra e Venda O contrato de compra e venda é "aquele pelo qual uma das partes se obriga a transferir a propriedade de uma coisa à outra, recebendo, em contraprestação, determinada soma de dinheiro ou valor fiduciários equivalente" (Orlando Gomes). Ele é, portanto, o negócio jurídico em que as partes visam, como vantagem econômica, a transferência do domínio de determinado bem mediante uma contraprestação em dinheiro. No Brasil, quando um contrato é celebrado, ele gera um mero direito pessoal. Tratandose de um bem imóvel, só existe o direito real quando o contrato é levado a registro (quando então o comprador passa a ser o proprietário). No caso de um bem móvel, a propriedade é transferida no momento da entrega da coisa (quando ocorre a tradição). No direito brasileiro e no direito alemão o contrato de compra e venda não transfere a propriedade; ele cria a obrigação de transferir a propriedade, realizando-se a transferência pela tradição (bens móveis – art. 1267 e bens imóveis – art. 1245). Art. 1.245. Transfere-se entre vivos a propriedade mediante o registro do título translativo no Registro de Imóveis. § 1o Enquanto não se registrar o título translativo, o alienante continua a ser havido como dono do imóvel. § 2o Enquanto não se promover, por meio de ação própria, a decretação de invalidade do registro, e o respectivo cancelamento, o adquirente continua a ser havido como dono do imóvel. Art. 1.267. A propriedade das coisas não se transfere pelos negócios jurídicos antes da tradição. Parágrafo único. Subentende-se a tradição quando o transmitente continua a possuir pelo constituto possessório; quando cede ao adquirente o direito à restituição da coisa, que se encontra em poder de terceiro; ou quando o adquirente já está na posse da coisa, por ocasião do negócio jurídico. O direito francês e o direito italiano admitem a transferência da propriedade pelo simples consenso entre as partes, manifestado no contrato. CARACTERÍSTICAS COMPRA E VENDA DO CONTRATO DE 1. BILATERAL OU SINALAGMÁTICO Pois gera obrigações recíprocas para o comprador (de pagar o preço em dinheiro) e para o vendedor (de transferir o domínio da coisa). Ambas as partes têm dever jurídico. 2. CONSENSUAL Se aperfeiçoa com o acordo de vontades, independentemente da entrega da coisa (art. 482): Art. 482. A compra e venda, quando pura, considerar-se-á obrigatória e perfeita, desde que as partes acordarem no objeto e no preço. Se o vendedor não entregar a coisa, se diz que ele inadimpliu com a obrigação. Neste caso, cabe ação, proposta pelo comprador. 3. ONEROSIDADE Ambos os contratantes obtêm proveito, ao qual corresponde um sacrifício. Vendedor PROVEITO = receber o preço SACRIFÍCIO = entregar a coisa Comprador PROVEITO = receber a coisa SACRIFÍCIO = pagar o preço 4. CUMUTATIVIDADE Em regra, os contratos de compra e venda são cumutativos, ou seja, as prestações são certas e as partes podem antever as vantagens e os sacrifícios, que geralmente se equivalem, podendo transformar-se em aleatório quando tem por objeto coisas futuras ou coisas existentes mas sujeitas a risco. Um exemplo de contrato aleatório é a venda de uma colheita futura, venha ou não a haver safra. 5. FORMA LIVRE Em regra, a forma dos contratos é livre, ou seja, não solene (não exige solenidade). Em certos casos se exige a escritura pública, como, por exemplo, no caso do art. 108: Art. 108. Não dispondo a lei em contrário, a escritura pública é essencial à validade dos negócios jurídicos que visem à constituição, transferência, modificação ou renúncia de direitos reais sobre imóveis de valor superior a trinta vezes o maior salário mínimo vigente no País. No caso do art. 108, a substância do ato é a escritura pública, mas há exceções, como nos casos do financiamento pelo SFH e do loteamento. Nestes casos, pode-se utilizar o instrumento particular. Estes exemplos de exceções quando à necessidade de escritura pública encontram-se nas seguintes legislações:    Lei 4380/64, art. 61, §5º - Sistema de Habitação Decreto-Lei 58/37, art. 11 – Loteamentos Lei 6766/79, art. 26 ELEMENTOS ESSENCIAIS NO CONTRATO DE COMPRA E VENDA Art. 481. Pelo contrato de compra e venda, um dos contratantes se obriga a transferir o domínio de certa coisa, e o outro, a pagar-lhe certo preço em dinheiro. Art. 482. A compra e venda, quando pura, considerarse-á obrigatória e perfeita, desde que as partes acordarem no objeto e no preço. 1. CONSENSO (manifestação de vontade) 2. COISA 3. PREÇO EM DINHEIRO Faltando um desses elementos, o ato é nulo. COISA Em princípio, todas as coisas no comércio podem ser objeto de venda: os bens corpóreos, as coisas presentes, as futuras, as próprias e as alheias. A venda de bens incorpóreos, compreendidos os direitos, denomina-se CESSÃO. A cessão não tem a finalidade de transferência do domínio, porque este só se exerce sobre coisas. Na cessão de herança, por exemplo, o cessionário se torna titular das relações jurídicas da sucessão, uma vez que o herdeiro não vende os bens que lhe caberão no quinhão, mas sim transfere o patrimônio ativo e passivo tal qual como se encontrava no momento da abertura da sucessão. O vendedor só está obrigado a garantir a sua qualidade de herdeiro. O herdeiro pode fazer uma cessão de direitos hereditários. Neste caso, é lavrada uma escritura (escritura de cessão de bens hereditários). Com ela, o cessionário pode até mesmo abrir o inventário; Admite-se a venda de coisas futuras. Uma vez que o contrato não transfere a propriedade do bem, mas apenas cria a obrigação de transferi-la, nada impede a venda de coisa que ainda não existe. Um exemplo são os frutos de colheita esperada. Se o vendedor não entregar a coisa, resolve-se em perdas e danos (toda obrigação não cumprida resolve-se em perdas e danos, a não ser que se comprove o caso fortuito ou força maior). Se um herdeiro quiser vender um bem, ele é obrigado a dar preferência aos demais herdeiros. A cessão de direitos hereditários cede o todo. O cessionário entra no processo sucessório na qualidade de herdeiro. Não é possível discriminar o(s) bem(ns), a não ser que os herdeiros já tenham elaborado a partilha. Ainda nestes casos, existe entendimento de que, se o juiz ainda não homologou a partilha, ainda não há como discriminar o(s) bem(ns). É ilícita a venda de herança de pessoa viva (art. 426): Art. 426. Não pode ser objeto de contrato a herança de pessoa viva. Se o comprador tinha conhecimento de que a pessoa se encontrava viva, estará sujeito a uma regra em Direito segundo a qual não se pode alegar o desconhecimento da lei. Este contrato será nulo. No entanto, se o comprador alegar que foi levado a erro, configura-se uma fraude. Neste caso, o negócio jurídico pode ser anulado. Somente é lícita a cessão de direitos hereditários (pessoa morta). VENDA DE COISA ALHEIA: Nada obsta que se efetue a venda de bem que ainda não lhe pertence. Se o vendedor consegue adquiri-lo para fazer a entrega prometida, cumprirá a obrigação. Caso contrário, a venda resolve-se em perdas e danos. Existem coisas que não podem ser vendidas, tais como o ar, a luz natural, a água fluente, e bens públicos tais como praças, praias e estradas. PREÇO É a quantia que o comprador se obriga a pagar ao vendedor, e deve consistir em dinheiro. Se for outra coisa, o contrato define-se como PERMUTA OU TROCA. Não se exige que seja exclusivamente em dinheiro, bastando que constitua a parcela principal (maior). O preço deve ser sério, pois é inadmissível o preço simulado, irrisório, vil. O preço deve ser fixado em moeda corrente do país. A substituição de dinheiro por outra coisa, consentida pelo vendedor, depois de concluído o contrato, não o converte em troca ou permuta; haverá, neste caso, uma DAÇÃO EM PAGAMENTO (que é uma forma de extinção da obrigação). CONSENTIMENTO Deve ser livre e espontâneo, sob pena de anulabilidade do negócio jurídico. Requer capacidade das partes. RELATIVAMENTE INCAPAZ ABSOLUTAMENTE INCAPAZ Pode vender. O ato é anulável. O ato é anulável. Trata-se de exceção da regra de que "o nulo não convalece jamais" (Orlando Gomes) Regra: a nulidade absoluta não convalece. O responsável tem que ratificar, pois não é um ato perfeito. ELEMENTOS SECUNDÁRIOS OU NATURAIS Ao lado dos elementos essenciais existem elementos secundários que se presumem existentes na compra e venda: 1. DEVERES DECORRENTES DA LEI  VÍCIOS Art. 492. Até o momento da tradição, os riscos da coisa correm por conta do vendedor, e os do preço por conta do comprador. § 1o Todavia, os casos fortuitos, ocorrentes no ato de contar, marcar ou assinalar coisas, que comumente se recebem, contando, pesando, medindo ou assinalando, e que já tiverem sido postas à disposição do comprador, correrão por conta deste. § 2o Correrão também por conta do comprador os riscos das referidas coisas, se estiver em mora de as receber, quando postas à sua disposição no tempo, lugar e pelo modo ajustados.  VÍCIO REDIBITÓRIO Art. 441. A coisa recebida em virtude de contrato comutativo pode ser enjeitada por vícios ou defeitos ocultos, que a tornem imprópria ao uso a que é destinada, ou lhe diminuam o valor.  EVICÇÃO Art. 447. Nos contratos onerosos, o alienante responde pela evicção. Subsiste esta garantia ainda que a aquisição se tenha realizado em hasta pública. A doação pura é um contrato gratuito e, portanto, não é possível aplicar o instituto da evicção. Já na doação com encargo, é possível.  O art. 442 fala do ato de REDIBIR (rescindir), ou seja, da AÇÃO REDIBITÓRIA. Art. 442. Em vez de rejeitar a coisa, redibindo o contrato (art. 441), pode o adquirente reclamar abatimento no preço.  O comprador pode reclamar abatimento através da AÇÃO ESTIMATÓRIA ou quanti minoris. A AÇÃO REDIBITÓRIA e a AÇÃO ESTIMATÓRIA são as duas espécies do gênero AÇÃO EDILÍCIA. DE  1. CORREM POR CONTA DO COMPRADOR AS DESPESAS ESCRITURA, E POR CONTA DO VENDEDOR AS DE TRADIÇÃO: Art. 490. Salvo cláusula em contrário, ficarão as despesas de escritura e registro a cargo do comprador, e a cargo do vendedor as da tradição. O vendedor é o responsável pelas certidões negativas (despesas da tradição). O imposto de transmissão inter vivos (ITBI) deve ser pago pelo comprador. A venda à vista é realizada mediante o pagamento do preço, não sendo o vendedor obrigado a entregar a coisa antes de receber o preço, nos termos do art. 491: Art. 491. Não sendo a venda a crédito, o vendedor não é obrigado a entregar a coisa antes de receber o preço. Os ascendentes não podem vender ao descendente sem que os outros descendentes expressamente consintam (art. 496): Art. 496. É anulável a venda de ascendente a descendente, salvo se os outros descendentes e o cônjuge do alienante expressamente houverem consentido. Parágrafo único. Em ambos os casos, dispensa-se o consentimento do cônjuge se o regime de bens for o da separação obrigatória. Isto de destina a evitar quaisquer fraudes. Numa sucessão, metade do patrimônio pertence à meeira, caso o casamento tenha sido realizado em comunhão de bens. 50% da outra metade constituem a legítima e os outros 50% constituem a parte que o testador pode dispor como quiser. MODALIDADES ESPECIAIS DE VENDA Dentre as vendas imobiliárias, a mais importante distinção se faz entre a venda ad corpus e a venda ad mensuram. VENDA AD CORPUS Se faz sem determinação da área do imóvel ou estipulação do preço por medida de extensão. O bem é vendido como corpo certo, individualizado por suas características e confrontações, e também por sua denominação, quando for rural. A referência à dimensão não descaracteriza a venda ad corpus se não tem a função de condicionar o preço. VENDA AD MENSURAM Na venda ad mensuram a determinação da área do imóvel constitui elemento determinante da fixação do preço. A área é expressamente condição do preço quando este se estipula por medida de extensão (quando, por exemplo, alguém compra um terreno à razão de "x" Reais por metro quadrado). Observação: Se a venda for ad corpus, o comprador não tem pretensão alguma quando as dimensões do imóvel forem inferiores às que se pactuou, ou seja, só se pode pedir a complementação da área (ação ex empto), a resolução do contrato (ação redibitória) ou o abatimento do preço (ação estimatória ou quant minores) quando a venda for ad mensuram. RETROVENDA Encontra-se normatizada nos artigos 505 a 508: Art. 505. O vendedor de coisa imóvel pode reservar-se o direito de recobrá-la no prazo máximo de decadência de três anos, restituindo o preço recebido e reembolsando as despesas do comprador, inclusive as que, durante o período de resgate, se efetuaram com a sua autorização escrita, ou para a realização de benfeitorias necessárias. Art. 506. Se o comprador se recusar a receber as quantias a que faz jus, o vendedor, para exercer o direito de resgate, as depositará judicialmente. Parágrafo único. Verificada a insuficiência do depósito judicial, não será o vendedor restituído no domínio da coisa, até e enquanto não for integralmente pago o comprador. Art. 507. O direito de retrato, que é cessível e transmissível a herdeiros e legatários, poderá ser exercido contra o terceiro adquirente. Art. 508. Se a duas ou mais pessoas couber o direito de retrato sobre o mesmo imóvel, e só uma o exercer, poderá o comprador intimar as outras para nele acordarem, prevalecendo o pacto em favor de quem haja efetuado o depósito, contanto que seja integral. A retrovenda só se aplica aos imóveis, e pode ser exercida durante um prazo de caducidade de, no máximo, 3 anos, a partir da data da venda, conforme dispõe o art. 505. Tem efeitos reais, valendo contra terceiros. Verdadeira cláusula resolutória da propriedade, extingue todos os direitos de terceiros posteriores à alienação primitiva. A retrovenda tem sido utilizada para a garantia de direitos, substituindo a hipoteca e permitindo ao credor, na hipótese de não pagamento do devedor, de ficar com o imóvel dado em garantia, sem necessidade de que o bem seja vendido em hasta pública, fazendo com que prevaleça uma espécie de pacto comissório, proibido pelo nosso Direito no tocante à garantia hipotecária (art. 1428): Art. 1.428. É nula a cláusula que autoriza o credor pignoratício, anticrético ou hipotecário a ficar com o objeto da garantia, se a dívida não for paga no vencimento. Parágrafo único. Após o vencimento, poderá o devedor dar a coisa em pagamento da dívida. É uma propriedade resolúvel, sujeita a condição ou a termo resolutivos. Trata-se de uma propriedade temporária. Os tribunais de justiça passaram a entender como nulo o pacto de retrovenda com a finalidade usurária. PREEMPÇÃO OU PREFERÊNCIA (artigos 513 a 520) É uma faculdade pessoal que se assegura ao vendedor para readquirir a coisa vendida em igualdade de condições com o terceiro comprador, na hipótese de revenda do bem. É aplicável tanto aos bens móveis como aos bens imóveis, importando na criação de um direito obrigacional que se resolve em perdas e danos, e não num direito real, como ocorre na retrovenda. O direito de preferência é intransferível. Se a alienação ocorrer sem o conhecimento do titular do direito de preferência ou, se dada a ciência, o titular da preferência declarar que pretende usar o seu direito e a venda for realizada em favor de terceiro, poderá exigir a coisa do terceiro que a houver adquirido, nos termos do art. 504, ou reclamar a indenização correspondente por parte do alienante. Maria faleceu, deixando João, seu marido (meeiro) e três filhos. Seu patrimônio incluía um imóvel avaliado em R$ 300.000,00. Um dos filhos queria comprar este imóvel e seu pai, inventariante, requereu alvará judicial para a venda do mesmo. Ocorre que foi feita uma escritura com o valor de R$ 50.000,00, o que prejudicaria os demais herdeiros no momento da partilha. Foi feita, então, uma escritura de retificação, no valor de R$ 300.000,00. LEI 6899 (Processo Civil) Determina a aplicação de correção monetária. Se alguém entrar com ação e não requerer os juros e a correção monetária, o pedido estará implícito, nos termos da lei. A preferência tem sido assegurada ao locatário conforme dispõe o art. 33 da Lei 8245/91. PACTO COMISSÓRIO Encontra-se normalizado no art. 1166 do Código Civil de 1916. É a cláusula resolutiva incluída numa compra e venda a prazo, pela qual se faculta ao vendedor resolver o contrato se o comprador não pagar o preço até certa data. Orlando Gomes assevera que a cláusula está subentendida em todos os contratos bilaterais (condição resolutiva tácita), tornando-se desnecessário mencioná-la expressamente (contudo, não há inconveniente em explicitá-la). Esta cláusula, no entanto, é vedada em casos de hipoteca, penhor e anticrese. A estipulação do pacto comissório não afasta a intervenção judicial para a resolução do contrato (é necessário entrar com uma ação). Desfeita a venda, volta o bem ao patrimônio do vendedor. VENDA COM RESERVA DE DOMÍNIO O Código Civil de 1916 não normalizava esta hipótese, mas o Código Civil vigente o faz, nos termos dos artigos 521 a 528: Art. 521. Na venda de coisa móvel, pode o vendedor reservar para si a propriedade, até que o preço esteja integralmente pago. Art. 522. A cláusula de reserva de domínio será estipulada por escrito e depende de registro no domicílio do comprador para valer contra terceiros. Art. 523. Não pode ser objeto de venda com reserva de domínio a coisa insuscetível de caracterização perfeita, para estremá-la de outras congêneres. Na dúvida, decide-se a favor do terceiro adquirente de boa-fé. Art. 524. A transferência de propriedade ao comprador dá-se no momento em que o preço esteja integralmente pago. Todavia, pelos riscos da coisa responde o comprador, a partir de quando lhe foi entregue. Art. 525. O vendedor somente poderá executar a cláusula de reserva de domínio após constituir o comprador em mora, mediante protesto do título ou interpelação judicial. Art. 526. Verificada a mora do comprador, poderá o vendedor mover contra ele a competente ação de cobrança das prestações vencidas e vincendas e o mais que lhe for devido; ou poderá recuperar a posse da coisa vendida. Art. 527. Na segunda hipótese do artigo antecedente, é facultado ao vendedor reter as prestações pagas até o necessário para cobrir a depreciação da coisa, as despesas feitas e o mais que de direito lhe for devido. O excedente será devolvido ao comprador; e o que faltar lhe será cobrado, tudo na forma da lei processual. Art. 528. Se o vendedor receber o pagamento à vista, ou, posteriormente, mediante financiamento de instituição do mercado de capitais, a esta caberá exercer os direitos e ações decorrentes do contrato, a benefício de qualquer outro. A operação financeira e a respectiva ciência do comprador constarão do registro do contrato. Consiste na cláusula inserida na compra e venda a crédito de objetos individuados ou infungíveis, pela qual o comprador, não obstante tenha a posse da coisa comprada, só adquire a proipriedade após integralizar o pagamento do preço, geralmente dividido em prestações. A coisa deve ser inconfundível para ser passível de busca e apreensão, se não se realizar o pagamento. Normalmente, são objetos do contrato eletrodomésticos, automóveis e outros bens individualizados. O vendedor prossegue sendo o proprietário da coisa até a solução do preço. Já o comprador permanece na posse da coisa na condição de depositário, tendo direito a uso e gozo da coisa. O contrato deve ser registrado no Registro de Títulos e Documentos para surtir efeitos em relação a terceiros. Diz o art. 129 da Lei 6015/73 (Lei de Registros Públicos): Art. 129. À margem dos respectivos registros, serão averbadas quaisquer ocorrências que os alterem, quer em relação às obrigações, quer em atinência às pessoas que nos atos figurarem, inclusive quanto à prorrogação dos prazos. O instituto da venda com reserva de domínio perdeu muito com a introdução em nosso Ordenamento Jurídico do instituto da alienação fiduciária em garantia, que se revelou mais eficaz na proteção do credor. COMPROMISSO DE COMPRA E VENDA O compromisso de compra e venda, também chamado de promessa de compra e venda, é um contrato preliminar, ou pré-contrato, que tem por fim a celebração de uma escritura de compra e venda. PROMESSA UNILATERAL DE VENDA (opção) É aquela em que uma das partes, que pretende alienar, se obriga a aguardar a resposta de um pretendente. Tilico pretende adquirir um imóvel com financiamento, devendo levar um compromisso escrito do proprietário de que o mesmo irá vender o imóvel tão logo seja aprovado o financiamento, num prazo fixado. PROMESSA DE COMPRA E VENDA BILATERAL Ocorre quando uma das partes se obriga a vender e, a outra, a comprar determinado bem, cujo preço, na maioria das vezes, é pago parceladamente (em prestações). Satisfeitos os deveres das partes (documentação do alienante – e do adquirente – e preço pago pelo adquirente), assina-se a escritura de compra e venda, impropriamente chamada por alguns de escritura definitiva. AÇÃO DE ADJUDICAÇÃO COMPULSÓRIA É possível quando o vendedor não quer assinar a escritura de compra e venda. Neste caso, a sentença do juiz corresponde a uma escritura. O comprador, no entanto, tem que provar que pagou o preço. Se o bem for comprado à vista, poderá ser lavrada promessa de compra e venda em vez da escritura de compra e venda? Poderá ser feita uma promessa de compra e venda com quitação de preço, e o vendedor pode outorgar procuração para três pessoas de confiança do comprador, que então assinarão a escritura de compra e venda. É necessário registrar a promessa de compra e venda, para que surja o direito real. Geralmente este fato ocorre quando o comprador não dispõe ainda do valor necessário para o pagamento do imposto de transmissão.
Fly UP